Os limites da percepção interna e a idolatria do autoconhecimento em Scheler

Daniel Rodrigues Ramos

Resumo


O artigo pretende discutir a possiblidade da percepção interna, delimitando-a do compreender da pessoa, que pode ser tanto compreensão do próximo como autocompreensão. Do mesmo modo, a percepção interna poder ser a percepção de si mesmo como percepção do outro. Parte-se, portanto, de uma indicação recorrente na fenomenologia de Scheler, de acordo com a qual a percepção interna não pode ser reduzida à autopercepção, entendida, sobretudo, no sentido de autoconsciência. Nesta direção, primeiramente, tenta-se uma definição fenomenológica do ato em questão, visando, sobretudo, libertá-lo das determinações idealistas enquanto autoconsciência e das compreensões subjetivistas, tais como a auto-observação e meio de autoconhecimento. Para tanto, demonstra-se que a percepção interna é uma direção de um único ato perceptivo e que o seu objeto não é uma forma lógica pura e vazia, mas sim a apreensão do eu material, concreto e singular. A intuição imediata e direta deste eu, então, aparecerá como a base sobre a qual se rompe com as duas interpretações supracitadas. Por fim, discute-se os elementos internos que contribuem para estes limites, em especial a fisiologia do sentido interno e os interesses do corpo-próprio (Leib), o que permite entender positivamente os limites e descrever os seus primeiros significados. A partir deste ganho fenomenológico, a investigação detém-se nos fatores externos, responsáveis por transformar a percepção interna em mero instrumento do autoconhecimento e por subjugá-la às metas e interpretações da cosmovisão natural, analisando brevemente as fontes da idolatria do autoconhecimento. Conclui-se que, na delimitação de sua possibilidade essencial, a desconsideração do papel psicofisiológico do sentido interno, a transladação das leis e relações espaço-temporais próprias da esfera física para a psíquica e, consequentemente, a superposição da percepção externa sobre a interna em consonância com a interpretação sensualista da última são as principais fontes da ilusão denominada idolatria do autoconhecimento.


Palavras-chave


Fenomenologia da percepção, sentido interno, corporalidade, autoconhecimento

Texto completo:

PDF

Referências


BERGSON, H. Introdução à metafísica. In: BERGSON, H. O pensamento e o movente. São Paulo: Martins Fontes, 2006. p. 183-234.

HEIDEGGER, M. Sein und Zeit. Tübingen: Max Niemeyer, 2006.

HUSSERL, E. Erfahrung und Urteil. Hamburger: Felix Meiner, 1999.

HUSSERL, E. Ideen zu einer reinen Phänomenologie und phänomenologischen Philosophie. Hamburger: Felix Meiner, 2009.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

KANT, I. Crítica da razão pura. Lisboa: Calouste Gulbekian, 2001.

KANT, I. Conversas — 1948. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

NIETZSCHE, F. Genealogia da moral. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SCHELER, M. Der Formalismus in der Ethik und die materiale Wertethik. GW 2. Bonn: Bouvier, 2000.

SCHELER, M. Die Idole der Selbsterknntnis. In: SCHELER, M. Vom Umsturz der Werte. GW 3. Bonn: Bouvier, 2007. p. 213-292.

SCHELER, M. Liebe und Erkenntnis. In: SCHELER, M. Schriften zur Soziologie und Weltanschauungslehre. GW 6. Bonn: Bouvier, 2008. p. 77-98.

SCHELER, M. Wesen und Formen der Sympathie. GW 7. Bonn: Bouvier, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1980-5934.31.053.DS03

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Editora Universitária Champagnat