NIETZSCHE: A BOA FORMA DE RETRIBUIR AO MESTRE

Antonio Edmilson Paschoal

Resumo


Abordaremos neste artigo certos aspectos do pensamento de Nietzsche, explicitados em alguns textos da época em que foi professor de Filologia Clássica na Universidade de Basel, com o objetivo de ressaltar a distância pontuada por ele em relação a seu mestre – Arthur Schopenhauer – já naquele período. Essa distância bem como uma discrepância de intenções entre ambos faz com que o jovem Nietzsche retribua bem ao seu mestre na medida em que não permanece “apenas discípulo”.

Texto completo:

PDF

Referências


BARANGER, W. Pour connaitre la pensée de Nietzsche. Paris: Bordas, 1945;

BENCHIMOL, M. Apolo e Dionísio: arte, filosofia e crítica da cultura no

primeiro Nietzsche. São Paulo: Annablume, 2002;

CAVALCANTI, A. H. Símbolo e alegoria: a gênese da concepção de

linguagem em Nietzsche. São Paulo: Annablume, 2005;

HAAR, M. La rupture initiale avec Schopenhauer. In: Nietzsche et la

métaphysique. Paris: Gallimard, 1993;

MACHADO, R. Nietzsche e a polêmica sobre o nascimento da tragédia.

Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005;

NIETZSCHE, F. Die Geburt der Tragödie. Unzeitgemäße Betrachtungen I

– IV. Nachgelassene Schriften 1870 – 1873. Kritische Studienausgabe

Herausgegeben von Giorgio Colli und Mazzino Montinari. Berlin: Walter

de Gruyter, 1988;

______. Nachgelassene Fragmente 1869 – 1874: Kritische Studienausgabe Herausgegeben von Giorgio Colli und Mazzino Montinari. (KSA 7) Berlin: Walter de Gruyter, 1988;

______. O nascimento da tragédia. Tradução de J. Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 1992;

______. Considerações extemporâneas III: Schopenhauer como educador. Tradução de Rubens R. Torres Filho. São Paulo: Nova Cultural, 1991. p. 35-45. (Obras incompletas, v. II);

______. A filosofia na idade trágica dos gregos. Tradução de Maria Inês

Madeira de Andrade. Rio de Janeiro: Elfos; Lisboa: Edições 70, 1995;

______. Ecce homo. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1995;

SCHOPENHAUER, A. O mundo como vontade e como representação.

Tradução de Jair Barboza. São Paulo: Editora da Unesp, 2005;

______. Parerga und Paralipomena II. Zürich: Haffmans Verlag, 1988;

SIMMEL, G. Schopenhauer y Nietzsche. Buenos Aires: Prometeo Libros, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v20i27.1735

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.