Narrativa e história acerca do conceito freudiano de construção

Carlota Ibertis

Resumo


O presente artigo propõe-se evidenciar aspectos epistemológicos do conceito freudiano de construção. Elaborada pelo analista com base nas lembranças do analisando, a construção é um recurso heurístico no marco do processo analítico que requer corroboração. Tal exigência deve-se a que o seu resultado deve expressar a verdade do sujeito e não apenas coerência e verossimilhança com as suas recordações, podendo ser concebido, portanto, como uma narrativa verdadeira. As noções de trama e de saber conjetural pertencentes às concepções historiográficas de Paul Veyne e Carlo Ginzburg, respectivamente, fornecem subsídios para a abordagem proposta, que enfatiza o aspecto narrativo do saber de si procurado em análise.

Texto completo:

PDF

Referências


BREMOND, C. A lógica dos possíveis narrativos. In: BARTHES, R. et al. Análise estrutural da narrativa. Tradução de Maria Zélia Barbosa Pinto. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 19-62.

BREUER, J.; FREUD, S. Estudios sobre histeria. In: FREUD, S. Obras completas. Tradução de José L. Etcheverry. Buenos Aires: Amorrortu, 1976. v. 2. Publicado originalmente em 1895.

FREUD, S. Projeto de psicologia. In: FREUD, S. Obras completas. Tradução de José L. Etcheverry. Buenos Aires: Amorrortu, 1976. v. 1. Publicado originalmente em 1950.

FREUD, S. Sobre la psicogénesis de um caso de homosexualidad feminina. In: FREUD, S. Obras completas. Tradução de José L. Etcheverry. Buenos Aires: Amorrortu, 1976. v. 18. Publicado originalmente em 1920.

FREUD, S. 35ª Conferencia de las nuevas conferencias de introducción al psicoanálisis. In: FREUD, S. Obras completas. Tradução de José L. Etcheverry. Buenos Aires: Amorrortu, 1976. v. 22. Publicado originalmente em 1932-1936.

FREUD, S. Construcciones en análisis. In: FREUD, S. Obras completas. Tradução de Etcheverry. Buenos Aires: Amorrortu, 1976. v. 23. Publicado originalmente em 1937.

GINZBURG, C. Sobre Aristóteles e a história, mais uma vez. In: GINZBURG, C. Relações de força: história, retórica, prova. Tradução de Jônatas Batista Neto. São Paulo: Companhia das Letras, 2002a.

GINZBURG, C. Decifrar um espaço em branco. In: GINZBURG, C. Relações de força: história, retórica, prova. Tradução de Jônatas Batista Neto. São Paulo: Companhia das Letras, 2002b.

LAPLANCHE, J. Interpretar [com] Freud. In: LAPLANCHE, J. et al. Teoria da sedução generalizada. Porto Alegre: Artes Médicas, 1988. p. 21-32.

LEJEUNE, P. O pacto autobiográfico. Tradução de Jovita Noronha e Maria Inês Guedes. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2008.

ROSENFIELD, I. A invenção da memória. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1994.

TODOROV, T. As estruturas narrativas. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Perspectiva, 1979.

VEYNE, P. Como se escreve a história. Tradução de Alda Batar e Maria

Auxiliadora Kneipp. 2. ed. Brasília: Universidade de Brasília, 1992.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v23i33.1531

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.