Notícias

Do case reports warrant peer review?

 


Case reports constitute a popular form of veterinary and medical scientific literature. Recently, journals dedicated to publishing case reports have proliferated; more than 160 such journals exist in medicine and at least three exist for veterinary medicine (Veterinary Record Open, Journal of Feline Medicine and Surgery Open Reports, Case Reports in Veterinary Medicine). 

Case reports fall within the lower levels of evidence on the evidence hierarchy. Recently, one author criticized the field of small animal theriogenology for relying almost exclusively on case reports for some relatively common diseases. However, various authors have argued that case reports can provide useful information for clinicians. One study suggested that some 25% of case reports and case series published in a high-impact medical journal (Lancet) resulted in subsequent, larger studies. Reporting guidelines for case reports exist, providing a checklist for authors to ensure that they include important information.

The volume of scientific literature is growing – some have described this as a ‘paper glut’. Most of this requires peer review. Multiple editorials have claimed that successfully recruiting critical and incisive reviewers is increasingly difficult, although few studies have evaluated these claims. The average number of reviewer invitations sent by journals to garner the required number of reviewers has increased for several scientific journals, as has the number of manuscripts requiring >8 reviewer invitations. Conversely, the median frequency of reviewers accepting invitations to review has dropped. However, not all editors accept the premise that reviewers are becoming more scarce. Reasons that reviewers give for declining an invitation to review include ‘lack of time’, ‘excessive number of invitations’, ‘lack of expertise in the area of the manuscript’, ‘conflicts of interest’ and, to a lesser extent, ‘quality of the study’. Consequently, editors could view reviewers as a scarce and valuable resource, to be preserved and utilized where most appropriate. In essence, they could view the issue as a cost-benefit economic analysis. Similarly, reviewers who feel that they receive too many requests can do a cost-benefit analysis, based on the ‘return on investment’ for doing any particular review. Finally, authors themselves could determine whether a case report positively affects metrics that institutional administrators might use to determine promotion or reward.

Do case reports provide sufficient scientific content to justify the expense of precious reviewer time and energy, or should they be published without review? Do they allow the reviewer to do more than mostly critique the style, language and grammar? Do they benefit most readers of a journal? How do they affect journal-associated and author-associated metrics? If they do not warrant review, what alternatives exist?

 

Author: Mark Rishniw. 
Full article: https://doi.org/10.1016/j.tvjl.2020.105517

 
Publicado: 2020-08-11
 

How to review articles

 


By SAGE Publishing.

 

For the inexperienced or first time reviewer the peer review process can seem like a daunting one. Below we present some advice and guidance about how to conduct a review and put together a reviewer report that will be effective and beneficial to authors.

Identity – Sometimes a reviewer will want to involve junior researchers in the review of an article as it can be good practice and experience for that person. However, you should ensure that you obtain permission from the journal editor prior to accepting the invitation to review. The names of everyone involved in doing the review should be submitted to the editor so that the journal records accurately reflect the review process that took place. Full guidelines for peer reviewers can be found on the Committee on Publication Ethics website here.

Timeliness – We understand that our reviewers are busy so it won’t always be possible for invitations to be accepted. Please let us know as soon as possible if they need to refuse a review or if a problem arises after the invitation has been accepted. Most journal editors are grateful to receive suggestions about someone else that might be suitable to do the review if you have to decline the invitation.

Conflict of Interest – It is important to highlight to the journal editor any conflict of interest that you feel might occur if you review the paper. Please do so as discretely and as quickly as possible.

Discussion – It is important to discuss with the journal editor any concerns that you have about the paper or their specific requirements for review if you are being invited to review for the first time. Editors are usually open to discussing their expectations and journal requirements with reviewers.

Ethics – Read the COPE guidelines for peer reviewers and visit the Ethics page of this Reviewer Gateway for more information about ethics matters related to peer review. Watch our Peer Review Ethics video for information on ethical considerations when conducting peer review.



Read the full text here.

 
Publicado: 2020-04-23
 

How to identify and quantify pain due to dental disorders in horses?

