Sobre a originalidade de Edith Stein: o papel da distinção entre Körper (corpo físico) e Leib (corpo “vivo”) para a empatia e a constituição do eu

Juliana Missaggia

Resumo


 

O objetivo central do artigo é analisar a originalidade e o caráter precursor da obra de Edith Stein no que diz respeito a conceitos hoje clássicos no contexto dos estudos de fenomenologia, como corpo e empatia, e sua importância para a constituição da noção de eu. Mais precisamente, interessa-me analisar determinadas distinções conceituais, como o caráter dual do conceito de corpo desenvolvido pela filósofa, para com isso demonstrar sua importância para os desdobramentos das noções de empatia e subjetividade. A proposta interpretativa que guia essa exposição envolve a compreensão de que há, ao menos nessa fase do pensamento de Stein, uma primazia e centralidade do conceito de corpo (sobretudo entendido como Leib) para o estabelecimento dos conceitos de empatia e eu, o que é feito de modo distinto e original em relação aos trabalhos de Husserl. Para demonstrar tal interpretação, parto de uma exposição comparativa entre os dois autores e de uma análise mais detalhada dos conceitos pertinentes ao tema em Zum Problem der Einfühlung, obra clássica de Edith Stein.




Palavras-chave


Edith Stein; Fenomenologia; Corpo; Empatia; Eu

Texto completo:

PDF

Referências


DEPRAZ, N. Transcendance et incarnation. Le statut de l’intersubjectivité comme altérité à soi chez Husserl. Paris: Vrin (Histoire de la philosophie), 1995.

HUSSERL, E. Husserliana 1. Cartesianische Meditationen und Pariser Vorträge. Ed. S. Strasser. Den Haag: Martinus Nijhoff, 1973 [1950]. [Meditações Cartesianas e Conferências de Paris. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012].

HUSSERL, E. Husserliana 4. Ideen zu einer reinen Phänomenologie und phänomenologischen Philosophie. Zweites Buch. Phänomenologische Untersuchungen zur

Konstitution. Ed. M. Biemel. The Hague: Martinus Nijhoff, 1952.

HUSSERL, E. Husserliana 6. Die Krisis der europäischen Wissenschaften und die transzendentale Phänomenologie. Eine Einleitung in diephänomenologische Philosophie.

Ed. W. Biemel. The Hague: Martinus Nijhoff, 1962 [1954]. [A crise das ciências europeias e a fenomenologia transcendental. São Paulo: Forense Universitária, 2012].

JARDINE, J. A. Husserl and Stein on the Phenomenology of Empathy: Perception and Explication. Synthesis Philosophica, v. 29, n. 2, p. 273-288, 2015.

SZANTO, T.; JARDINE, J. A. Empathy in the Phenomenological Tradition. In: MAIBOM, H. L. (Ed.). The Routledge Handbook of Philosophy of Empathy. London: Routledge, 2017. c. 8, p. 86-97.

SAWICKI, M. Body, Text and Science: The Literacy of Investigative Practices and the Phenomenology of Edith Stein. Dordrecht: Kluwer, 1997.

STEIN, E. Zum Problem der Einfühlung. Freiburg/Basel/Wien: Herder, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1980-5934.29.048.DS06

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.