AGONÍSTICA E PALAVRA

Guilherme Castelo Branco

Resumo


Partiremos da hipótese de que a filosofia não nasceu sob o signo da pacificação nem se desenvolveu em um mundo social regido pelo consenso. Oriunda de uma precária e frágil experiência democrática na Grécia Antiga, a tarefa maior da filosofia, desde sua origem, foi a de buscar constituir argumentos consistentes do ponto de vista da lógica do discurso e que fossem socialmente aceitos. Como pensamento e luta estão juntos, decorre disso que inexiste filosofia sem beligerância, sem rivalidade, sem disputa. O inimigo maior da filosofia, assim, não é a luta argumentativa, nem o combate teórico, tampouco o adversário da filosofia é a doxa. Nosso maior adversário não é da ordem do pensamento, em que existe e deve existir certo grau de tolerância e rivalidade entre distintos modos de perceber as coisas. A agonística entre ideias diferentes não é a verdadeira inimiga da filosofia, mas o lugar natural de seu exercício.

Texto completo:

PDF

Referências


ARTIÈRES, P. Une politique du mineur. 2009. Texto inédito.

CASTELO BRANCO, G. Foucault. In: PECORARO, R. (Org.). Os filósofos clássicos da filosofia. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; Vozes, 2009. v. 3, p. 280- 303.

CASTELO BRANCO, G. Anti-individualismo, vida artista: uma análise não-fascista de Michel Foucault. In: RAGO, M.; VEIGA-NETO, A. (Org.). Para uma vida não fascista. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. p. 143-151.

CASTELO BRANCO, G. Agonística, relações de poder, liberdade. In: LUJÁN MARTÍNEZ, H. (Org.). Poder e política - Horizontes de antagonismo. Curitiba: CRV, 2010. p. 15-23.

CHATELET, F. Logos e práxis. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1972.

DETIENNE, M. Les maîtres de la verité dans la Gréce archaïque. Paris: La Decouverte, 1990.

DUARTE, A. Foucault e as novas figuras da biopolítica: o fascismo contemporâneo. In: RAGO, M.; VEIGA-NETO, A. (Org.). Para uma vida não-fascista. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. p. 35-50.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é a filosofia? São Paulo: Ed. 34, 1992.

FOUCAULT, M. Dits et écrits. 1954-1988. Paris: Gallimard, 1994.

FOUCAULT, M. L’herméneutique du sujet. Paris: Seuil, 2001.

FOUCAULT, M. Les anormaux. Paris: Seuil, 2001.

FOUCAULT, M. Naissance de la biopolitique. Paris: Seuil, 2004.

VERNANT, J-P. Mito & pensamento entre os gregos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v23i32.1765

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.