LITERATURA E A EXPERIÊNCIA DO ESCREVER: ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A RESISTÊNCIA NO SEIO DA LINGUAGEM

Leonardo Pinto de Almeida

Resumo


A partir das reflexões de Roland Barthes, Maurice Blanchot, Gilles Deleuze e Michel Foucault sobre as vicissitudes da linguagem, analisaremos o caráter transgressivo da literatura no seio da linguagem. Para tanto, partiremos da relação entre a linguagem e as palavras de ordem, mostrando a rigidez de seu uso que estaria do lado do poder, da homogeneidade, da ordem e da constância. O estereótipo e a informação são formas de atualização do ser da linguagem em seu uso costumeiro, fazendo a linguagem funcionar a partir da padronização e da noção de utilidade. No entanto, a literatura seria uma linguagem sem poder, apontando para um modo de resistir aos padrões e aos códigos linguísticos. Ela seria um modo de resistência ao fascismo da língua – uma espécie de desvio que combate o enrijecimento e o poderio da linguagem estereotipada. Uma luta tecida nas paragens da própria linguagem. Este entendimento da literatura como resistência aponta para ela como uma potência a serviço da vida que se contrapõe ao poder, exercido por mecanismos transcendentes à experiência. Com a literatura, as palavras tecem relações intensas e, às vezes, incomuns que proporcionam uma ruptura nos usos costumeiros da linguagem. Assim, concluímos que a literatura é uma escrita a serviço da vida em sua contraposição aos elementos transcendentes à experiência que os aprisiona em sua dinâmica de coerção e captura.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, L. O problema da autoria: internet, literatura e ontologia. 2002. 349 f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Subjetividade) – Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2002.

BARROS, M. O livro sobre o nada. Rio de Janeiro: Record, 1996.

BARTHES, R. Roland Barthes por Roland Barthes. São Paulo: Cultrix, 1975.

______. Aula inaugural da cadeira de semiologia literária do Colégio de França, pronunciada dia 7 de janeiro de 1977. São Paulo: Cultrix, 1978.

______. Escrever, verbo intransitivo? In: ______. O rumor da língua. São Paulo: Brasiliense, 1984a. p. 30-39.

______. A divisão das linguagens. In: ______. O rumor da língua. São Paulo: Brasiliense, 1984b. p. 110-122.

BLANCHOT, M. Le livre à venir. Paris: Gallimard, 1959.

______. L’entretien infini. Paris: Gallimard, 1969.

______. A parte do fogo. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

DELEUZE, G. Crítica e clínica. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1997.

______. Qu’est-ce que l’acte de création? In: ______. Deux régimes de fous: textes et entretiens, 1975-1995. Paris: Les Éditions de Minuit, 2003. p. 291-302.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Kafka, pour une littérature mineure. Paris: Les Éditions de Minuit, 1975.

______. 20 de Novembro de 1923 – Postulados da Lingüística. In: ______. Mil Platôs, capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995. v. 2, p. 11-59.

FOUCAULT, M. La pensée du dehors. In: ______. Revue critique. Maurice Blanchot. Paris: Editions de Minuit, 1966. p. 533-546. Tomo XXII, n. 229.

______. A loucura, a ausência da obra. In: ______. Ditos e escritos I. problematização do sujeito: psicologia, psiquiatria e psicanálise. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1999a. p. 190-198.

______. Loucura, literatura, sociedade. In: ______. Ditos e escritos I. problematização do sujeito: psicologia, psiquiatria e psicanálise. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1999b. p. 210-134.

______. A loucura e a sociedade. In: ______. Ditos e escritos I. problematização do sujeito: psicologia, psiquiatria e psicanálise. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1999c. p. 235-242.

______. Linguagem e literatura. In: MACHADO, R. Foucault, a filosofia e a literatura. Rio de Janeiro: JZE, 2000. p. 137-174.

______. A linguagem ao infinito. In: ______. Ditos e escritos III. estética: literatura e pintura, música e cinema. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001. p. 47-59.

KRAUS, K. Ditos e desditos. São Paulo: Brasiliense, 1988.

LEVINAS, E. Le regard du poète. In: ______. Sur Maurice Blanchot. Paris: Fata Morgana, 1975.

NIETZSCHE, F. Introdução teorética sobre a verdade e a mentira no sentido extramoral. In: ______. O livro do filósofo. Lisboa: Rés, 1873. p. 89-109.

PROUST, M. Contre sainte-beuve. Paris: Gallimard, 1954.

ROBBE-GRILLET, A. Por um novo romance. Lisboa: Publicações Europa-América, 1965.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v21i28.1147

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.