A educação ambiental e o novo conceito de fake green

Andé Ricardo Fonseca da Silva, André Luiz Cordeiro Alves

Resumo


O presente trabalho apresenta uma análise da crise ambiental atual, com enfoque na importância da construção de uma racionalidade ambiental, baseada no pensamento de Enrique Leff Zimmerman, Doutor em Economia do Desenvolvimento, que defende a transdisciplinaridade para construção epistemológica ambiental capaz de criar uma gestão verdadeiramente sustentável dos recursos naturais. A metodologia adotada foi à pesquisa qualitativa. Utilizou-se também o método de abordagem dedutivo, partindo-se de temas gerais, como meio ambiente e sustentabilidade. Já no que diz respeito à técnica da pesquisa, foi empregado o procedimento técnico de pesquisa bibliográfica. E concluiu-se pela relativização do conceito de Desenvolvimento Sustentável, criando uma antítese a esse termo: o Fake Green, que aborda os malefícios silenciosos gerados pela precariedade desse modelo incompatível com realidade atual de degradação ao meio ambiente, num cenário forjado, retroalimentando um sistema produtivo predatório; tendo como resultado, um percentual ínfimo de contratos com a administração pública que adotam critérios de sustentabilidade e, na esfera privada, a perpetuação de relatórios ambientais de grandes empresas que estão em desacordo com a realidade do impacto ambiental em toda sua cadeia produtiva; sendo a educação ambiental o único instrumento eficaz para o combate ao Fake Green.


Palavras-chave


meio ambiente; sustentabilidade; desenvolvimento sustentável; fake green; Greenwashing.

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCASTRO, Maria Alice Cruz; SILVA, Edson Vicente; LOPES, Ana Maria D'Avila. Contratações Sustentáveis na Administração Pública Brasileira: a experiência do poder executivo federal. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, vol. 48 n.1, p. 207-236. 2014.

BERTOLI, Ana Lúcia; RIBEIRO, Maisa de Souza. Passivo Ambiental: estudo de caso de Petróleo Brasileiro S.A. – PETROBRÁS. A repercussão ambiental nas demonstrações contábeis, em consequências dos acidentes ocorridos. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, vol. 10 n. 2, p. 117-136, abr./jun. 2006.

COELHO, O.F; SACCARO; N. J.; LUEDEMANN, Gustavo. Avaliação do Ciclo de Vida como Ferramenta para Formulação de Políticas Públicas no Brasil. Texto para Discussão: Instituto de Pesquisa Aplicada – IPEA, Brasília, 2016.

DICKMAN, Ivo; HENRIQUE, Larissa. Formação Inicial de Educadores Ambientais: desafios, limites e avanços. Revistas de Educação Pública, Mato Grosso, v. 26, n. 63, p. 837-839. 2017.

ESTADÃO. As Compras Públicas Sustentáveis como política pública do Estado. Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2018.

LEFF, Enrique. Epistemologia Ambiental. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

LEFF, Enrique. Saber Ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

LEFF, Enrique. Discursos Sustentáveis. São Paulo: Cortez, 2010.

MAKETING ANALYSIS. Green washing afeta 8 em cada 10 produtos vendidos no Brasil, e o uso de apelos ambientais pelas empresas torna - se mais estratégico e menos óbvio. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2017.

MILARÉ, Édis. Direito do Ambiente: doutrina, jurisprudência, glossário. 5. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2014.

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO DESENVOLVIMENTO E GESTÃO. Painel de Compras do Governo. Disponível em:. Acesso em: 01 abril. 2018.

O GLOBO. ONG: Coca-Cola produz mais de 100 bilhões de garrafas plásticas por ano: Greenpeace cobra redução de descartáveis de seis empresas de bebidas. Disponível em: . Acesso em: 31 nov. 2017.

PAGOTTO, E. Greenwashing: os conflitos éticos da propaganda ambiental. São Paulo, 2013. 162 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Programa de Pós-Graduação em Mudança Social e Participação Política, Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo.

PNUD. Plataforma Agenda 2030: Uma Plataforma de Ação para Acompanhar a Implementação da Agenda 2030 no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 22 nov. 2017.

TRENNEPOHL, Terence. Direito ambiental empresarial, 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2017.

SANTOS, Milton. 1992: A redescoberta da natureza. Estudos Avançados. São Paulo, vol. 6 n. 14, p. 95-106. 1992.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rev.dir.econ.soc.v10i2.23739

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 ANDRÉ RICARDO FONSÊCA DA SILVA

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

eISSN 2179-8214

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Rua Imaculada Conceição, 1155, Bloco Vermelho, Prado Velho, Curitiba/PR, Brasil, CEP 80.215-901

E-mail: revista.direito@pucpr.br

https://periodicos.pucpr.br/index.php/direitoeconomico/