A FUNDAÇÃO DA ESTÉTICA COMO DIMENSÃO DA MENTE HUMANA EM KANT

Jairo Dias Carvalho

Resumo


Pretendemos estudar a gênese do problema da passagem do domínio dos conceitos de natureza ao domínio do conceito de liberdade nas duas Introduções da Crítica da Faculdade do Juízo. Esse problema pare ser a necessidade sentida por Kant de se construir uma receptividade média do ânimo, tendo em vista a sensibilização deste à lei moral. A construção dessa receptividade transcendental é a construção da dimensão estética da mente humana. Ao unir a legalidade do entendi- mento e da razão por meio da legislação da faculdade de julgar reflexiva, Kant constrói um terceiro termo na tópica das faculdades superiores da mente humana.

Texto completo:

PDF

Referências


DUMOUCHEL, Daniel. “La découverte de la faculté de juger réfléchissant”:

Kant-studien, n. 85, p. 419-442, 1994.

GUILLERMIT, Louis. L’élucidation critique du jugement de goût selon

Kant. Paris: CNRS. 1986. p. 295.

KANT, Immanuel. Crítica da faculdade do juízo. Tradução de Valerio

Rohden e António Marques. Rio de Janeiro, RJ: Forense Universitária, p.

, 1993.

_________. Primeira Introdução à Crítica do Juízo. Traduzido por Rubens

Rodrigues Torres Filho. In: Crítica da razão pura e outros textos filosóficos.

São Paulo, SP: Abril Cultural, 1974. p.257-297. (Col. Os Pensadores,

,

_________. Duas introduções à crítica do juízo. Organização de Ricardo

Terra. São Paulo, SP: Iluminuras, 1995. 132p.

________. Crítica da razão prática. Tradução de Artur Morão. Lisboa:

Edições 70, 1989. 192p.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v17i21.1114

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.