Nietzsche e a Mnemotécnica: do sofrimento à afirmação da vida pelo artista da dor

Adilson Felicio Feiler

Resumo


Uma das técnicas, pensadas por Nietzsche, para ativar a consciência moral é a técnica da memória, que o filósofo denomina mnemotécnica. Ora, submeter a memória a procedimentos com capacidade de predição e controle, equivale a despi-la daquilo que é sua característica orgânica e vital que lhe confere a capacidade de, para além de todos os enquadramentos técnicos superficiais, a todo o momento superar-se mediante o alcance de pontos mais culminantes de potência. As considerações de Nietzsche em torno do problema da má consciência, assim como de sua expressão em forma de ódio e vingança é marca do ressentimento, estão ligadas aos obstáculos que se interpõem frente à ação. Pela ação, toda a carga instintiva é manifesta em forma de obra de arte pelo criador; ao contrário, se interiorizada, a carga se torna veneno degenerativo. Nietzsche atribui estes obstáculos à ação e à memória como um dos fatores preponderantes. Na Segunda Dissertação de Para a genealogia da moral, Nietzsche apresenta a má consciência como um fatalismo sem luta, o que repercute em resignação e doença. Pela má consciência às propensões naturais do agir é atribuído um olhar ruim, hostil à vida e difamador do mundo. Sua origem se liga a um movimento de interiorização dos instintos, o que resulta em luta contra si mesmo e degeneração fisiológica. A presente investigação considera as diversas técnicas que foram sendo desenvolvidas a fim de que não só as informações mais diversas não caíssem no esquecimento, mas a maneira como estas são lembradas no sentido de produzirem, ao invés de expansão da vida, encolhimento, resignação e degeneração. Estaria Nietzsche defendendo a dissolução da memória como um todo, ou redimensionando a maneira pela qual se tem vivido dela?


Palavras-chave


Nietzsche; memória; mnemotécnica; esquecimento; ressentimento

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ALVEZ, D. M. F. Nietzsche e a demonstração do animal homem. Revista Lampejo, n. 4, 2013.

AZEREDO, V. D. Nietzsche e a dissolução da moral. São Paulo: Editora Unijuí, 2003.

AZEREDO, V. D. Memória (Gedachtniss). In: Dicionário Nietzsche. Loyola, 2016, p. 298-300.

BRUNO, G., Opere mnemotecniche. Tomo I. CILIBERTO, M.; MATTEOLI, M.; STURLESE, R.; TIRINNANZI, N. (org.). Milano: Adelphi, 2004.

BRUSOTTI, M. Selbstverklienerung des Menschen in der Moderne. Nietzsche-Studien,

n. 20, p. 91, 1992.

GIACÓIA, O. J. Nietzsche. O humano como memória e como promessa. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

CICERONE, M. T., De Oratore em Opere Retoriche vol. I. Giuseppe Norcio. Torino: Tipografia Torinese, 1970.

MAGNUS, B. & HIGGINS, K. Nietzsche. São Paulo: Editora Ideias e Letras, 2017.

MARTON, S. Extravagâncias. Ensaios sobre a filosofia de Nietzsche. São Paulo: Editora Unijuí, 2000.

MARTON, S. Nietzsche, seus leitores e suas leituras. São Paulo: Barcarolla, 2010.

MOREIRA, A. B. Nietzsche e o cinismo grego: elementos para a crítica à vontade de verdade. Cadernos Nietzsche, n. 22, USP, São Paulo, p. 65-91, 2007.

NIETZSCHE, F. W. Kritische Studienausgabe. Herausgegeben von Giorgio Colli und Mazzino Montinari. Verlag de Gruyter: Berlin, 1999. 15 Bd.

NIETZSCHE, F. W. Nachgelassene fragmente. Herausgegeben von Giorgio Colli und Mazzino Montinari. Walter de Gruyter: Berlin, 1999. 15 Bd.

NIETZSCHE, F. W. Briefwechsel: Kritische Gesamtausgabe Briefwechsel KGB. Herausgegeben von Georgio Colli und Mazzino Montinari. Berlin: Walter de Gruyter, 1981. Bd III1 und 1975. Bd I2.

NIETZSCHE, F. W. Além do bem e do mal. Prelúdio a uma filosofia do futuro. Companhia das Letras: São Paulo, 2000.

NIETZSCHE, F. W. Genealogia da Moral. Uma polêmica. Companhia das Letras: São Paulo, 2001.

ONATE, A. M. O crepúsculo do sujeito em Nietzsche ou como abrir-se ao filosofar sem metafísica. São Paulo: Editora Unijuí, 2000.

PASCHOAL, A. E. Nietzsche e o ressentimento. São Paulo: Humanitas, 2014.

PIMENTA, O. Nietzsche, Thomas Mann e a superação do niilismo. Caminhos percorridos e terras incógnitas. Unijuí: São Paulo, 2004. p. 161-171.

SILVA, C. V. Crueldade e inocência: novos valores para um novo pensamento. Cadernos Nietzsche, n. 22, 2006. p. 33-45.

STEGMAIER, W. As linhas fundamentais do pensamento de Nietzsche. Petrópolis: Vozes, 2013.

YATES, F. A. A arte da memória. Campinas: Editora da Unicamp, 2013.

WOODWARD, A. Nietzscheanismo. Petrópolis: Vozes, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1980-5934.32.056.AO03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.