Direitos da natureza a partir da perspectiva do direito global: um estudo de caso sobre o parque Yasuní

Larissa Borges Fortes, Sergio Ricardo Fernandes de Aquino

Resumo


O Parque Yasuní possui parte de seu território localizado no Equador, sendo considerado reserva mundial da biosfera pela Unesco. Em 2007, o governo equatoriano propôs, perante a ONU, uma compensação pecuniária para a preservação do Parque, mantendo-o intacto, proposta que ficou conhecida como Iniciativa Yasuní. Em 2013, fracassada tal proposta, o Equador pôs fim à Iniciativa, autorizando a exploração de petróleo no Parque. Assim, grupos ambientalistas denunciaram que estas práticas violariam a própria Constituição equatoriana. O presente trabalho pretende responder ao seguinte problema de pesquisa: quando as consequências de danos ambientais transcendem as fronteiras, a responsabilidade pelo cuidado e preservação é do Estado-território ou deve ser pensada em âmbito global? Para responder ao problema, a partir do método indutivo e das técnicas de pesquisa bibliográfica e documental, analisou-se o caso do Parque Yasuní e seus desdobramentos, abordando a forma como o Direito Global pode pensar respostas a estes problemas. Formulou-se uma hipótese, no seguinte sentido: a responsabilidade pelos danos com impactos globais deve ser pensada em âmbito global, através da utilização de mecanismos propostos pelo Direito Global. Ao final, verificou-se que as questões relacionadas aos Direitos da Natureza, Ambientais e à Sustentabilidade devem ser pensadas na perspectiva global, de forma que o modelo de sociedade atual impõe responsabilidades aos diversos agentes transnacionais, no sentido de impedir que crimes ambientais ocorram da forma como poderá ocorrer no Parque Yasuní, sendo o Direito Global um importante instrumento com característica pré-violatória.



Palavras-chave


Constituição do Equador; direito global; direitos da natureza; sustentabilidade; Parque Yasuní;

Texto completo:

PDF

Referências


ALBÓ, Xavier. Equador: Dos Aucas/Huaorani ao Parque Yasuní 1956-2015.In: Instituto Humanitas Unisinos. Disponível em: . Acesso em 21 dez 2015.

AQUINO, Sergio R. F. de. O direito em busca de sua humanidade: diálogos errantes. Curitiba: CRV, 2014.

ARNAUD, André-Jean. Governar sem fronteiras: entre globalização e pós-globalização. Crítica da razão jurídica. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.

AYALA, Marcelo. O fim da Iniciativa Yasuní: vida e morte de um modelo de preservação no Equador. In: Repórter Brasil.Disponível em: . Acesso em 21 dez 2015.

BAUMAN, Zygmunt; DONSKIS, Leonidas. Cegueira moral: a perda da sensibilidade na modernidade líquida. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

BOBBIO, Norberto. O futuro da democracia. Tradução de Marco Aurélio Nogueira. 9. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

BOSSELMANN, Klaus. O princípio da sustentabilidade: transformando direito e governança. Tradução de Phillip Gil França. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2015.

CASSESE, Antonio. I diritti umani oggi. 3. ed. Roma-Bari: Laterza, 2012.

CECHIN, Andrei. A natureza como limite da economia: a contribuição de Nicholas Georgescu-Roegen. São Paulo: SENAC/EDUSP, 2010.

CONSTITUICIÓN DE LA REPÚBLICA DEL ECUADOR. Disponível em: . Acesso em 29 set 2015.

DEUTSCHE WELLE. Equador anuncia exploração de petróleo no Parque Nacional de Yasuní.In: Carta Capital. Disponível em: . Acesso em 21 dez 2015.

FRANCISCO. Laudato si: sobre o cuidado da casa comum. São Paulo: Paulus/Loyola, 2015.

GUDYNAS, Eduardo. Derechos de la naturaleza: ética biocéntrica y políticas ambientales. Lima: CLAES, 2014.

GUDYNAS, Eduardo. La senda biocéntrica: valores intrínsecos, derechos de la naturaleza y justicia ecológica. Revista Tabula Rasa, n. 13, Bogotá, julio-diciembre, 2010.

HUANACUNI MAMANI, Fernando. Buen vivir/ Vivir bien: Filosofía, políticas, estrategias y experiencias regionales andinas. Peru: CAOI, 2010.

HESPANHA, Antônio Manuel. Pluralismo jurídico e direito democrático. São Paulo: Annablume, 2013.

MOSCOVICI, Serge. Sociedade contra a natureza. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis, (RJ): Vozes, 1975.

PROGRAMA DE LAS NACIONES UNIDAS PARA EL DESARROLLO. Disponível em: . Acesso em 12 jan 2016.

RODOTÀ, Stefano. Il diritto di avere diritti. Roma-Bari: Laterza, 2012.

SASSEN, Saskia. Territorio, autoridad y derechos. De los ensamblajes medievales a los ensamblajes globales. Buenos Aires: Katz, 2015.

STAFFEN, Márcio Ricardo. Interfaces do direito global. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2015.

WOLKMER, Antonio Carlos. Pluralismo jurídico: fundamentos de uma nova cultura no Direito.3. ed. São Paulo: Alfa-Omega, 2001.

VEIGA, José Eli da. Mundo em transe: do aquecimento global ao ecodesenvolvimento. Campinas, (SP): Armazém do Ipê, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rev.dir.econ.soc.v8i1.9702

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Larissa Borges Fortes, Sergio Ricardo Fernandes de Aquino

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

eISSN 2179-8214

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Rua Imaculada Conceição, 1155, Bloco Vermelho, Prado Velho, Curitiba/PR, Brasil, CEP 80.215-901

E-mail: revista.direito@pucpr.br

https://periodicos.pucpr.br/index.php/direitoeconomico/