O controle das agências reguladoras federais no STF como instância recursal: um estudo empírico

Autores

  • Eduardo Ferreira Jordão Fundação Getúlio Vargas
  • Vinícius Cardoso Reis Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Renato Toledo Cabral Jr. Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.7213/rev.dir.econ.soc.v11i1.27258

Palavras-chave:

regulação econômica, controle judicial, Supremo Tribunal Federal, agências reguladoras, deferência judicial.

Resumo

Este trabalho é resultado de pesquisa desenvolvida no âmbito do Projeto Regulação em Números, da FGV Direito Rio, buscando compreender se e como o Supremo Tribunal Federal (STF) exerce controle sobre as agências reguladoras federais em instância recursal. Para isso, foram analisados, quantitativa e qualitativamente, todos os 2.896 processos envolvendo agências reguladoras federais no STF cujas demandas foram apreciadas em sede recursal entre 1996 e 2017. Uma primeira conclusão é a de que o STF raramente avalia o mérito das controvérsias jurídicas sobre as agências reguladoras em sede recursal (2,8% dos recursos), em jurisprudência defensiva. Uma segunda conclusão é mais relevante e menos conhecida: nos poucos casos em que o mérito da controvérsia constitucional é enfrentado (85), o STF adota postura deferente à agência, acolhendo sua tese em 88,7% dos casos. Esta orientação pró-agência se mantém tanto na mais óbvia hipótese em que a agência figura como parte recorrida (92%), como na mais surpreendente hipótese em que a agência que é recorrente (85,2%). O artigo também traz descrição e análise dos temas que ultrapassaram o filtro da jurisprudência defensiva do STF, contribuindo para a compreensão do que o STF julga ter status constitucional entre as matérias de competência das agências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Ferreira Jordão, Fundação Getúlio Vargas

Professor da Fundação Getúlio Vargas do Rio de Janeiro (Rio de Janeiro-RJ, Brasil). Doutor em Direito Público pelas Universidades de Paris (Panthéon-Sorbonne) e de Roma (Sapienza), com pesquisas de pós-doutorado realizadas na Harvard Law School e no MIT Economics. Mestre em Direito Econômico pela Universidade de São Paulo (USP). E-mail: [email protected]

Vinícius Cardoso Reis, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Mestre em Sociologia pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Rio de Janeiro-RJ, Brasil). E-mail: [email protected]

Renato Toledo Cabral Jr., Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Mestre em Direito Público pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Rio de Janeiro-RJ, Brasil). Membro-fundador do Laboratório de Regulação Econômica da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Assistente acadêmico da Fundação Getúlio Vargas do Rio de Janeiro. Advogado Associado do escritório Binenbojm & Carvalho Britto Advocacia. E-mail: [email protected]

Referências

ARAGÃO, Alexandre Santos de. Agências reguladoras e a evolução do direito administrativo econômico. Rio de Janeiro: Forense, 2002.

AZEVEDO, Eurico de Andrade. Agências Reguladoras. Revista de Direito Administrativo – RDA, n. 213, p. 141-148, 1998.

AZEVEDO, Paulo Furquim de; FERRAZ JUNIOR, Tércio Sampaio; MARANHÃO, Juliano Souza de Albuquerque. As inter-relações entre o processo administrativo e o judicial, sob a perspectiva da segurança jurídica do plano da concorrência econômica e da eficácia da regulação pública. São Paulo: USP, 2011. Relatório da pesquisa. Disponível em: https://bit.ly/2SpNZ7F. Acesso em 27 out. 2018.

BANDEIRA DE MELLO, Celso Antônio. Curso de direito administrativo. 14. ed. São Paulo: Malheiros, 2002.

BARROSO, Luís Roberto. Agências Reguladoras. Revista de Direito Administrativo – RDA, n. 229, p. 285-311, 2002.

BINENBOJM, Gustavo. Agências reguladoras e democracia. Rio de Janeiro: Lúmen Juris, 2006.

BINENBOJM, Gustavo. Uma Teoria do Direito Administrativo. 3. ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2014.

CONFORTO, Glória. Descentralização e Regulação da Gestão de Serviços Públicos. Revista de Administração Pública – RAP, v. 32, n. 01, p. 27-40, 1998.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Curso de direito administrativo. São Paulo: Atlas, 2011.

