O enigma da representação na Crítica da razão pura entre epistemologia e idealismo absoluto

Paulo R. Licht dos Santos

Resumo


A filosofia crítica apoia-se na noção de representação, de ponta a ponta, como fundamento de sua investigação. Essa noção, contudo, acaba por tornar-se um problema na Dedução Transcendental da Crítica da razão pura, ponto de partida de pelo menos duas tradições distintas de apropriação da filosofia kantiana: a epistemologia e o idealism absoluto. Para compreender os momentos estruturais do problema representação, tal como se apresenta na Dedução Transcendental, recuamos para duas etapas da trajetória kantiana, de algum modo pressupostas pela primeira Crítica: a Reflexão 1676 e a carta de Kant a Herz, de 21 fevereiro de 1772. A determinação da estrutura geral do problema permitirá, por fim, aferir os compromissos teóricos que assumem cada uma das duas tradições de leituras da Dedução Transcendental. 

Texto completo:

PDF

Referências


ALLISON, H. Kant’s Transcendental Idealism: an interpretation and defense. 2.

Ed. New Haven and London: Yale University Press, 2004.

CARL, W. Kant’s First Drafts of the Deduction of the Categories. In: FORSTER,

E. (Org.). Kant’s Transcendental Deductions: The Three Critiques and the Opus

postumum. Stanford: University Press, 1989. p. 3-20.

CODATO, L. Kant e o fim da ontologia. Analytica, Rio de Janeiro, v. 13, p. 39-

, 2009.

COHEN, H. Kants Theorie der Erfahrung. Reimpr. Hildesheim: Georg Olms

Verlag, 1987.

FICHTE, J. G. Gesamtausgabe der Bayerischen Akademie der Wissenschaften. (Org.).

Von R. Lauth und H. Jacob. Stuttgart-Bad-Canstatt: Frommann-Holzboog,

GESANG, B. G. E. Schulzes “Aenesidemus”, das Buch das Kant für Fichte “verdächtig”

machte. In: Kant und Fichte – Fichte und Kant (Org.). CHRISTOPH,

A. Fichte Studien,. Amsterdam- New York: Editions Rodopi B.V, 2009. vol. 33,

p. 17-30.

GIANNOTTI, J. A. Apresentação do mundo: considerações sobre o pensamento

de Ludwig Wittgenstein. São Paulo: Cia. das Letras, 1995.

KANT, I. Gesammelte Schriften. Akademie der Wissenschaften. Berlin: G.

Reimer (W. de Gruyter), 1902 ss.

KANT, I. Crítica da Razão Pura, trad. de M. P. dos Santos e A. F. Morujão,

Fundação Calouste Gulbenkian, 2. ed, Lisboa, 1989. (A, primeira edição; B,

segunda edição)

KANT, I. Forma e princípios do mundo sensível e do mundo inteligível. Trad.

P. Licht dos Santos. In: Kant: Escritos Pré- Críticos. São Paulo: Edunesp, 2005.

KANT, I. Carta a Marcus Herz de 21 de fevereiro de 1772. Trad. P. Licht dos

Santos. In: O Que nos Faz Pensar. (PUCRJ), v. 1, p. 35- 42, 2012.

LEBRUN, G. A aporética da coisa em si. In: Sobre Kant. Trad. R. R. Torres Filho

e outros. São Paulo: Iluminuras, p. 53-72, 1993.

LICHT DOS SANTOS, P. R. Conceito de mundo e conceito na Dissertação de

– Parte 1. Analytica, Rio de Janeiro, v. 11, p. 59-116, 2008.

LICHT DOS SANTOS, P. R Conceito de mundo e conceito na Dissertação de

– Parte 2. Analytica, Rio de Janeiro, v. 12, p. 43-98, 2008.

LICHT DOS SANTOS, P. R. A Carta de Kant a Herz de 1772. O problema

da representação e o projeto de uma crítica da razão pura. O Que nos Faz

Pensar (PUCRJ), v. 1, p. 9-33, 2012.

LONGUENESSE, B. Kant and the Capacity to Judge. Trad. Charles T. Wolfe.

Princeton: University Press, 2000.

MEIER Auszug aus der Vernunftlehre, Halle: Gebauer, 1752.

SUZUKI, M. O Gênio romântico. São Paulo: Iluminuras, 1998.

TORRES FILHO, R. R. O espírito e a letra. Crítica da imaginação pura em Fichte.

São Paulo: Ática. 1975.

TORRES FILHO, R. R. Dogmatismo e antidogmatismo. Kant na sala de

aula, Cadernos de filosofia alemã, 7, p. 67-86, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/aurora.27.042.DS05

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.