BOAVENTURA DE SOUSA SANTOS E A SOCIEDADE CIVIL EM TEMPOS DE GLOBALIZAÇÃO

Eduardo Tadeu Pereira

Resumo


Esse artigo apresenta a concepção que Boaventura de Sousa Santos tem
sobre o atual momento vivido, identificado correntemente como o da
globalização. Contrapondo-se a essa noção unívoca desse termo, na
primeira parte do texto são apresentados os argumentos desse autor para
questionar a globalização com a sua noção de “globalizações”. Na
segunda parte, procura-se aprofundar a noção de Boaventura sobre a
globalização como uma opção política, e não como inexorabilidade
histórica. Por fim, é destacada a luta pela emancipação como práxis da
globalização contra-hegemônica, com vistas a construir alternativas que
assegurem a dignidade humana nessa realidade orientada pelos interesses
e necessidades do capital.


Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a

centralidade do mundo do trabalho. Campinas, SP: UNICAMP, 1995.

ANDERSON, P. Balanço do neoliberalismo. In: SADER, Eder; GENTILI,

Pablo (Org.). Pós-Neoliberalismo: as políticas sociais e o estado democrático.

ed. São Paulo: Paz e Terra, 1995. p. 205-207.

BANCO MUNDIAL. Globalização: crescimento e pobreza. São Paulo:

Futura, 2003.

BAUMAN, Z.Globalização: as conseqüências humanas. Rio de Janeiro: Jorge

Zahar, 1999.

DALE, R.; ROBERTSON, S. The varying effects of regional organizations as

subject of globalization on education. Comparative Education Rewiew,

Londres, v. 46, n. 1, p. 10-36. Fev. 2001.

HOUTART, F; POLET, F. (Org.). O outro Davos: mundialização de

resistências e de lutas. Tradução Mariclara Oliveira. São Paulo: Cortez, 2002.

LIMA, T.; MARQUES, C.; PEREIRA, E. T. Friedrich August Von Hayek

(1899-1992): da liberdade à educação. Revista da Educação, Valinhos, v. 5,

n. 5, out. 2002.

MICKETHWAIT, J.; WOLDRIDGE, A. O futuro perfeito: os desafios e

armadilhas da globalização. Tradução de Afonso Celso da Cunha Serra. Rio

de Janeiro: Campus, 2000.

ROBERTSON, R. Globalização: teoria social e cultura global. Petrópolis, RJ:

Vozes, 2000.

SANTOS, B. S. A transição paradigmática: da regulação à emancipação.

Oficina do CES, Coimbra-Portugal, n. 25, 1995.

______. A construção multicultural da igualdade e da diferença. Oficina do

CES, Coimbra-Portugal, n.135, jan. 1999.

______. Os processos da globalização. In: SANTOS, B. S. (Org.). Globalização:

fatalidade ou Utopia. Porto: Afrontamento, 2001.

______. Um discurso sobre as ciências. 13. ed. Porto: Afrontamento, 2002a.

______. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências.

Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra-Portugal, n. 63, CES, out. 2002b.

______. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo:

Cortez, 2006.

SANDRI, A. Sindicalismo em tempos de qualidade total. Belo Horizonte:

Sindeletro, 1994.

SCHAFF, A. A sociedade informática. São Paulo: UNESP; Brasiliense, 1990.

STIGLITZ, J. E. Globalização: a grande desilusão. Lisboa: Terramar, 2002.

WALLERSTEIN, I. O sistema mundial moderno. Porto: Afrontamento,

v. 1.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v20i26.1474

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat