PARA ALÉM DA LOUCURA E DA NORMALIDADE: Nietzsche contra a recepção psiquiátrica

Daniel Pereira Andrade

Resumo


Logo após o início do colapso mental de Nietzsche, ele e sua obra
tornaram-se objetos de um saber médico-psiquiátrico e foram questionados
quanto à sua normalidade ou patologia. Mas os textos autobiográficos de
Nietzsche recusam o seu enquadramento em uma verdade/identidade
médica previamente determinada, seja ela a de doente mental ou a de
homem normal. A partir de tais textos, que se colocam para além da
perspectiva da normalização, são questionados e confrontados os três
pressupostos de poder presentes na relação de conhecimento da psiquiatria
clássica sobre a loucura (poder da normalidade sobre a desordem ou o
desvio, poder do bom senso no acesso à realidade corrigindo erros e poder
da competência do especialista sobre a ignorância do paciente).


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, D. P. Nietzsche: a experiência de si como transgressão (loucura e normalidade). São Paulo: Annablume, 2007;

ARRUDA, E. Patografia de Friedrich Wilhelm Nietzsche. Rio de Janeiro:

Fundação Universitária José Bonifácio, 1985;

ASCHHEIM, S. The Nietzsche legacy in Germany 1890-1990. London:

University of California Press, 1994;

CRAGNOLINI, M. La constitución de la “identidad” en el pensamiento

nietzscheano: sí mismo y máscara. El “caso Nietzsche” en los inicios del

psicoanálises. Revista de la Universidad de Morón, año 4, n. 5, p. 13-21, 1999;

______. Tiempo de la salud, tiempo de la enfermedad. Escritos de Filosofía, n. 33-34, p. 109-119, 2000;

FERRAZ, M. C. F. Nietzsche: o bufão dos deuses. Rio de Janeiro: Relume

Dumará, 1994;

FOUCAULT, M. A casa dos loucos. In: FOUCAULT, M. Microfísica do

poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1999a. p. 113-128;

______. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, 1999b;

______. História da loucura. São Paulo: Perspectiva, 2000a;

______. Os anormais: curso no collège de France 1974-1975. São Paulo:

Martins Fontes, 2000b;

______. Em defesa da sociedade: curso no collège de France 1975-1976. São Paulo: Martins Fontes, 2000c;

______. Prefácio (Folie et déraison). In: Ditos e escritos I: problematização do sujeito: psicologia, psiquiatria e psicanálise. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002. p. 144;

GILMAN, S. L. Difference and pathology: stereotypes of sexuality, race and madness. Ithaca: Cornell University Press, 1994;

GIACOIA JUNIOR, O. Labirintos da alma: Nietzsche e a auto-supressão da moral. Campinas: Unicamp, 1997;

JANZ, C. P. Friedrich Nietzsche. Madrid: Alianza Universidad, 1987. v. 4;

LONG, T. A. Nietzsche’s philosophy of medicine. In: ______. Nietzsche

Studien. Berlin: Walter de Gruyter & Co., 1990. n. 19. p. 112-128;

MARTON, S. Nietzsche: das forças cósmicas aos valores humanos. Belo

Horizonte: Editora da UFMG, 2000;

MÜLLER-LAUTER, W. A doutrina da vontade de poder em Nietzsche.

São Paulo: Annablume, 1997;

______. Décadence artística enquanto décadence fisiológica: a propósito da crítica tardia de Friedrich Nietzsche a Richard Wagner. Cadernos Nietzsche, n. 6, 1999;

NIETZSCHE, F. Sämtliche Werke: Kritische Gesamtausgabe (KSA). Berlin: Edição de Colli e Montinari, 1967-78;

______. Obras Incompletas. Tradução de Rubens Rodrigues Torres Filho.

São Paulo: Abril Cultural, 1974. (Coleção Os Pensadores);

PENNA, J. O. Nietzsche e a loucura. Rio de Janeiro: UniverCidade, 2003;

WEBER, M. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo:

Companhia das Letras, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v20i27.1795

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.