Da polissemia dos conceitos “ressentimento” e “má consciência”

Antonio Edmilson Paschoal

Resumo


O objetivo deste artigo é analisar os conceitos “ressentimento” e “má consciência” na filosofia de Nietzsche, tendo em vista a polissemia desses termos. Segundo a hipótese aqui trabalhada, embora ambos digam respeito à ideia de inibição (Hemmung) de forças para o interior do homem, é possível afirmar: primeiro, que eles são diferentes entre si; segundo, que mesmo individualmente eles apresentam variações conforme o papel desempenhado em diferentes textos do filósofo; e terceiro, que eles exemplificam uma variação na própria ideia de “fluidez de sentidos”, pois, enquanto o conceito de “má consciência” é localizado na história e as nuances que recebe são o produto de uma “transformação conceitual”, o termo “ressentimento” é tomado pelo filósofo na literatura de seu tempo e reconfigurado conforme as necessidades de sua construção argumentativa.

Texto completo:

PDF

Referências


BÍBLIA. Novo Testamento. Petrópolis: Vozes, 1978.

FERRAZ, M. C. F. Nove variações sobre temas nietzschianos. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

NIETZSCHE, F. Sämtliche Werke. Kritische Studienausgabe Herausgegeben (KSA) von Giorgio Colli und Mazzino Montinari. 15 Bände. München; Berlin; New York: DTV; Walter de Gruyter, 1988.

PASCHOAL, A. E. Transformação conceitual. Revista Trágica: Estudos sobre Nietzsche, v. 2, n. 2, p. 17-30, 2009. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2011.

PASCHOAL, A. E. Dostoiévski e Nietzsche: anotações em torno do “homem do ressentimento”. Estudos Nietzsche, v. 1, n. 1, p. 181-198, 2010. Disponível em:

=view>. Acesso em: 10 fev. 2011.

STEGMEIER, W. Nietzsches ‘Genealogie der Moral’. Darmstadt: WBD, 1994.

VENTURELLI, A. Asketismus und Wille zur Macht. Nietzsches

Auseinandersetzung mir Eugen Dühring. In: VENTURELLI, A. Kunst

Wissenschaft und Geschichte bei Nietzsche. Berlin: Walter de Gruyter, 2003. p. 203-237.




DOI: https://doi.org/10.7213/rfa.v23i32.1792

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.