MITOLOGIA, ALEGORIA E ATEÍSMO PRÁTICO

Antonio José Romera Valverde

Resumo


Sob o pano de fundo do fenômeno histórico-social da secularização,
em curso desde o século XII, o artigo-ensaio analisa e discute os
nexos entre mitologia, alegoria, história e ateísmo prático, durante
o Renascimento. E ilustra com a obra De Sapientia Veterum, de
Francis Bacon.

Texto completo:

PDF

Referências


AUBENQUE, Pierre. “As filosofias helenísticas: estoicismo, epicurismo,

ceticismo.” In: CHÂTELET, F. (Org.). A filosofia pagã: do século VI a.C. ao

século III d.C. Coleção História da Filosofia, Idéias, Doutrinas. Tradução Maria José de Almeida. Rio de Janeiro: Zahar, 1973. p. 178-179;

BACON, F. A sabedoria dos antigos (De Sapientia Veterum). Tradução de

Gilson César Cardoso de Souza. São Paulo: UNESP, 2002;

BAUDELAIRE, Charles. As flores do mal. 2. ed. Tradução de Jamil lmansur

Haddad. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1964;

BENJAMIN, Walter. Origem do drama barroco alemão. Tradução de Sergio

Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1984;

BORGES, Jorge Luis. Atlas. Buenos Aires: Sudamerica, 1984;

BACON, F. A sabedoria dos antigos (De Sapientia Veterum). Tradução de

Gilson César Cardoso de Souza. São Paulo: UNESP, 2002. p. 96;

BURCKHARDT, J. O papado e seus perigos. In: ______. A cultura do

renascimento na itália: um ensaio. Tradução de Sérgio Tellaroli. São Paulo:

Cia. das Letras, 1991;

CHÂTELET, F. (Org.). A filosofia pagã: do século VI a.C. ao século III d.C.

Coleção História da Filosofia, Idéias, Doutrinas. Tradução de Maria José de

Almeida. Rio de Janeiro: Zahar, 1973;

CONTI, Natale. Mythologiae sive explicationum fabularum libri decem.

Veneza: Aldo Manucci, 1551. Referência extraída de ROSSI, Paolo. n. 28, p. 146-175;

GARIN, E. (Org.). O homem renascentista. Tradução de Maria Jorge Vilar

de Figueiredo. Lisboa: Presença, 1991;

GARIN, E. Ricerche sull’epicureismo del Quattrocento. In: ______. La cultura filosofia del renascimento italiano: Ricerche e documenti. Milano: Bompiani, 1994;

GUAL, Carlos Garcia. Del placer como bien supremo. In: ______. EPICURO.

Epicuro. Madrid: Alianza, 1996;

HELLER, Agnes. O homem do renascimento. Tradução de Conceição Jardim

e Eduardo Nogueira. Lisboa: Presença, 1982;

HUIZINGA, Johan. O declínio da idade média. Tradução de Augusto Abelaira. Braga: Ulisseia, 1996;

NIETZSCHE, F. Kritische studienausgabe. Fragmento 27 [60]. Verão-Outono de 1884. 11 v;

NIETZSCHE, F. W. O antiCristo. 4. ed. Lisboa: Guimarães & C, 1975.

PORTA, M. A. G. Cassirer e a Filosofia das Formas Simbólicas. Éthica, Rio

de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 128-152, 2001;

ROSSI, Paolo. A nova ciência e o símbolo de Prometeu. In:______. Os filósofos e as máquinas – 1400-1700. Tradução de Federico Carotti. São Paulo: Cia. das Letras, 1989;

SEVCENKO, N. O Renascimento. 13. ed. Campinas: Unicamp/Atual, 1988;

VERNANT, J. P. Do Mito à Razão. A formação do pensamento positivo na

Grécia arcaica. In: Mito e pensamento entre os gregos: estudos de psicologia histórica. Tradução de Haiganuch Sarian. São Paulo: Difel/Edusp, 1973;

VICO, G. A ciência nova. Tradução de Marco Lucchesi. Rio de Janeiro: Record, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v19i24.2182

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.