 


Dental disorders can cause discomfort and chronic pain, affecting the athletic performance and welfare of the horses. However, dental disorders may not be manifested with recognizable clinical signs and may, therefore, lead to late diagnosis or care. Accurate recognition and adequate quantification of pain in horses is essential for the correct diagnosis and management of different painful conditions. Diverse models of systematic identification of pain have been described for many conditions in horses using vital parameters (heart rate, respiratory rate), behavioral evaluation, endocrine measurements, and facial expression. Pain scales based on facial expression changes have been developed for humans and other species, gaining prominence in equine medicine since it proved to be a sensitive tool that is easy to apply with a little investment of time and training, and high reliability within and between observers.

The present study aimed to evaluate the effect of dental disorders on equine welfare by analyzing the equine facial expression using the Horse Grimace Scale (HGS). Six different facial characteristics were evaluated in 33 adult horses, both males and females, that were regularly involved in sports or working activities. While two of the subjective evaluators identified an improvement, the other two did not. In conclusion, dental disorders result in discomfort or pain and modify the facial expression of the horses. The HGS is reliable for the identification and quantification of pain associated with dental disorders either by face-to-face evaluation or by evaluation of photographs. However, these images are not suitable for subjective evaluation.

Pesquisa realizada no Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal (PPGCA/PUCPR), de coautoria de dois coeditores da Revista Acadêmica Ciência Animal, Prof. Pedro Michelotto e Tâmara Duarte Borges, foi recentemente publicado na revista Applied Animal Behaviour Science e está disponível em: https://doi.org/10.1016/j.applanim.2020.104970

 
Publicado: 2020-04-23
 

Juvenile osteochondral conditions in yearling thoroughbred racehorses

 


In Brazil, the equestrian industry generates about US$ 4.0 billion per year, employs around 610,000 people directly and indirectly, and involves about 5 million horses. The state of Parana in southern Brazil is the second largest breeding center of Thoroughbred (TB) racehorses in the country. Thoroughbred racehorses have a great number of regions in the musculoskeletal system that could potentially encounter problems requiring veterinary medical attention, which can affect their performance and limit their sports career. Among them, joint diseases are particularly important and may occur during skeletal development (osteochondrosis and bone cysts) or because of excessive acute impact or repetitive strain resulting from training and racing. Juvenile osteochondral conditions (JOCCs) encompass osteochondrosis, avulsion fractures of the ossifying epiphyseal or metaphyseal bone, and physitis in young horses.

This study demonstrates the prevalence of radiographic findings related to JOCCs in Brazilian TB yearlings. Most of the radiographic findings observed in the TB weanlings were maintained or worsened as yearlings, but there were a few improvements and even resolutions. 

Mais uma pesquisa realizada no Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal (PPGCA), da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), disponível na íntegra em: https://doi.org/10.1016/j.jevs.2020.102997

 
Publicado: 2020-04-23
 

Highlight negative results to improve science

 

By Devang Mehta, via Nature.


Data from a 2012 study of more than 4,000 published papers show that scientific literature as a whole is trending towards more positivity. The study’s author, Daniele Fanelli, found that the frequency at which papers testing a hypothesis returned a positive conclusion increased by more than 22% from 1990 to 2007. By 2007, more than 85% of published studies claimed to have produced positive results. Fanelli concluded that scientific objectivity in published papers is declining.

When negative results aren’t published in high-impact journals, other scientists can’t learn from them and end up repeating failed experiments, leading to a waste of public funds and a delay in genuine progress. At the same time, young scientists like me are bombarded with stories only of scientific success, at conferences and in journals, leading to an exacerbation of ‘imposter syndrome’ when our own work doesn’t match these expectations.

The pressure to publish a positive story can also lead scientists to spin their results in a better light, and, in extreme instances, to commit fraud and manipulate data. In fields such as biotechnology and genomics, social scientists have already pointed out that hyping up the science could foster unrealistic expectations in an already sceptical public, counter-intuitively leading to greater distrust when real-world advances come at a slower pace.

