Reinterpretação conceitual do desenvolvimento sustentável em face do planejamento urbano e da economia circular

Laécio Noronha Xavier

Resumo


Surgido na década de 1980, o cerne do conceito de Desenvolvimento Sustentável mostrou-se pouco ambicioso com o passar do tempo: minimizar a degradação ambiental em face da qualidade de vida das gerações presentes e futuras. Todavia, experiências públicas e privadas exitosas de várias nações desenvolvidas em relação à Economia Circular de Logística Reversa na era digital atestam o fortalecimento da Geopolítica Ambiental e suas formas alternativas de gestão ambiental com cooperação técnica entre empresas que utilizam energias renováveis, evitam desperdício, reusam materiais, eliminam o conceito de “lixo” e reincorporam objetos degradados ao ciclo produtivo. E, acrescentando novas categorias, como cenários democráticos (instituições políticas, transparência administrativa, segurança jurídica, participação popular) e inovações científico-tecnológicas (soluções técnicas para extinção da degradação ambiental), conquistou-se uma lapidação do conceito de Desenvolvimento Sustentável para além de suas clássicas vertentes econômica, ambiental e social e devidamente incorporadas nas normas do planejamento urbano das urbes brasileiras. 


Palavras-chave


Planejamento; Economia; Desenvolvimento; Geopolítica Ambiental; Logística Reversa.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, Terry; LEAL, Donald. Free market environmentalism for the next generation. NewYork: Palgrave, 2001.

ARRAIS, Rafael; CARVALHO, Alfredo; TEO, Igor. Entre a esquerda e a direita: uma reflexão política. São Paulo: Edições Textos Para Reflexão, 2016.

ASSUNÇÃO, Lucas. Papel das Agências Internacionais na Comercialização dos Bens de Floresta. O Caminho do Brasil para firmar sua Posição neste Comércio. In: Anais da Conferência Nacional da OAB sobre Meio Ambiente e a Questão da Amazônia. Manaus: OAB/AM, 06 set. 2009. p. 121-150.

BARNES, Peter. Capitalism 3.0. A guide to reclaiming the commons. San Francisco: BK Publishers, 2006.

BECK, Ulrich. O que é Globalização? Equívocos do Globalismo, respostas à Globalização. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

BECKER, Bertha. Amazônia: geopolítica na virada do III milênio. Rio de Janeiro: Garamond: 2006.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: EDUSP, 2007.

BRAGA, Benedito. Introdução à engenharia ambiental. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

CALIXTO, Bruno; CISCATI, Rafael. Nada se perde. Época. Ed. nº 938. São Paulo: Globo, 06 jun. 2016. p. 106-112.

COSTA, Wanderley Messias. Geografia política e geopolítica: discurso sobre o território e o poder. São Paulo: EDUSP, 1992.

CRUZ, Branca Martin. Desenvolvimento sustentável e Responsabilidade Ambiental. In: MARQUES, José Roberto (Org.). Sustentabilidade e temas fundamentais de Direito Ambiental. Campinas: Millennium, 2009. p. 10-65.

DANTAS, Thiago; FEITOSA, Enoque. Os princípios ambientais e o conceito de sustentabilidade: gerações futuras diante dos recursos naturais do Brasil. In: Anais do XVIII Congresso Nacional do CONPEDI. São Paulo: Publica Direito, 04-07 nov. 2009. p. 2905-2930.

FUCK, Marcos; VILHA, Ana Patricia. Inovação tecnológica: da definição à ação. Revista Contemporâneos, Santo Andre, nº 9, abr. 2012, p. 1-21.

GORDON, Robert. The rise and fall of american growth: the U.S. standard of living since the Civil War. Princeton: Princeton University Press, 2016.

MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito ambiental brasileiro. São Paulo: Malheiros, 2004.

MALUF, Carlos; MALUF, Adriana. Comentários ao Estatuto da Cidade. São Paulo: Atlas, 2011.

MARX, Karl. O Capital. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, Livro I, 2008.

McDONOUGH, William; BRAUNGART, Michael. Cradle to cradle: criar e reciclar ilimitadamente. Rio de Janeiro: GG, 2014.

MEIRELLES, Hely Lopes. Direito urbanístico brasileiro. São Paulo: Malheiros, 1997.

MENDES, Tânia. A única saída para o planeta: sustentabilidade. Revista Brasileira de Administração, Brasília, nº 67, 2008, p. 24-30.

MORAND-DEVILLER, Jacqueline. A cidade sustentável, sujeito de direito e de deveres. In: D’ISEP, Clarissa; NERY JUNIOR, Nelson; MEDAUAR, Odete (Orgs.). Políticas públicas ambientais. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009. p. 346- 356.

MUKAI, Toshio. Direito urbano e ambiental. Belo Horizonte: Fórum, 2006.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - OCDE. Manual de Oslo. Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. Brasília: FINEP, 2006.

RAWLS, John. Uma teoria da justiça. Lisboa: Presença, 1993.

REGO, Patrícia Amorim. Propriedade Intelectual e Comércio Internacional dos Bens da Floresta: Justiça e Ética. In: Anais da Conferência Nacional da OAB sobre Meio Ambiente e a Questão da Amazônia. Manaus: OAB/AM, 06 set. 2009. p. 51-80.

SACHS, Ignacy. Ecodesenvolvimento: crescer sem destruir. São Paulo: Vértice, 1986.

_____. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2000.

SCHERL, Lea. As áreas protegidas podem contribuir para a redução da pobreza? Cambridge: IUCN, 2006.

SINDICATO DAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS e URBANOS DO ESTADO DO CEARÁ - SINDIVERDE. Reciclagem pode render R$ 200 milhões no Ceará. Diário do Nordeste. Fortaleza, 17 jun. 2016. Negócios, p. 1.

TOSTA, Octávio. Teorias geopolíticas. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1984.

VESENTINI, José William. Novas geopolíticas. São Paulo: Contexto, 2005.

VIEIRA, Juliana de Souza Reis. Cidades Sustentáveis. In: MOTA, Maurício (Org.). Fundamentos teóricos do Direito Ambiental. São Paulo: Campus, 2008. p. 313-344.

XAVIER, Laécio Noronha. Políticas públicas de segurança. Fortaleza: LCR, 2012.

ŽIŽEK, Slavoj. Em defesa das causas perdidas. São Paulo: Boitempo, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rev.dir.econ.soc.v8i1.17691

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Laécio Noronha Xavier

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

eISSN 2179-8214

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Rua Imaculada Conceição, 1155, Bloco Vermelho, Prado Velho, Curitiba/PR, Brasil, CEP 80.215-901

E-mail: revista.direito@pucpr.br

https://periodicos.pucpr.br/index.php/direitoeconomico/