A CRÍTICA DE MARX À EPISTEMOLOGIA DE RICARDO

Jadir Antunes

Resumo


Este artigo pretende mostrar, a partir da análise de duas passagens importantes
de Teorias da Mais-valia e de O Capital, a crítica de Marx a Ricardo e sua
precariedade epistemológica. Segundo Marx, as confusões conceituais de
Ricardo devem-se ao fato de ele não levar o processo de abstração e purificação
do pensamento para além das interferências enganosas da concorrência e dos
dogmas e representações vulgares do capitalista prático. Para Marx, o
pensamento verdadeiramente científico é o pensamento que se eleva acima
destas falsas representações e que pensa o verdadeiro como atividade do
pensamento e não da representação e intuição sensíveis.


Texto completo:

PDF

Referências


MARX, Karl. Das Kapital. Karl Marx & Friedrich Engels: Werke - Band 23.

Berlim: Dietz Verlag, 1962a.

_____. Das Kapital. Karl Marx & Friedrich Engels: Werke - Band 25. Berlim:

Dietz Verlag, 1962b.

_____. Theorien Über den Mehrwert. Marx-Engels: Werke. Band 26.2.

Berlim: Dietz Verlag, 1967.

_____. Teorias da mais-valia. Tradução de Reginaldo Sant’Anna. São Paulo:

Difel, 1980.

_____. O capital. Livro Primeiro. Tradução de Régis Barbosa e Flávio R.

Kothe. 3. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1988a. v. 1.

_____.O capital. Livro Terceiro. Tradução de Régis Barbosa e Flávio R. Kothe.

ed. São Paulo: Nova Cultural, 1988b. v. 4.

MIGLIOLI, J. Acumulação de capital e demanda efetiva. São Paulo: T. A.

Queiroz, 1987.

RICARDO, David. Princípios de economia política e tributação. São Paulo:

Nova Cultural, 1996.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v20i26.1438

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat