A crítica de Mcdowell à concepção dennettiana da percepção: será que ver é julgar?

Sofia Miguens

Resumo


No coração da filosofia de Dennett ergue-se um caso contra o Teatro Cartesiano como concepção da natureza do mental. No entanto, Dennett não segue até as últimas consequências as suas próprias intuições anticartesianas. Isto é particularmente claro na forma como ele vê a percepção. Neste artigo vou procurar compreender as razões para tal, baseando-me na crítica de McDowell à concepção dennettiana dos juízos de percepção como pressentimentos (presentiments) (McDOWELL, 1998). Aquilo que McDowell considera problemático em Dennett não é a proximidade com a ciência cognitiva, mas uma particular ideia de percepção. Para compreender o contraste entre as posições de Dennett e McDowell sobre percepção considerarei com particular cuidado a forma como Dennett vê as fixações subpessoais de conteúdo como “juízos internos” no contexto do seu modelo de consciência (DENNETT, 1978b, 1991), bem como a concepção das relações entre linguagem e apercebimento que subjaz a esta ideia de “juízos internos”. Aquilo que me interessa é sobretudo identificar as razões pelas quais McDowell, que poderia em princípio concordar com Dennett na forma de ver o conteúdo perceptivo como ‘conceptual’, crê que de acordo com a concepção de Dennett, as experiências perceptivas seriam “menos do que encontro com objectos”, o que é insustentável.

Texto completo:

PDF

Referências


BLOCK, N. What is Dennett’s theory a theory of? Philosophical Topics, v. 22, n. 1/2, p. 23-40, 1994.

BLOCK, N. On a confusion about the function of consciousness. In: BLOCK, N.; FLANAGAN, O.; GUZELDERE, G. The nature of consciousness. Cambridge, MA: MIT Press, 1998. p. 375-415.

DENNETT, D. Content and consciousness. London: Routledge and Kegan Paul, 1969.

______. Brain writing and mind reading in brainstorms. Cambridge, MA: MIT Press, 1978a.

______. Towards a cognitive theory of consciousness, in brainstorms. Cambridge, MA: MIT Press, 1978b.

______. The intentional stance. Cambridge, MA: MIT Press, 1987.

______. Consciousness explained. Boston: Little Brown, 1991.

______. Kinds of minds. New York: Basic Books, 1996.

______. Animal consciousness, in brainchildren. London: Penguin, 1998.

DOKIC, J.; PACHERIE, E. Too much ado about belief. Phenomenology and the Cognitive Sciences, v. 6, n. 1/2, p. 185-200, 2007.

McDOWELL, J. The content of perceptual experience. In: McDOWELL, J. Mind, value and reality. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1998. p. 341-358.

RUDDER BAKER, L. Content meets consciousness. Philosophical Topics, v. 22, n. 1/2, p. 1-22, 1994.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v22i30.2245

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.