Notas sobre a voluntariedade das ações a partir de Wittgenstein

Mirian Donat

Resumo


O artigo tece algumas considerações acerca da voluntariedade das ações a partir de observações da filosofia tardia de Wittgenstein. Estas considerações passarão por três momentos: primeiro apresentamos a crítica de Wittgenstein aos modelos causais de explicação da ação voluntária, contra os quais defende uma análise gramatical dos termos ligados à vontade, demonstrando os diferentes lugares que estes ocupam nos jogos de linguagem; depois mostramos que, a partir da compreensão da voluntariedade enquanto expressão de regras gramaticais, pode-se compreender que a voluntariedade “caracteriza” as ações, aproximando esta discussão com a discussão acerca da visão de aspetos e, por fim, mostramos o papel e o lugar do sujeito e da perspectiva de primeira pessoa para a correta compreensão da ação voluntária.


Palavras-chave


ação voluntária, vontade, aspectos

Texto completo:

PDF

Referências


HACKER, P. M. S. Wittgenstein: mind and will. Oxford: Blackwell, 2000.

HACKER, P. M. S. Wittgenstein: connections and controversies. Oxford: Oxford University Press, 2001.

HACKER, P. M. S. Natureza humana: categorias fundamentais. Porto Alegre: Artmed, 2010.

WITTGENSTEIN, L. Da certeza. Lisboa: Edições 70, 2000.

WITTGENSTEIN, L. Observações sobre a filosofia da psicologia. Trad. de Ricardo H. P. Machado. Aparecida: Idéia e Letras, 2008. v. I; II.

WITTGENSTEIN, L. Tratado lógico-filosófico e Investigações filosóficas. 6. ed. Trad. M. S. Lourenço. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1980-5934.30.050.AO08

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.