A INTERPRETAÇÃO PRIVATIVA DA VIDA E A RELAÇÃO CIRCULAR ENTRE BIOLOGIA E ONTOLOGIA

Róbson Ramos dos Reis

Resumo


Este artigo apresenta uma breve consideração da abordagem hermenêutica da natureza no projeto de Heidegger de uma ontologia fundamental. Apontase para uma diferença central na interpretação privada da vida em Ser e tempo e na abordagem circular dos organismos vivos em Os conceitos fundamentais da metafísica. Esta abordagem circular possui não apenas um signifi cado metodológico, mas também um conteúdo positivo para a ontologia das ciências da vida. Tomando por base um conjunto de resultados experimentais e conceitos fundamentais da Biologia, a interpretação circular apresenta o conceito de organismo nos termos de um círculo ambiental de desinibições pulsionais, no interior do qual os comportamentos animais exibem a estrutura da perturbação (Benommenheit). O principal resultado da hermenêutica da vida animal é a admissão de um limite na comensurabilidade possível entre a abertura para ser do humano e do animal.

Texto completo:

PDF

Referências


BEELMANN, A. Heideggers hermeneutischer Lebensbegriff. Würzburg: Königshausen & Neumann, 1994.

DE BEISTEGUI, M. Philosophie et biologie dans un esprit de “coopération”. Noesis, n. 9, 2006. Disponível em: . Acesso em: 30 jun. 2010.

CARMAN, T. Heidegger’s analytic. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 2003.

ELDEN, S. Heidegger’s Animals. Continental Philosophy Review, v. 39, n. 3, p. 273-291, 2006.

HEIDEGGER, M. Die Grundbegriffe der Metaphysik. Welt - Endlichkeit -

Einsamkeit. Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 1983.

HEIDEGGER, M. Sein und Zeit. 17. Aufl . Tübingen: Max Niemeyer Verlag, 1986.

HEIDEGGER, M. Einleitung in die philosophie. Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 1996.

McMANUS, D. Heidegger, measurement and the ‘intelligibility’ of science. European Journal of Philosophy, v. 15, n. 1, p. 82-105, 2007.

McNEILL, W. The time of life. New York: State University of New York Press, 2006.

MALPAS, J. Heidegger’s Topology of being. In: CROWELL, S. G.; MALPAS, J. Transcendental Heidegger. Stanford: Stanford University Press, 2007. p. 119-134.

MAYR, E. Typological versus population thinking In: SOBER, E. (Ed.). Conceptual issues in evolutionary biology. 3rd ed. Cambridge, MA: MIT Press, 2006. p. 325-328.

REIS, R. Elementos de uma interpretação fenomenológica da negação. O Que Nos Faz Pensar, Rio de Janeiro, v. 17, p. 73-98, 2003.

SOBER, E. Philosophy of biology. 2nd ed. Boulder: Westview Press, 2000.

WINKLER, R. Heidegger and the question of man’s poverty in world. International Journal of Philosophical Studies, v. 15, n. 4, p. 521-539, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v22i31.2506

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.