The problem is worsened by funding agencies that reward only those researchers who publish positive results, when, in my view, it’s the scientists who report negative results who are more likely to move a field forward.

We need reviewers and publishers to commit to publishing negative results in their journals. We need academic conferences to embrace honest discussions of failed experiments. We need funding agencies to support scientists who produce sound negative results. And, as scientists, we must acknowledge that all important work should be recognized, irrespective of its outcome.



Read the full text here

 
Publicado: 2020-02-20
 

Novo estudo: termografia no acompanhamento de cavalos atletas

 



Uma pesquisa realizada no Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal (PPGCA) da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e de coautoria de dois coeditores da Revista Acadêmica Ciência Animal, Profs. Pedro Michelotto e Gervásio Bechara, foi recém-publicada no Journal of Equine Veterinary Science. O estudo demonstra o uso da termografia infravermelha no acompanhamento de cavalos de corrida em treinamento e seu valor preditivo, possibilitando entender e antecipar alterações musculoesqueléticas relacionadas à adaptação ao treinamento.

O artigo intitulado Infrared thermography applied to monitoring musculoskeletal adaptation to training in Thoroughbred race horses pode ser acessado na íntegra em: https://doi.org/10.1016/j.jevs.2020.102935

 
Publicado: 2020-01-29
 

Resistência à ciência

 

via Pesquisa FAPESP





A ciência vive uma crise de confiança. Em sociedades polarizadas, nas quais notícias falsas e teorias da conspiração se propagam com rapidez pelas redes sociais, o conhecimento científico tornou-se alvo frequente de ataques que reverberam em grupos com crenças ou interesses políticos ou econômicos contrariados – ou simplesmente com baixo letramento. Os efeitos desse fenômeno estão ressaltados em um levantamento publicado em julho e realizado em 144 países, inclusive no Brasil, para conhecer a visão, o interesse e o grau de informação sobre assuntos ligados à ciência e tecnologia (C&T). Executado pelo Instituto Gallup por encomenda da organização britânica Wellcome Trust, o estudo ouviu mais de 140 mil pessoas e verificou que, no caso dos brasileiros, 73% desconfiam da ciência e 23% consideram que a produção científica pouco contribui para o desenvolvimento econômico e social do país. Tal nível de descrédito não é uma exclusividade do Brasil e afeta nações desenvolvidas como França e Japão, onde 77% dos entrevistados também declaram desconfiar da ciência.

O relatório
Wellcome global monitor constatou ainda que a percepção e o engajamento dos brasileiros em relação à ciência são influenciados por crenças religiosas. Quase metade dos entrevistados disse que “a ciência em algum momento foi contra minhas convicções religiosas”, e, nesse grupo, três quartos afirmaram que “quando ciência e religião discordam, escolho a religião”. Tendência semelhante foi observada nos Estados Unidos, onde a ciência em algum momento confrontou as concepções religiosas de 59% dos entrevistados - destes, 60% ficaram com a religião.


Continue lendo aqui.

 
Publicado: 2020-01-27
 

Are scientific editors reliable gatekeepers of the publication process?

 

By Richard B. Primack, Danielle Descoteaux, Vincent Devictor, Laurent Godet and Lucy Zipf, via Elsevier.



The scientific community assumes the publication process is reliable and fair, with the best papers being published only after rigorous review. Scientific editors act as “gatekeepers” in this publishing process, deciding whether a paper is even sent out for peer review, or alternatively “desk rejected”, that is returned to the author without peer review. While the review process has been extensively investigated - for example to determine reviewer consistency, and whether reviewers exhibit gender bias - as far as we know, the topic of editor consistency has never been experimentally examined. Do editors make arbitrary decisions on which papers to send out for review and which ones to desk reject? Or is there consistency in what editors decide to do?

We addressed these questions in respect of manuscripts submitted to the journal Biological Conservation, and the results of our study were recently published in the journal. We are reasonably confident, however, that the results are likely to apply to other scientific journals.

