Fichte: o papa da novíssima estética? Pesquisa entorno a uma caricatura e ao seu contexto

Giorgia Cecchinato

Resumo


Nosso intuito é questionar a identificação, feita pelos editores da Obra completa de Fichte (J.G. Fichte-Gesamtausgabe), da personagem principal de uma caricatura intitulada “A estética mais nova” de 1803, com Fichte. Embora haja razões verossímeis para retratar Fichte como “o papa da novíssima estética”, queremos mostrar, não obstante, que o context a partir do qual a imagem deve ser interpretada não é o filosófico do pós kantismo e do nascente idealismo, mas o contexto da querela literária entre Goethe e os românticos por um lado, e o conservadorismo de Kotzbue, Nicolai, Merkel, por outro. A análise dos dois contextos mostra que, diferentemente do que é assumido pelos editores da obra de Fichte, ele não é o protagonista da caricatura. Deste modo, também se sugere como os dois contextos podem ser relacionados a partir da filosofia de Fichte. 

Texto completo:

PDF

Referências


BENJAMIN, W. O conceito de crítica de arte no romantismo alemão. Trad. Márcio

Seligmann-Silva. São Paulo: Iluminuras, 2011.

CECCHINATO, G. Fichte und das problem einer Ästhetik. Würzburg: Ergon

Verlag, 2009.

FICHTE, J. G. Gesamtausgabe der Bayerischen Akademie der Wissenschaften.

Stuttgart-Bad Cannstatt: Frommann-Holzboog, 1962ss.

FICHTE, J. G. A Doutrina da Ciência de 1794 e Outros Escritos. Tradução: R. R.

Torres Filho. Coleção os Pensadores. São Paulo: Nova cultural, 1988.

FRANK, M. What is Early German Romantic Phlosophy? In: NASSAR, D. The relevance

of romanticism. New York: Oxford University Press, 2014. p.15-30.

FRISCHMANN, B. Vom transzendentalen zum frühromantischen Idealismus. J. G.

Fichte und Fr. Schlegel. Paderborn: Ferdinand Schöningh Verlag, 2006.

FUCHS E. Fichte im Geschpräch. Stuttgart-Bad Cannstatt:Frommann-Holzboog,

v. iii.

PAREYSON, L. Fichte. Il sistema della libertà. Torino: Mursia, 1950.

SCHMITZ, R. (ORG.) Die Ästhetische Prügeley. Streitschriften der antiromantischen

Bewegung. Göttingen: Wallstein- Verlag, 1992.

SCHLEGEL F. O dialeto dos fragmentos. Tradução: Márico Suzuki. São Paulo:

Iluminuras, 1997.

SCHLEGEL F. Lucinde. Stuttgart: Reclam, 1999.

SUZUKI, M. O Gênio romântico. São Paulo: Iluminuras, 1998.

TORRES FILHO, R. R. 1975. O espírito e a letra. Crítica da imaginação pura em

Fichte. São Paulo: Ática.

TORRES FILHO, R. R. A “Filha Natural” em Berlim. In: TORRES FILHO, R.

R. Ensaios de filosofia ilustrada. São Paulo: Illuminuras, 2004. p. 91-109.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/aurora.27.042.DS02

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.