ESKRIDGE JR, William N.; BAER, Lauren E. The Continuum of Deference: Supreme Court Treatment of Agency Statutory Interpretations from Chevron to Hamdan. Geo. LJ, v. 96, p. 1083, 2007.

GUERRA, Sérgio. Agências Reguladoras: da organização administrativa piramidal à governança em rede. Belo Horizonte: Fórum, 2012.

JORDÃO, Eduardo; JUNIOR, Renato Toledo Cabral. A teoria da deferência e a prática judicial: um estudo empírico sobre o controle do TJRJ à AGENERSA. REI – Revista Estudos Institucionais, v. 4, n. 2, p. 537-573, dez. 2018. Disponível em: https://www.estudosinstitucionais.com/REI/article/view/307/266. Acesso em: 10 maio 2020.

JORDÃO, Eduardo; RIBEIRO, Maurício Portugal. “Como desestruturar uma agência reguladora em passos simples”. Revista Estudos Institucionais, v. 3, n. 01, 2017.

JUSTEN FILHO, Marçal. Curso de Direito Administrativo. 5. ed. Belo Horizonte: Fórum, 2011.

JUSTEN FILHO, Marçal. O Direito das Agências Reguladoras Independentes. São Paulo: Dialética, 2002.

KING, Jeff A. Institutional approaches to judicial restraint. Oxford J. Legal Stud, 2008.

MACHADO SEGUNDO, Hugo de Brito. O (Projeto de) Novo Código de Processo Civil e a “jurisprudência defensiva”. Interesse Público, Belo Horizonte, ano 15, n. 80, p. 01, jul./ago. 2013.

MAJONE, Giandomenico. “Do Estado positivo ao Estado regulador: causas e conseqüências de mudanças no modo de governança”. Revista do Serviço Público, v. 50, n. 01, 1999.

MARQUES NETO, Floriano de Azevedo. Agências Reguladoras Independentes: fundamentos e seu regime jurídico. Belo Horizonte: Fórum, 2005.

MARRARA, Thiago. A legalidade na relação entre ministérios e agências reguladoras. Revista da Faculdade de Direito, São Paulo, n. 99, p. 723-746, jan./dez. 2004.

MATTOS, Paulo Todescan Lessa. O Novo Estado Regulador no Brasil: eficiência e legitimidade. São Paulo: Singular, 2006.

MORAES, Alexandre de. Agências reguladoras. Fórum Administrativo, Belo Horizonte, v. 01, n. 08, p. 1009-1016, 2001.

MOREIRA NETO, Diogo de Figueiredo. Agências reguladoras. Mutações do Direito Administrativo. Rio de Janeiro: Renovar, 2000.

NÓBREGA, Theresa C. Albuquerque. A regulação da saúde no Brasil: o controle externo do Tribunal de Contas da União nas unidades do SUS geridas por instituições privadas. A&C – Revista de Direito Administrativo & Constitucional, Belo Horizonte, ano 19, n. 77, p. 101-119, jul./set. 2019.

PEREZ, Marcos Augusto. As agências reguladoras no direito brasileiro. A&C: Revista de Direito Administrativo & Constitucional, v. 2, n. 5, p. 59-66, 2000.

SOUTO, Marcos Juruena Villela. Agências reguladoras. Revista de Direito Administrativo – RDA, n. 216, p. 125-162, 1999.

SUNDFELD, Carlos Ari. Introdução às Agências Reguladoras. In: SUNDFELD, Carlos Ari (Org.). Direito Administrativo Econômico. São Paulo, Malheiros, 2000.

TÁCITO, Caio. Agências reguladoras da Administração. Revista de Direito Administrativo – RDA, n. 221, p. 1-5, 2000.

WALD, Arnoldo. A autonomia das agências reguladoras. Consulex: Revista Jurídica, v. 8, n. 170, fev. 2004.

Downloads

Publicado

2020-12-02

Como Citar

Jordão, E. F., Reis, V. C., & Cabral Jr., R. T. (2020). O controle das agências reguladoras federais no STF como instância recursal: um estudo empírico. Revista De Direito Econômico E Socioambiental, 11(1), 122–155. https://doi.org/10.7213/rev.dir.econ.soc.v11i1.27258

Edição

Seção

Artigos