Gleichschaltung: o princípio do totalitarismo em Ernst Cassirer

Rafael Garcia

Resumo


O presente texto tem por objetivo discutir a concepção de totalitarismo na obra de Ernst Cassirer, buscando compreender de que modo ela pode ser entendida essencialmente como a efetivação de uma Gleichschaltung, na acepção que esse termo recebeu no pensamento nazista, ou seja, de uma coordenação no sentido de uma uniformização que tinha por objetivo a eliminação de todas as outras formas de vida social e cultural e suas distinções. Serão três as nossas aproximações com a questão do totalitarismo em Cassirer. Iniciaremos com a consideração do lugar do mito na reflexão política de Cassirer, presente desde seus primeiros artigos sobre política da última fase de sua produção teórica (a partir de 1935), mas que ganha especial destaque em sua última obra preparada em vida, O mito do Estado (1946). A partir disso, procuraremos compreender as técnicas dos mitos políticos modernos, nome do capítulo nevrálgico d’O mito do Estado e conceito mais caro desenvolvido nessa obra, considerando em que medida elas podem ser tomadas como necessárias e ou suficientes para o estabelecimento da Gleichschaltung, termo empregado pelo próprio regime nazista que, segundo o uso feito por Cassirer, sintetiza o modo pelo qual o totalitarismo institui uma atmosfera mítica na sociedade, condição necessária para sua eficácia. Assim, pensamos poder responder à frequente questão no estudo do pensamento político de Cassirer, sobre se sua concepção de totalitarismo foi pensada e pode ser aplicada a outras experiências totalitárias que não a do nazismo, exemplo maior de sua reflexão nos anos do governo de Hitler.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.7213/aurora.28.043.AO02

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.