Mecanismo e organismo em Descartes, Kant e Schopenhauer: um breve estudo sobre a autonomia na formação da natureza

Ana Carolina Soliva Soria

Resumo


A questão que norteia nossa análise é a de se a vontade Schopenhaueriana, como ímpeto formador de toda a natureza, não retomaria algumas ideias pré-críticas e pré-modernas de natureza. Para responder à essa questão, veremos como Descartes, ao mecanizar a natureza, confere-lhe uma autonomia frente a poderes externos que agem sobre ela a cada momento. Sua visão de mundo-máquina destoa, contudo, de suas ideias sobre a formação dos corpos vivos. O embrião põe para Descartes um problema que apenas séculos mais tarde será satisfatoriamente tratado por Kant. Este propõe que se julgue a natureza como mecânica ou como técnica e abre caminho para a solução encontrada por Schopenhauer, a saber: a vontade como impulso formador de toda a natureza.


Palavras-chave


Idealismo transcendental. Imaterialismo. Representação. Percepção.

Texto completo:

PDF

Referências


CACCIOLA, M. L. M. O. A Crítica da Razão no Pensamento de Schopenhauer. Dissertação (Mestrado em Filosofia) — São Paulo, Universidade de São Paulo, 1981.

CACCIOLA, M. L. M. O. Schopenhauer e a Questão do Dogmatismo. São Paulo: Edusp, 1994.

CACCIOLA, M. L. M. A filosofia da natureza em Schopenhauer. In: BULHÕES, F.; LEITE, C. N.; SILVA, M. F. Natureza e metafísica: atas do IV Colóquio Internacional de Metafísica. Natal: EDUFRN, 2015.

DESCARTES, R. Traité du monde. Oeuvres de Descartes. Paris: F. G. Levrault, 1824a. t. IV.

DESCARTES, R. De la formation du foetus. Oeuvres de Descartes. Paris: F. G. Levrault, 1824b. t. IV.

DESCARTES, R. Meditações metafísicas. In: Obras escolhidas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994.

DESCARTES, R. Princípios da filosofia. Lisboa: Edições 70, 1997.

GRANGER, G. G. Introdução. In: DESCARTES, R. Obras escolhidas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994.

HUNEMAN, P. Métaphysique et biologie. Paris: Éditions Kimé, 2008.

KANT, I. Duas introduções à Crítica do Juízo. São Paulo: Iluminuras, 1995.

KANT, I. Crítica da faculdade do Juízo. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 2005.

KANT, I. Antropologia de um ponto de vista pragmático. São Paulo: Iluminuras, 2006.

LEBRUN, G. Kant e o Fim da Metafísica. Trad. Carlos Aberto Ribeiro de Moura. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

PICHOT, A. Histoire de la notion de vie. Paris : Gallimard, 1993.

ROGER, J. Les sciences de la vie dans la pensée française au XVIIIe siècle. Paris : Albin Michel, 1993.

SCHOPENHAUER, A. „Die Welt als Wille und Vorstellung“. In: Sämtliche Werke in fünf Bänden. v. I. Stuttgart/Frankfurt am Main : Suhrkamp, 1986a.

SCHOPENHAUER, A. „Über den Wille in der Natur“. In: Sämtliche Werke in fünf Bänden. v. III. Stuttgart/Frankfurt am Main : Suhrkamp, 1986b.

SCHOPENHAUER, A. De la volonté dans la nature. Paris : Quadrige / PUF, 1996.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1980-5934.30.049.DS01

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.