PENSAMENTO E FIGURAÇÃO NO TRACTATUS LOGICO-PHILOSOPHICUS

Rogério Saucedo Corrêa

Resumo


Quando uma proposição elementar é instituída, as relações afigurantes estabelecem um contato entre a proposição e o fato. Isso parece comprometer o projeto tractariano com uma abordagem psicológica, mas não é o caso, uma vez que o ponto de vista do Tractatus Logico- Philosophicus diz respeito às condições de possibilidade da representação. Nesse sentido, meu objetivo nesse artigo é duplo. Primeiro, mostro que o pensamento desempenha uma função fundamental na instituição de uma figuração. Segundo, mostro que o fato de o pensamento desempenhar uma função importante na instituição de uma figuração não compromete o projeto tractariano com uma investigação de natureza psicológica.

Texto completo:

PDF

Referências


CORRÊA, R. S. Números e cores: a origem da crise do projeto tractariano. 1998.

Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Centro de Ciências Sociais e Humanas, Departamento de Filosofia, Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul, 1998.

KENNY, A. Wittgenstein’s early philosophy of mind. In: BLOCK, I. Perspectives on the philosophy of Wittgenstein. Cambridge: Cambridge, 1983. p. 141-147.

MALCOM, N. Wittgenstein: nothing is hidden. Oxford: Basil Blackwell, 1986.

WITTGENSTEIN, L. Diário Filosófico (1914-1916). Tradução de Jacobo Muñoz e Isidoro Reguera. Barcelona: Editorial Planeta-De Agostini, 1986.

______. Tractatus logico-philosophicus. Tradução de Luiz Henrique Lopes dos Santos. São Paulo: EDUSP, 1993.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v21i29.2602

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.