A questão da parrhesia no pensamento de Michel Foucault, Pierre Hadot e Martha Nussbaum

Vera Portocarrero

Resumo


O objetivo deste artigo é apresentar apenas algumas noções que contribuem para uma análise da relevância atribuída, a partir do final do século XX, à questão da parrhesia em sua relação com o cuidado de si no pensamento de Pierre Hadot, Martha Nussbaum e Michel Foucault. Enquanto Hadot a dilui em análises daquilo que denomina exercícios espirituais, por meio da concepção de filosofia como modo de vida, Nussbaum a integra à noção de argumento terapêutico, concentrando-a em um capítulo dedicado ao método terapêutico epicurista. Já Foucault amplia, em seu pensamento tardio, a investigação do uso da parrhesia, considerando-a uma das técnicas fundamentais das práticas de si da Antiguidade. Ele a conceitua, busca sua genealogia política (democracia) e explicita sua extensão ao campo da ética, tomando-a como base para uma crítica da forma moderna de relação entre verdade, poder, sujeito e liberdade. Para tanto, especifica retrospectivamente toda a trajetória de sua própria obra, bem como seus deslocamentos teóricos em relação ao pensamento filosófico contemporâneo. Apesar das importantes variações de amplitude, diferenças e contraposições atribuídas por esses três filósofos à noção de parrhesia, suas pesquisas constituem um eixo temático que circunscreve uma importante preocupação filosófica contemporânea e permite traçar um domínio de pensamento, estabelecido, por um lado, por meio do problema foucaultiano do contrapoder, da resistência, do governo de si e dos outros; por outro lado, por meio da questão de Nussbaum acerca do argumento terapêutico.

Texto completo:

PDF

Referências


FOUCAULT, M. História da sexualidade II: o uso dos prazeres. Tradução de Maria Theresa da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1984.

FOUCAULT, M. On the genealogy of ethics: an overview of work in progress (a propos de la généalogie de l´éthique: un aperçu du travail en cours). In: DÉFERT, D.; EWALD, F. (Ed.). Dits et écrits IV. Paris: Gallimard, 1994. p. 609-631.

FOUCAULT, M. A hermenêutica do sujeito. Tradução de Márcio Alves da

Fonseca e Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

FOUCAULT, M. Le gouvernement de soi et des autres. Cours au Collège de France, 1982-1983. Paris: Gallimard;Seuil, 2008.

FOUCAULT, M. Le courage de la verité. Le gouvernement de soi et des autres II. Cours au Collège de France, 1984. Paris: Gallimard;Seuil, 2009.

HADOT, P. Introduction aux ‘Pensées’ de Marc Aurèle. La citadelle intérieur. Paris: Fayard, 1997.

HADOT, P. Exercices spirituels et philosophie antique. Paris: Albin Michel, 2002.

NUSSBAUM, M. The therapy of desire: theory and practice in hellenistic ethics. Princeton, NJ: Princeton University Press, 1994.

NUSSBAUM, M. The therapy of desire: theory and practice in hellenistic ethics. Princeton, NJ: Princeton University Press, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v23i32.1747

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.