FENOMENOLOGIA E CIÊNCIAS HUMANAS: A CRÍTICA DE HUSSERL AO POSITIVISMO

Carlos Diógenes Côrtes Tourinho

Resumo


O artigo concentra-se em torno da especificidade da atitude fenomenológica, bem como da metodologia adotada pela fenomenologia de Edmund Husserl no começo do século XX. Tal atitude consiste em uma atitude reflexiva e analítica, a partir da qual se busca fundamentalmente elucidar, determinar e distinguir o sentido íntimo das coisas. Já o método fenomenológico é, por sua vez, um método de evidenciação dos fenômenos, cuja estratégia consiste no exercício da suspensão de juízo em relação à posição de existência das coisas, viabilizando a recuperação destas em sua pura signifi cação. Contrastando a atitude fenomenológica com o que Husserl chamou de “atitude natural” (atitude na qual se encontra mergulhada a consciência das ciências positivas), o artigo abordará, em seguida, a crítica da fenomenologia à perspectiva positivista nas Ciências Humanas.

Texto completo:

PDF

Referências


DESCARTES, R. Discours de la méthode. Paris: Librairie Larousse, [1637] 1969.

DESCARTES, R. Les méditations métaphysiques. Paris: Bordas, [1641] 1987.

HUSSERL, E. L´idée de la phénoménologie. Cinq leçons. Paris: PUF, [1907] 1997. (Collection Epimethée).

HUSSERL, E. Idées directrices pour une phénoménologie et une philosophie phénoménologique pures (Tome Premier). Paris: Gallimard, [1913] 1950.

HUSSERL, E. Conferências de Paris. Lisboa: Edições 70, [1929] 1992.

HUSSERL, E. Méditations cartésiennes. Paris: Librairie Armand Colin, 1931.

LYOTARD, J-F. La phénoménologie. Que sais-je? Paris: PUF, [1954] 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v22i31.2497

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.