Overall, we found that editors are reasonably consistent in their decisions to send a paper out for review, or to desk reject it, and that they agreed with past decisions. However, disparities in agreement with decisions reveal the unsurprising subjectivity editors bring to the process. We are pleased that this study has demonstrated a significant degree of consistency in the peer review system in the area of editorial decision-making, but we see some room for improvement. One way in which we believe the process could be reinforced is by encouraging editors to seek the opinion of one or two additional editors before making a decision on papers that are not obvious candidates for either review or rejection. Whilst this would slow down the decision process for these papers, it seems reasonable that doing so would add an additional layer of rigor to the decision-making.


Read the full text here.

 
Publicado: 2020-01-23
 

Avaliação por pares não é apenas controle de qualidade, é parte integrante da infraestrutura social da pesquisa

 

Por Flaminio Squazzoni, via SciELO.



A avaliação por pares tem uma péssima fama nas mídias sociais e na imprensa. Digite “avaliação por pares é…” na pesquisa do Google e entre os primeiros resultados encontrados está “a avaliação por pares está falida”. Parece que a avaliação por pares é agora um dos meios mais populares através do qual a frustração acadêmica encontra uma maneira de se expressar. A hipercompetição e a cultura dominante de “publique ou pereça” (publish or perish) na academia não ajudam.

Acredito que isso também revela um profundo mal-entendido sobre o que realmente é esta instituição. Por exemplo, a visão geral é de que a avaliação por pares é um mecanismo de triagem de qualidade para os periódicos acadêmicos e é frequentemente estudada como tal. Em resumo, se os manuscritos tivessem uma qualidade objetiva intrínseca, pareceristas e editores precisariam ser suficientemente inteligentes, desinteressados e imparciais para reconhecê-la. 


No entanto, a avaliação por pares também é algo mais, se não algo completamente diferente, em primeira instância. Além de ser um dispositivo de controle de qualidade, a avaliação por pares é um esforço distribuído para reconhecer e aumentar o valor dos manuscritos e, portanto, é inerentemente “construtivo”. É simultaneamente um contexto no qual especialistas desenvolvem, adaptam e impõem padrões de julgamento, uma forma de conexão e cooperação (direta e indireta), um discurso disciplinado e mediado entre especialistas (geralmente não relacionados) em um ambiente “seguro” (embora muitas vezes desorganizado e ambíguo). E, portanto, é inerentemente “social”. Se isso for verdade, a avaliação por pares não pode ser vista como um “jogo de adivinhação” sobre a qualidade objetiva dos manuscritos. Ao contrário de uma ação, como pessoas que adivinham o peso de um boi, que tanto fascinou o cientista britânico Francis Galton no início dos anos 1900, não há peso ou valor pré-estabelecido e inequívoco que possa ser atribuído a um trabalho de pesquisa.


Continue lendo aqui.
Original in English here.

 
Publicado: 2020-01-23
 

Verificação CRediT - Devemos adotar ferramentas para diferenciar as contribuições em trabalhos acadêmicos?

 

Por Elizabeth Gadd, via SciELO.



Incluir seu nome em um artigo de periódico é o prêmio máximo para um acadêmico aspirante. Não apenas ele inclui o artigo em seu currículo (que pode literalmente ser dinheiro no banco), mas uma vez incluído, todas as citações subsequentes são acumuladas para cada coautor igualmente, independentemente da natureza de sua contribuição.

No entanto, como demonstra este tweet, ter seu nome incluído em um artigo de periódico não é o mesmo que ter (a) feito a maior parte da pesquisa e/ou (b) ter realmente escrito o artigo de periódico. E há muita frustração sobre falsas reivindicações de crédito. A autoria concedida, autoria fantasma, autoria comprada e discussões sobre a ordem dos autores em uma publicação são frequentes. Para resolver estes problemas, há orientações úteis de organizações como o International Committee of Medical Journal Editors (ICMJE), a British Sociological Association e o Committee on Publication Ethics (COPE) sobre o que constitui autoria. Talvez o mais significativo seja que, em 2014, presenciamos o lançamento da Taxonomia da Função de Contribuidor CASRAI (CASRAI’s Contributor Role Taxonomy), CRediT.

