Arranjos entre tempo e trabalho implementados pela reforma trabalhista brasileira: impactos na negociação coletiva

Maria Aurea Baroni Cecato, Paulo Henrique Tavares da Silva

Resumo


Este trabalho realiza uma análise crítica das inovações promovidas na Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) pela denominada de “reforma trabalhista” (Lei n.13.467/17), no que atine aos esquemas de compensação e prorrogação de jornada, além de novos tipos de contratação laboral que se relacionam com a disposição do tempo da prestação de serviço, sob a perspectiva de que os novos tipos legais levam à fragilização do poder coletivo de negociação das entidades representativas das categorias profissionais. O moto principal dessas modificações normativas, da prevalência do negociado sobre o legislado, deve ser interpretado como uma afirmação da hegemonia da vontade do patronato e sintonia com ideário neoliberal, à luz da concepção do mercado-total, estabelecendo-se um subsistema no corpo do direito do trabalho brasileiro que se contrapõe ao conjunto de disposições supranacionais, constitucionais e infraconstitucionais destinadas à proteção do trabalho humano. Dividido em quatro partes, o ensaio, a partir do método hipotético-dedutivo e à luz de pesquisa documental, revisita as bases teóricas do direito do trabalho, estabelece suas premissas essenciais e contrasta os fins maiores da legislação social com os escopos utilitaristas das inovações legislativas.


Palavras-chave


direito do Trabalho; relação de emprego; negociação coletiva; reforma trabalhista; jornada de trabalho.

Texto completo:

PDF

Referências


ARIENTI, Wagner Leal. Do Estado Keynesiano ao Estado Shumpeteriano. Revista de Economia Política, v. 23, n. 4, out./dez. 2003.

BARBAGELATA, Héctor-Hugo. O particularismo do Direito do Trabalho. São Paulo: LTr, 1996.

BOLTANSKI, Luc; CHIAPELLO, Ève. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DELGADO, Mauricio Godinho; DELGADO, Gabriela Neves. A reforma trabalhista no Brasil. São Paulo: LTr, 2017.

ENGELS, Friedrich. A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. São Paulo: Boitempo, 2010.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (OIT). Documentos fundamentais da OIT (2007). Gabinete para a cooperação. Ministério do Trabalho e da solidariedade social de Portugal. Lisboa: 2007.

PACHUKANIS, Evguiéni B. Teoria Geral do Direito e Marxismo. São Paulo: Boitempo, 2017.

PERLINGIERI, Pietro. Perfis do Direito Civil: introdução ao Direito Civil Constitucional. 3ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2007.

RADBRUCH, Gustav. Introdução à ciência do Direito. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

SUPIOT, Alain. Critique du Droit du Travail. Paris: Presses Universitaires de France, 1994.

SUPIOT, Alain. L’Esprit de Philadelphie: la jutice sociale face au marché total. Paris: Seuil, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rev.dir.econ.soc.v10i2.23787

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 MARIA AUREA BARONI CECATO, PAULO HENRIQUE TAVARES DA SILVA

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

eISSN 2179-8214

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Rua Imaculada Conceição, 1155, Bloco Vermelho, Prado Velho, Curitiba/PR, Brasil, CEP 80.215-901

E-mail: revista.direito@pucpr.br

https://periodicos.pucpr.br/index.php/direitoeconomico/