A teoria do esforço de Maine de Biran como contraposição à impossibilidade da cientificidade da psicologia em Kant

André Renato Oliveira

Resumo


Este artigo propõe demonstrar uma contraproposta oriunda da filosofia de Maine de Biran à posição de Kant quanto à impossibilidade da cientificidade da psicologia. Para fundamentarmos essa tese, estabeleceremos uma interlocução com a filosofia de Maine de Biran, em especial sobre a sua ideia do “esforço, fato primitivo”, que nada mais é do que a apercepção interna imediata de si; um sentimento íntimo de nossa existência. Apresentaremos como é a partir da interpretação da possibilidade do existir, oriunda do cogito cartesiano, que Kant justifica o perigo da conversão do sujeito lógico e de seus predicados em substância (conforme é destacado por ele nos Paralogismos). Kant entende que Descartes substancializa o “eu penso”, que constitui e unifica todas as nossas representações. Todavia, demonstraremos neste trabalho, fundamentados pela filosofia de Maine de Biran, que o erro de Descartes foi o de equiparar o “eu” da consciência de si com à alma substância. Descartes não distingue o eu da alma, ou seja, o eu que pensa da alma como simples capacidade de pensar. Consequentemente, ao situar uma substância ao nível da experiência, Descartes acaba por promover uma confusão quanto às duas maneiras de existir: uma existência em si e outra existência para si, visto que elas não encerrariam o mesmo ser. Confirmada essa questão, mostraremos que o eu do esforço biraniano é capaz de propiciar a consciência de si para si. Realizada tal tarefa, corroboraremos que a posição tomada por Kant diante das formas do existir é o que lhe impossibilita captar a experiência interna do esforço em sua originalidade irredutível, substituindo o ato do eu, inseparável da afirmação de uma existência externa, pela substância pensante, e disso decorre a impossibilidade de o filosofo alemão pensar a psicologia como ciência da alma, diferindo-a das ciências naturais, fato que o coíbe de elaborar uma doutrina do sentido interno, algo que, demonstraremos aqui, Maine de Biran faz com excelência.


Palavras-chave


Maine de Biran, Kant, psicologia

Texto completo:

PDF

Referências


BERGSON, H. La Philosophie Française. Revue de Paris, 1915.

BERTRAND, A. Science et psychologie. Paris: Ernest Leroux, 1887. (Nouvelles oeuvres inédites de Maine de Biran).

COUSIN, V. Nouveaux fragments philosophiques. Cours de l'histoire de la philosophie. Paris. Ed. Bordier, 1864.

GHIO, M. Maine de Biran e la tradizione biraniana in Francia. Torino: Edizioni di Filosofia, 1962.

GOUHIER, H. Les conversions de Maine de Biran. Histoire philosophique du sentiment religieux en France. Paris: J. Vrin, 1947.

GUILLERMIT, L. Leçons sur la Critique de la Raison Pure de Kant. Paris: Vrin, 2008.

HEIMSOETH, H. Transzendentale Dialektik: Ein Kommentar zu Kants Kritik der reinen Vernunft. Berlin: de Gruyter, 1966.

KANT, I. Crítica da Razão Pura (KrV) Lisboa: Calouste, 2008.

KANT, I. Gesammelte Schriften. Hrsg. Preussische Akademie der Wissenschaften (Bd. 1-22); Deutsche Akademie der Wissenschaften zu Berlin (Bd. 23); Akademie der Wissenschaften zu Göttingen (Bd. 24). Berlin: [s.n.], 1900ff.

KANT, I. Primeiros princípios metafísicos da ciência da natureza (MAN) Lisboa: Edições 70, 2019.

KÖNIG, E. Maine de Biran - der französische Kant. Philosophische Monatshefte, Berlin, Bd. 25, 1889.

LACHELIER, J. Du fondement de l'induction. Paris: Facsimile Publisher, 1871.

OLIVEIRA, A. R. A influência de Johann Nicolaus Tetens na dedução transcendental das categorias de Kant. Orientador: Daniel Omar Perez. Tese (Doutorado em Filosofia) — Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2019.

PAIM, A. História das idéias filosóficas no Brasil. São Paulo: Grijalbo; Edusp, 1973.

TISSERAND, P. Oeuvres de Maine de Biran. Paris: Félix Alcan, 1920-1932.

VOUTSINAS, D. La Psychologie de Maine de Biran. Paris. Ed. S.I.P.E, 1975.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1980-5934.33.059.AO03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.