O CRediT tem por objetivo garantir que todos aqueles atribuídos em um artigo sejam reconhecidos por sua contribuição. Como tal, vai um passo além da orientação e fornece uma maneira estruturada para os autores declararem suas várias contribuições. Ele lista 14 funções de contribuidor, algumas das quais você pode antecipar (redação, análise) e outras que você pode não conhecer (como, por exemplo, prover recursos de estudo e administrador de projeto). E, embora não impeça que alguém seja nomeado quando não deveria nomeado, nem garanta que todos sejam nomeados como deveriam ser nomeados, torna as omissões um pouco mais difíceis – e por isso foi altamente elogiado.

Entretanto, ainda tenho algumas perguntas sobre o CRediT.


Continue lendo aqui.
Original in English here.

 
Publicado: 2020-01-23
 

XV Encontro Regional Sul de Ciência e Tecnologia de Alimentos

 

28-29 nov 2019 - Curitiba, PR



É com grande satisfação que apresentamos o XV ERSCTA - Encontro Regional Sul de Ciência e Tecnologia de Alimentos, com o tema central "Caminhos da produção de alimentos: Biodiversidade e Inovação".

O evento foi organizado pela Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos - Regional Paraná, em parceria com a Universidade Federal do Paraná, Pontifícia Universidade Católica do Paraná e Universidade Tecnológica Federal do Paraná. O ERSCTA vem sendo organizado pela sbCTA-PR desde 1999 e tem contado com a participação de profissionais, estudantes de graduação e pós-graduação, professores, pesquisadores, empresários de vários estados brasileiros, além de representantes de países vizinhos.

A edição deste ano propiciou a exposição e discussão das mais novas tendências do mercado, nos formatos de mesas redondas, palestras e apresentação de pôsteres. A programação científica contou com áreas temáticas em Ciência, Tecnologia e Engenharia de Alimentos, como: processo e desenvolvimento de produto, qualidade dos alimentos, química e bioquímica, embalagem, métodos analíticos, microbiologia, biotecnologia, micotoxicologia, resíduo agroindustrial, meio ambiente, inovação, ensino e pesquisa.

 

ANAIS CIENTÍFICOS

 
Publicado: 2019-12-17
 

I Simpósio Internacional & III Simpósio Paranaense de Saúde Única

 

9-10 out 2019 - Curitiba, PR



A Comissão Estadual de Saúde Única (CESU) do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado do Paraná (CRMV-PR), junto ao ao Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), organizou o I Simpósio Internacional e III Simpósio Paranaense de Saúde Única, que ocorreu nos dias 9 e 10 de outubro na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Contando com a participação de agências especializadas das Nações Unidas (ONU), organizações internacionais, universidades renomadas, Governo Federal, Estadual e Municipal (Paraná), o evento teve como objetivo melhorar a conscientização, capacidade entre as instituições (governamentais e privadas) e colaboração multisetorial para assuntos abordados dentro do conceito de saúde única (one health) no Brasil,como também compartilhar conhecimento e lições aprendidas, provenientes de experiências de aspecto internacional entre os participantes.

O conceito de saúde única (one health) é definido como o esforço colaborativo multiprofissional e multisetorial dentro das áreas da ciência e da saúde aplicado a nível local, nacional e internacional, buscando promover a saúde dos seres humanos, animais, plantas e meio ambiente. O conceito é apoiado pela Tríplice Aliança, formada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), Organização das Nações Unidas da Agricultura e Alimentação (FAO) e Organização Internacional de Saúde Animal (OIE), que promove a interface entre as instituições que regem a saúde animal, humana e ambiental.

