SOCIEDADE CIVIL E “TERCEIRO SETOR”: apropriações indébitas do legado teórico-político de Gramsci

Marcos Francisco Martins

Resumo


O presente artigo discute a emergência da sociedade civil como um
conceito-chave para se compreender a dinâmica da atual fase de
desenvolvimento do capitalismo no Brasil e seu processo de reestrutura
das relações produtivas e sociais. Em busca da identificação da gênese
desse conceito, são aqui apresentadas as acepções contratualistas,
hegeliana e marxiana. Contudo, o objetivo fundamental é o de contestar
a leitura que alguns dos novos atores sociais têm feito desse termo,
especificamente aqueles que se auto-intitulam como integrantes do
“terceiro setor”. Isso porque muitos desses sujeitos sociais procuram
indebitamente ancorar no legado teórico-metodológico e político
gramsciano suas posições idealistas e liberais, tidas equivocadamente
como neutras sob o ponto de vista ético, político e ideológico.


Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Ricardo. Reestruturação produtiva e mudanças no mundo do

trabalho numa ordem neoliberal. In: DOURADO, Luiz Fernando; PARO,

Vitor Henrique (Org.). Políticas públicas & educação básica. São Paulo:

Xamã, 2001.

______. O desenho multifacetado do trabalho hoje e sua nova morfologia.

Serviço Social & Sociedade, São Paulo, ano 23, n. 69, p. 107-120, 2002.

BOBBIO, Norberto. O conceito de sociedade civil. 2. ed. Tradução de Carlos

Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1982.

BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco.

Dicionário de política. Tradução de Carmen C. Varrialle e outros. 4. ed.

Brasília: Universidade de Brasília, 1992, v. 1 e 2.

FERNANDES, Rubem César. Privado porém público: o terceiro setor na

América Latina. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994.

FERREIRA, Victor Cláudio Paradela. ONGs no Brasil: um estudo sobre suas

características e fatores que têm induzido seu crescimento. 2005. 271 f. Tese

(Doutorado na escola de Administração Pública e de Empresas da FGV) –

Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 2005.

FORTES, Luiz R. Salinas. Rousseau: o bom selvagem. São Paulo: FTD, 1989.

GIDDENS, Anthony. As conseqüências da modernidade. Tradução de Raul

Fiker. 2. ed. São Paulo: UNESP, 1991.

______. A terceira via: reflexões sobre o impasse político atual e o futuro da

social-democracia. Tradução de Maria Luisa S. de A. Borges. Rio de Janeiro:

Record, 2000.

GOHN, Maria da Glória. Educação não-formal e cultura política: impactos

sobre o associativismo do terceiro setor. São Paulo: Cortez, 1999.

GRAMSCI, Antonio. Passato e presente. I edizione ristampa. Roma:

Riuniti, 1979.

______.Maquiavel, a política e o estado moderno. Tradução de Luiz Mário

Gazzaneo. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.

______. Literatura e vida nacional. Tradução de Carlos Nelson Coutinho.

ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1987.

______. Concepção dialética da história. Tradução de Carlos Nelson

Coutinho. 10. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995a.

______. Os intelectuais e a organização da cultura. Tradução de Carlos

Nelson Coutinho. 9. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995b.

HOROCHOVSKI, Rodrigo Rossi. Associativismo civil e Estado: um estudo

sobre organizações não-governamentais (ONGs.) e sua dependência de recursos

públicos. Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política

da UFSC, Florianópolis, v. 1, n. 1, p. 109-127, ago./dez. 2003.

LOCKE, John. Ensaio acerca do entendimento humano. Tradução de Anoar

Aiex. 5. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1991. v. 9. (Coleção Os Pensadores).

MARX, Karl. Prefácio: para a crítica da economia política. In: MARX, Karl.

Manuscritos econômicos e filosóficos e outros textos escolhidos. Tradução

de José Carlos Bruni e outros. 5. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1991. v. 12.

(Coleção Os Pensadores).

MARX, Karl. ENGELS, Friedrich. A ideología alemã: 1º capítulo seguido

das teses de Feuerbach. São Paulo: Moraes, 1984.

______.; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã: 1º capítulo seguido das teses

de Feuerbach. São Paulo: Moraes, 1997.

MONTAÑO, Carlos. Das “lógicas do Estado” às “lógicas da sociedade civil”:

Estado e “terceiro setor” em questão. Serviço Social & Sociedade, São Paulo,

ano 20, n. 59, p. 47-79, mar. 1999.

NEVES, Lúcia Maria Wanderley (Org.). A nova pedagogia da hegemonia:

estratégias do capital para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005.

NOGUEIRA, Marco Aurélio. Gramsci desembalsamado - em torno dos abusos

do conceito de sociedade civil. Educação em foco, Juiz de Fora, v. 5, n. 2,

p. 115-130, 2000.

PORTELLI, Hugues. Gramsci e o bloco histórico. Tradução de Angelina

Peralva. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

RAZETO, Luiz. Economia de solidariedade e organização popular. In:

GADOTTI, Moacir; GUTIÉRREZ, Francisco (Org.). Educação comunitária

e economia popular. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1999. p. 34-58.

______.La dimension economica del terceiro sector en America Latina. 1999.

Disponível em:

/acervo/acervo_pesquisa.cfm?CABECALHO>. Acesso em: 07 set. 2005.

RIBEIRO, Renato Janine. Hobbes: o medo e a esperança. In: WEFFORT, Francisco

(Org.). Os clássicos da política: Maquiavel, Hobbes, Locke, Montesquieu,

Rousseau, “O Federalista”. 3. ed. São Paulo: Ática, 1991. p. 51-77.

SEMERARO, Giovanni. Gramsci e a sociedade civil: cultua e educação para

a democracia. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

SORJ, Bernardo. Sociedades civis e relações Norte-Sul: ONGs e dependência.

Tradução de Plínio A. Dentzien, Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005. Disponível

em: . Acesso em: 18 nov. 2005.




DOI: https://doi.org/10.7213/rfa.v20i26.1462

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.