Neurônios-espelho e o representacionalismo

Gustavo Leal-Toledo

Resumo


Na década de 90 foi descoberto que neurônios específicos de áreas motoras do cérebro eram capazes de responder quando a mesma ação que ele executava era percebida visualmente. Estes neurônios ficaram conhecidos como neurônios-espelho, sendo a base da nossa capacidade de imitar. Tais neurônios podem ser também a base da nossa compreensão, nossa capacidade de aprender e da empatia. Eles seriam capazes de um tipo de compreensão imediata, sem a necessidade de passar por qualquer tipo de controle central do cérebro. Há aí indicações favoráveis para a crítica ao Teatro Cartesiano feita por Dennett. Ao contrário do que a psicologia popular e o representacionalismo nos apresentam, é possível que em determinadas áreas do cérebro não exista separação nenhuma entre realizar uma ação e pensar sobre esta ação. Esta última seria apenas a ação inibida. Pretende-se no presente trabalho apresentar esta nova descoberta e indicar algumas de suas possíveis consequências para a Filosofia da Mente, em especial para a noção de representação mental.

Texto completo:

PDF

Referências


CHALMERS, D. The conscious mind. Oxford: Oxford University Press, 1996.

DARWIN, C. A expressão das emoções no homem e nos animais. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

______. A origem do homem e a seleção sexual. Curitiba: Hemus, 2002.

DENNETT, D. Consciousness explained. Boston: Little, Brown and Company, 1991.

LEAL-TOLEDO, G. As críticas a filosofia dualista da mente. 2002. 41 f. Monografia (Graduação em Filosofia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2002.

______. O argumento dos Zumbis na filosofia da mente: são zumbis físicos logicamente possíveis? 2005. 93 f. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

______. Dennett e Chalmers: argumentos e intuição. Trans/Form/Ação, v. 29, n. 2, p. 123-132, 2006.

______. Controvérsias meméticas: a ciência dos memes e o darwinismo universal em Dawkins, Dennett e Blackmore. 2009. 467 f. Tese (Doutorado Filosofia) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

MITHEN, S. A pré-história da mente: em busca das origens da arte, da religião e da ciência. São Paulo: UNESP, 2002.

RIZZOLATTI, G.; SINIGAGLIA, C. Mirrors in the brain: how our minds share actions and emotions. Oxford: Oxford University Press, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v22i30.2242

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat