Filosofia transcendental e metafísica da vontade: a crítica de Schopenhauer ao conceito kantiano de metafísica

Flamarion Caldeira Ramos

Resumo


A metafísica da vontade de Schopenhauer estrutura-se a partir de uma recepção crítica da filosofia transcendental kantiana. Para desenvolver sua própria concepção de metafísica, o filósofo parte da crítica de Kant à metafísica dogmática, por um lado, e por outro, afirma seu afastamento em relação à concepção kantiana de metafísica. No presente texto procuraremos apresentar o projeto de fundação de uma metafísica imanente por Schopenhauer, no qual o autor afirma tanto a sua dívida em relação a Kant quanto sua distância em relação ao projeto sistemático do idealismo alemão.


Palavras-chave


Metafísica, crítica, vontade, razão, sistema.

Texto completo:

PDF

Referências


BOOMS, M. Aporie und Subjekt. Die erkenntnistheoretische Entfaltungslogik der Philosophie Schopenhauers. Würzburg: Königshausen und Neumann, 2003.

BRANDÃO, E. O Conceito de Matéria na obra de Schopenhauer. Tese (Doutorado em Filosofia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

BRANDÃO, E. “A concepção de matéria em Schopenhauer e o Absoluto”. In: SALLES, J. C. (org.) Schopenhauer e o Idealismo alemão. Salvador: Quarteto, 2004. p. 45-57.

CACCIOLA, M. L. M. O. A Crítica da Razão no Pensamento de Schopenhauer. Tese (Mestrado em Filosofia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1981.

CACCIOLA, M. L. M. O. Schopenhauer e a Questão do Dogmatismo. São Paulo: Edusp, 1994.

CACCIOLA, M. L. M. O. “O intuitivo e o abstrato na filosofia de Schopenhauer”. In: SALLES, J. C. (org.) Schopenhauer e o Idealismo alemão. Salvador: Quarteto, 2004. p. 169-186.

GUÉROULT, M. Études de Philosophie allemande. New York: Hildesheim, 1977.

HORSTMANN, R. P. Die Grenzen der Vernunft. Eine Untersuchung zu Zielen und Motiven des Deutschen Idealismus. 3. ed. Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 2004.

IBER, C. Subjektivität, Vernunft und ihre Kritik: Prager Vorlesungen über den Deutschen Idealismus. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1999.

LEBRUN, G. Kant e o Fim da Metafísica. Trad. de Carlos Aberto Ribeiro de Moura. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

KANT, I. Prolegómenos a toda a metafísica futura. Trad. Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1987.

KANT, I. Crítica da Razão Pura. Trad. de Manuela Pinto dos Santos e Alexandre F. Morujão. Lisboa: Ed. Calouste Gulbenkian, 1993.

KOSSLER, M. Substantielles Wissen und subjektives Handeln: dargestellt in einem Vergleich von Schopenhauer un Hegel. Frankfurt a. M., Bern, Paris, New York: Lang, 1990.

MALTER, R. Arthur Schopenhauer. Transzendentalphilosophie und Metaphysik des Willens. Stuttgart-Bad Cannstatt: Frommann-holzboog, 1991.

SCHOPENHAUER, A. Sämtliche Werke. Editadas e comentadas criticamente por Arthur Hübscher. Wiesbaden: F. A. Brockhaus, 1972. 7 v.

SCHOPENHAUER, A. Crítica da Filosofia Kantiana. 2. ed. Trad. de Maria Lúcia Cacciola, Coleção “Os Pensadores”. São Paulo: Abril Cultural, 1980.

SCHOPENHAUER, A. Der Handschriftliche Nachlass. Editados por Arthur Hübscher. Munique: Deutscher Taschenbuch Verlag, 1985. 5 v.

SCHOPENHAUER, A. Parerga und Paralipomena. Zurique: Haffmans, 1988. 2 v.

SCHOPENHAUER, A. Sobre o Fundamento da Moral. Trad. de Maria Lúcia Cacciola. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

SCHOPENHAUER, A. Sobre a filosofia e seu método. Capítulos 1-7 de Parerga e Paralipomena de Arthur Schopenhauer. Organização e tradução de Flamarion C. Ramos. São Paulo: Hedra, 2010.

SCHOPENHAUER, A. Sobre a ética. Capítulos 8-15 de Parerga e Paralipomena de Arthur Schopenhauer. Organização e tradução de Flamarion C. Ramos. São Paulo: Hedra, 2012.

SCHOPENHAUER, A. O Mundo como Vontade e como Representação. 2. ed. Trad. Jair Barboza, São Paulo: Unesp, 2015a. t. 1.

SCHOPENHAUER, A. O Mundo como Vontade e como Representação. Suplementos aos quatro livros do primeiro tomo. Trad. Jair Barboza. São Paulo: Unesp, 2015b. t. 2.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1980-5934.30.049.DS05

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.