O que é, o que é: a morte? Notas e reflexões sobre o conceito de morte em Martin Heidegger

João Cardoso de Castro, Murilo Cardoso de Castro

Resumo


Tendo como ponto de partida a expressão “Um humano [Mensch] logo que nasce já é bastante velho para morrer”, escrita por Martin Heidegger em Ser e Tempo, este artigo se apresenta como uma ousada tentativa de releitura do conceito de morte, dada a dificuldade de interpretação de sua magnum opus, em especial da segunda parte da obra. Esta empreitada se concentrou em buscar compreender a morte, o ser-para-a-morte e a antecipação, conceitos fundantes do pensamento heideggeriano e reunidos aqui sob uma nova perspectiva. Para além da interpretação cotidiana deste conceito - que deve ser de imediato colocada em suspenso - ou ainda de uma parte significativa das leituras especializadas de Heidegger, este trabalho entende que a morte, no horizonte do pensamento heideggeriano, é o processo cotidiano de atualização (ato) de possibilidades (potência) no interior da experiência humana. Tendo a fenomenologia como recurso de análise, e o fenômeno da morte como chave de acesso à questão do sentido da morte, foi possível reunir aqui um conjunto de notas e direção para se compreender todos os existenciais como sinônimos de morte, o que se evidencia na condição cotidiana de um Dasein impróprio, inautêntico, e no aparecimento (Erscheinung) de um mim-mesmo prevaricado com a-gente (das Man), à semelhança caricatural de um “morto-vivo”, um “zumbi”, tema muito em voga, nos dias de hoje, em filmes e séries. Embora o “humano” - cotidianamente sujeito a representações sucessivas - se atenha a isto ou aquilo, em ser-para-a-morte se está livre de todo apego a isto ou aquilo, na aquiescência tanto disto quanto daquilo, na proximidade de tudo e pertencimento a nada, no “deixar-ser” (Gelassenheit).



Palavras-chave


morte, ser-para-a-morte, Fenomenologia, Heidegger.

Texto completo:

PDF

Referências


CARON, M. Heidegger. Pensée de l’être et origine de la subjectivité. Paris: CERF, 2005.

ECKHART, M. Sermões Alemães Vol. I. Trad. Enio Paulo Giachini. Petrópolis: Vozes, 2006.

FÉDIER, F.; ARJAKOVSKY, P.; FRANCE-LEONARD, H. (org.). Le Dictionnaire Martin Heidegger. Paris: CERF, 2013.

HAAR, M. (org.). Cahier de l’Herne - Heidegger. Paris: Livre de poche, 1983.

HAAR, M. Heidegger et l’essence de l’homme. Grenoble: Jérôme Millon, 1990.

HEIDEGGER, M. Questions I-II. Paris: Gallimard, 1968.

HEIDEGGER, M. History of the Concept of Time. Bloomington: Indiana University, Press, 1985.

HEIDEGGER, M. Os Conceitos Fundamentais da Metafísica. Trad. Marco Antonio Casanova. Rio de Janeiro: Forense, 2003.

HEIDEGGER, M. Ser e Tempo. Trad. Márcia Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis: Vozes, 2006.

HEIDEGGER, M. Nietzsche I. Trad. Marco Antonio Casanova. Rio de Janeiro: Forense, 2007.

HEIDEGGER, M. Marcas do Caminho. Trad. Giachini & Stein. Petrópolis: Vozes, 2008.

HEIDEGGER, M. Ser e Tempo. Trad. Fausto Castilho. Campinas: Editora UNICAMP, 2012a.

HEIDEGGER, M. Platão: o sofista. Trad. Marco Antônio Casanova. Rio de Janeiro: Forense, 2012b.

HEIDEGGER, M. Contribuições à Filosofia. Trad. Marco Antonio Casanova. Rio de Janeiro: Via Vérita, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1980-5934.33.059.AO01

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.