 

ANAIS CIENTÍFICOS

 
Publicado: 2019-12-17
 

XIX Congresso Nacional e I Congresso Internacional ABRAVES

 

22-24 out 2019, Toledo, PR



A Associação Brasileira de Veterinários Especialistas em Suínos - Regional Paraná (ABRAVESPR) realiza anualmente o Encontro Regional no mês de março. Em 2018, o encontro foi marcado pelo rico caráter científico e a expressiva participação dos profissionais, acadêmicos e empresas de grande importância no setor.

Em 2019, o encontro regional deu lugar ao XIX Congresso Nacional Abraves e I Congresso Internacional Abraves. Com o tema "O futuro mercado de suínos, fundamentado pelo conhecimento e pela ciência", o evento discutiu importantes temas para a cadeira produtiva de suínos, proporcionando trocas de experiências e informações, além de reunir empresas, produtores, consumidores e comunidade científica, envolvendo toda a cadeia produtiva da suinocultura.



ANAIS CIENTÍFICOS 
 
Publicado: 2019-12-17
 

XX Conferência Anual ABRAVEQ

 

5-7 jul 2019 - São Paulo, SP



É uma grande satisfação dar-lhes as boas-vindas à XX Conferência Anual da ABRAVEQ, o maior e mais tradicional evento de medicina equina do Brasil. Realizada na cidade São Paulo, metrópole multifacetada, vanguardista e inovadora, a edição de 2019 comemora os 30 anos da associação e os 100 anos da Universidade de São Paulo.

Fundada em 1989, a ABRAVEQ tem como objetivo a integração entre os profissionais veterinários atuantes em equinos em todo o Brasil e, desde sua fundação, tem trabalhado no sentido de trazer conhecimento técnico e científico à area. Desta forma, além de palestras com nomes renomados nacionais e internacionais do segmento, nesta edição os profissionais puderam inscrever trabalhos científicos e participar dos treinamentos e cursos práticos (wetlabs) pré-conferência. Foram cinco dias de muito conhecimento e de muita integração profissional, reunindo cerca de 1300 profissionais.

 

ANAIS CIENTÍFICOS 

 
Publicado: 2019-12-17
 

XI Congreso de la ALEPRyCS

 

 4-7 jun 2019 - Querétaro, México



Estimados amigos y colegas todos, es un placer estar reunidos otra vez y tener la oportunidad del reencuentro, o de encuentros nuevos, de la discusión y enriquecimiento de los diferentes temas que nos apasionan, y aquí nos reúnen, esto es, la producción y el desarrollo de esos grandes animales llamados pequeños rumiantes y camélidos sudamericanos, que nos han obligado a cruzar fronteras que deberían ser inexistentes y que en realidad los son, para que este grupo de amigos viejos y nuevos, nos encontremos, y disfrutemos e intercambiemos de las experiencias y conocimientos expuestos, lo cual estoy más que seguro nos aportará grandes momentos y reflexiones, y una herramienta más para el desarrollo de nuestra Latinoamérica, en beneficio de ese pequeño productor que depende de la leche, la carne, la piel , el abono y el pelo aportado por estos nobles animales.


En está ocasión la ALEPRyCS (Asociación Latinoamericana de Pequeños Rumiantes y Camelidos Sudamericanos), ha arropado en su congreso bianual a la IGA (International Goat Association) en la realización de su primer congreso Latinoamericano, y a la asociaciones Mexicanas de especialistas en pequeños rumiantes tales como la AMPCA (Asociación Mexicana de Producción Caprina),la AMTEO (Asociación Mexicana de Especialistas en Ovinos) y la AMMVECA (Asociación Mexicana de Médicos Veterinarios Especialistas en Caprinos), en la realización de su encuentro anual, ha sido un gran placer reafirmar que al presentarse esta idea, todos estuvieran de acuerdo y participaran de una forma muy activa, lo que demuestra que las cabras, ovejas y camelidos así como los que trabajamos con ellos, también somos uno solo, y más si se trata de nuestra Latinoamérica, que hoy no vive su mejor momento.

 

EDICIÓN COMPLETA 

 
Publicado: 2019-05-22
 
1 a 15 de 15 itens