Estudos brasileiros de literaturas africanas – implicações neocoloniais e contradições raciais

Ricardo Luiz Pedrosa Alves

Resumo


O artigo discute aspectos contraditórios dos estudos brasileiros de pós-graduação sobre literaturas africanas. São abordadas as implicações neocoloniais e os paradoxos raciais presentes no conjunto de dissertações e teses brasileiras sobre literaturas africanas. Destacamos o caso dos estudos sobre o escritor moçambicano Mia Couto como característicos de tais contradições.


Palavras-chave


Literaturas africanas. Questão racial. Neocolonialismo. Mia Couto.

Texto completo:

PDF

Referências


ABDALA JUNIOR, B. “Necessidade e solidariedade nos estudos de literatura comparada”. Revista Brasileira de Literatura Comparada, v. 3, n. 3, 1996.

ABDALA JUNIOR, B. “Notas históricas: solidariedade e relações comunitárias nas literaturas dos países africanos de língua portuguesa”. Niterói, n. 24, p. 31-44, 2008.

BRASIL. Lei 10.639/2003, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9. 394, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília.

BRASIL. Lei 11.645/08, de 10 de Março de 2008. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília.

BRUGIONI, E. Literaturas africanas comparadas: paradigmas críticos e representações em contraponto. Campinas: Editora da Unicamp, 2019.

CAN, Nazir. O campo literário moçambicano. Tradução do espaço e formas de insílio. São Paulo: Editora Kapulana, 2020.

CANDIDO, A. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2007.

COUTO, M. E se Obama fosse africano? E outras interinvenções. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

COUTO, M. Vozes Anoitecidas. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

FAORO, R. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. São Paulo:

Globo; Publifolha, 2000.

FREYRE, G. Aventura e rotina. Sugestões de uma viagem à procura das constantes portuguesas de caráter e ação. Rio de Janeiro: Topbooks, 2001.

GOMES, S. C. Uma recuperação de raiz: Cabo Verde na obra de Daniel Filipe. Dissertação (Mestrado em Letras) — Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 1979.

GONZAGA, T. A. Obras completas de Tomás Antônio Gonzaga. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1942. (Edição crítica de Rodrigues Lapa).

HAESENDONCK, K. The Worlds of Mia Couto. Oxford: Peter Lang Limited International Academic Publishers, 2020.

HALL, S. Da diáspora: Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília: Representação da UNESCO no Brasil, 2003.

HUGGAN, G. The postcolonial exotic. Marketing the margins. London; New York: Routledge, 2001.

MARX, K. O Capital. São Paulo: Abril Cultural, 1985.

MENDONÇA, F. “Mia Couto, le mal-aimé”. Études littéraires africaines, n. 25, p. 41-48, 2008.

MOISÉS, M. Bibliografia da literatura portuguesa. São Paulo: Edição Saraiva, Editora da Universidade de São Paulo, 1968.

MOREIRA, F. S. Estudos filosóficos sobre o negro no Brasil: um levantamento de teses e dissertações em temáticas negras nos programas de pós-graduação da área de filosofia (1987-2018). Problemata: R. Intern. Fil., v. 10, n. 2, p. 313-34, 2019.

RAMA, A. La ciudad letrada. Montevideo: Fiar, 1984.

SILVA, A. C. O rio e a casa: imagens do tempo na ficção de Mia Couto [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.

SOROMENHO, C. Terra morta. Rio Tinto (Portugal): União dos Escritores Angolanos, 1988.

TENÓRIO, J. S. Quando é ser africano? Em busca do Outro pé e outros niilismos na obra de Mia Couto. 85f. Orientador: TETTAMANZY, L. L. Dissertação (Mestrado em Letras) — Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2013.

VISENTINI, P. F. História da África e dos africanos. Petrópolis: Vozes, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1980-5934.33.059.DS08

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.