Eficácia escolar: boas práticas à luz de estudos do governo brasileiro e das agências multilaterais

Edivaldo-Cesar Camarotti Martins, Adolfo-Ignacio Calderón

Resumo


Este artigo tem como objetivo estudar os avanços na produção do conhecimento sobre o tema das boas práticas escolares a partir dos estudos promovidos pelo Ministério da Educação do Brasil, apoiados ou não por agências multilaterais, analisando-se as concepções subjacentes, tendências e principais abordagens teóricas existentes, a fim de defender, em termos teóricos, uma aproximação conceitual entre boas práticas escolares e estratégias de melhoria da qualidade da educação básica dentro do campo teórico dos estudos sobre eficácia escolar. Metodologicamente realizou-se um estudo de caráter descritivo-analítico, comparativo, por meio de pesquisa essencialmente bibliográfica, selecionando-se como corpus de análise 10 publicações. Embora sejam reduzidas as indicações de boas práticas sobre clima escolar, as mencionadas foram consideradas essenciais para a melhoria da aprendizagem, na medida em que isso serve de base para o desenvolvimento eficaz tanto de ações de gestão escolar quanto das práticas pedagógicas. Há uma nítida tendência em se abordar boas práticas de gestão escolar, com destaque para a liderança pedagógica do diretor em coordenar a formação continuada dos professores e articular a participação da família nas atividades escolares. As práticas pedagógicas foram fundamentais para as escolas com elevado desempenho, sendo que o compromisso com o ensino e a aprendizagem dos alunos por parte de toda equipe escolar é uma boa prática extremamente relevante nos resultados do desempenho escolar.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.7213/1981-416X.19.062.AO05

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Editora Universitária Champagnat