Qualia e Umwelt

Arthur Araújo

Resumo


No seu famoso artigo “What is it like to be a bat?” (1974), Thomas
Nagel sustenta que existe um ‘ponto de vista’ característico e inescrutável,
não acessível objetivamente na experiência, que determina
o sentido da própria experiência como evento mental. Entre recentes
teorias filosóficas da mente, eventualmente, a esse elemento subjetivo
correspondem os chamados qualia, i.e., propriedades intrínsecas, qualitativas
ou fenomenais da experiência. Na concepção de Nagel, o ‘ponto
de vista’ estabelece os contornos de distinção entre os aspectos objetivos
e subjetivos referentes à experiência. Em certo sentido, essa distinção
parece próxima ao que o biólogo Jakob von Uexküll ([1934] 1982)
entende ser a distinção entre Umwelt e Innenwelt e que tem motivado
muitos estudos em etologia cognitiva (ALLEN; BEKOFF, 1997, p. 141).
Em particular, por oposição a Innenwelt, ou ‘mundo-interno’, o termo
Umwelt, ou ‘mundo-próprio’, descreve a estrutura cognitiva da experiência
de diferentes organismos desde escalas inferiores (água-viva) a escalas
superiores (ser humano). Procuro mostrar, com efeito, que a noção de
‘mundo-próprio’ descreve objetivamente na organização cognitiva animal
o que Nagel considera ser a característica subjetiva e inescrutável da
própria experiência.

Texto completo:

PDF

Referências


ALLEN, C.; BEKOFF, M. Species of mind: the philosophy and biology of cognitive ethology. Cambridge, MA: MIT Press, 1997.

BARBEROUSSE, A. L’expérience. Paris: Flammarion, 1999.

BERTHOZ, A.; PETIT, J-L. Phénoménologie et physiologie de l’Action. Paris: Odile Jacob, 2006.

BITBOL, M. Physique et philosophie de l’Esprit. Paris: Flammarion, 2000.

BUNGE, M. El problema mente-cerebro: un enfoque psicobiológico. Tradução Benito García Noriega. Madrid: Tecnos, 1988.

CARNAP, R. Coletânea de textos. Tradução de Pablo Ruben Mariconda e Luiz João Baraúna. São Paulo: Abril Cultural, 1980.

CHALMERS, D. The conscious mind. Oxford: Oxford University Press, 1996.

DARWIN, C. The origins of species. New York: Gramercy Books, 1979.

______. A expressão das emoções no homem e nos animais. Tradução de Leon de Sousa Lobo Garcia. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

______. The descend of man. London: Penguin Books, 2004.

DENNETT, D. The intentional stance. Cambridge: The Bradford Books, 1986.

______. Quining qualia. In: MARCEL, A.; BISIACH, E. (Ed.). Consciousness in contemporary science. Oxford: Oxford University Press, 1988. p. 42-77.

______. Consciousness explained. Boston: Little Brown and Company, 1991.

DENTON, D. L’émergence de la conscience. Traduction de Jean-Michel Mourlon. Paris: Flammarion, 1995.

GRIFFIN, D. R. The question of animal awareness: evolutionary continuity of mental experience. New York: The Rockefeller University Press, 1976.

______. Animal minds. Chicago: The University of Chicago Press, 1992.

JACKSON, F. What Mary didn’t know. Journal of Philosophy, v. 83, n. 5, p. 291-295, 1986.

JOHNSON-LARID, P. Mental models. Cambridge, MA: Cambridge University Press, 1983.

LEWIS, C. Mind and the World Order. New York: Charles Scribner’s Sons, 1929.

LEVINE, J. Qualia. In: ROBERT, A. W.; FRANC C. K. (Ed.). The MIT encyclopedia of the cognitive sciences. Cambridge, MA: MIT Press, 1999. p. 645-647.

LORENZ, K. Os fundamentos da etologia. Tradução de Pedro Mello Cruz e Carlos C. Alberto. São Paulo: UNESP, 1995.

MERLEAU-PONTY, M. A natureza. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

NAGEL, T. What is it like to be a bat? The Philosophical Review, v. 82, n. 4, p. 435-450, 1974.

______. Other minds. Oxford: Oxford University Press, 1995.

______. Como é ser um morcego? Caderno de História e Filosofia da Ciência, Campinas, Série 3, v. 15, n. 1, p. 245-262, jan./jun. 2005.

PEIRCE, C. S. Semiótica. Tradução de José Teixeira Coelho Neto. São Paulo: Perspectiva, 1997.

RORTY, R. Introdução. In: . Empirismo e filosofia da mente. Tradução de Sofia Inês Albornoz Stein. Petrópolis: Vozes, 2008.

SEARLE, J. The mystery of consciousness. New York: The New York Review of Books, 1997ª.

______. A redescoberta da mente. Tradução de Eduardo Pereira e Ferreira. São Paulo: Martins Fontes, 1997b.

SELLARS, W. Empirismo e filosofia da mente. Tradução de Sofia Inês Albornoz Stein. Petrópolis: Vozes, 2008.

SHAROV, A. Towards the semiotic paradigm in biology. Semiotica, v. 120, n. 3/4, p. 403-419, 1998.

SHOEMAKER, S. The first-person perspective and other essays. New York: Cambridge University Press, 1996.

SMART, J. J. C. Nosso lugar no universo. Tradução de J. E. Smith Caldas. São Paulo: Siciliano, 1991.

SUKHDEO, M. V. K.; SUKHDEO, S. C. Trematode behaviours and the perceptual worlds of parasites. Disponível em: . Acesso em: 16 abr. 2009.

TYE, M. Ten problems of consciousness: a representational theory the phenomenal mind. Cambridge, MA: MIT Press, 1999.

UEXKÜLL, J. Mondes animaux et monde humain. Traduction de Phillipe Muller. Paris: Denoël, 1956.

______. Dos animais e dos homens. Tradução de Alberto Candeias e Aníbal Garcia Pereira. Lisboa: Livros do Brasil, 1982. Originalmente publicado em 1934.

UEXKÜLL, T. A teoria da Umwelt de Jakob von Uexküll. Revista Galáxia, São Paulo, n. 7, p. 19-48, 2004. Disponível em: . Acesso em: 19 jun. 2008.

WITTGENSTEIN, L. L’Intérieur et l’extérieur: derniers ecrits sur la philosophie de la psychologie, II. Tradução de Gérard Granel. Paris: Éditions TER, 2000.

VARELA, F. Invitation aux sciences cognitives. Paris: Seuil, 1988.

VARELA, F.; THOMPSON, E.; ROSCH, E. L’inscription corporelle de l’esprit: sciences cognitives. Paris: Seuil, 1993.




DOI: https://doi.org/10.7213/rfa.v22i30.2215

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.