Economicidade da Técnica e Tecnicidade na Economia Neoclássica: uma Interlocução com Heidegger

Antônio José Nascimento

Resumo


O presente artigo sustenta que é plausível se fazer derivar da analítica da técnica em Heidegger uma economicidade que radica no nexo metafísico-produtivista do caráter ontológico de ‘des-ocultação’ (Un-verborgenheit) da figura da técnica moderna, a qual, por sua vez, atua tanto na gênese da ciência moderna quanto na constituição mesma da economics como dictum racionalizador do incondicionado da vontade de poder da técnica. Não por acaso, a economics leva a cabo a conversão do homem em demandante compulsivo, em subjectum autodeterminado de uma vontade de querer propiciadora da exploração abusiva, razão por que se argumenta aqui em defesa da ideia de uma tecnicidade outra no interior do arcabouço teórico da vertente neoclássica.

Palavras-chave


Economia Neoclássica. Técnica. Heidegger. Metafísica. Modernidade.

Texto completo:

PDF

Referências


CARRASCOSO, J. L. A. Subjectividad racional y cogito cartesiano. Actas do Colóquio Internacional, Porto, p. 75-94, 1998.

CEREZO, P. Metafísica, técnica y humanismo en Martin Heidegger. UIB, n. 13-14, p. 31-63, 1990.

CORDUA, C. Filosofía a destiempo. Santiago de Chile: Ril Editores, 1999.

ESCALANTE, E. Breve introducción al pensamento de Heidegger. México: Universidad Autónoma Metropolitana, 2007.

GALIMBERTI, U. Il tramonto dell’Occidente: nella lettura di Heidegger e Jaspers. 5. ed. Milano: Feltrinelli, 2010.

HAAR, M. Heidegger and the essence of man. Trans. William McNeill. Albany: State University of New York Press, 1993.

HEIDEGGER, M. La questione de la tecnica. Trad. Gianni Vattimo. In: Saggi e discorsi. Milano: Mursia, 1991.

HEIDEGGER, M. Contributions to philosophy (From Enowning). Trans. Parvis Emad and Kenneth Maly. Bloomington: Indiana University Press, 1999.

HEIDEGGER, M. O tempo da imagem do mundo. Trad. Alexandre F. de Sá. In: Caminhos de Floresta. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2012a.

HEIDEGGER, M. Para quê poetas?. Trad. Bernhard Sylla & Vítor Moura. In: Caminhos de floresta. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2012b.

HELD, K. La serenidad como virtud de la época de la técnica. In: XOLOCOTZI, A. & GODINA, C. (Coords.). La Técnica: ¿orden o desmesura? México: Publidisa Mexicana, 2009. p. 15-28.

KOCKELMANS, J. Heidegger and Science. Boston: University Press of America, 1985.

LACK, A. Martin Heidegger on Technology, Ecology, and the Arts. New York: Palgrave Macmillan, 2014.

NASCIMENTO, A. J. Metafísica e racionalidade tecnocientífica em Marcuse. Revista PHILIA (Filosofia, Literatura & Arte), v. 2, n. 1, p. 58-90, jun. 2020.

NUNES, B. História e ontologia (da essência da técnica). In: CASANOVA, M. A.; MELO, R. F. (Orgs.). Fenomenologia hoje IV. Rio de Janeiro: Via Verita, 2013.

PERAITA, C. S. Hermenéutica de la vida humana: en torno al “Informe Natorp” de Martin Heidegger. Madrid: Trotta Editorial, 2002.

PÖGELLER, O. Martin Heidegger’s path of thinking. Trans. D. Magurshak & S. Barber. Atlantic Highlands, NJ: Humanities Press International, 1990.

POLANYI, K. A subsistência do homem e ensaios correlatos. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

RONCAGLIA, A. The wealth of nations: a history of economic thought. Trans. Alessandro Roncaglia. Cambridge: Cambridge University Press, 2005.

ROUSE, J. A filosofia da ciência de Heidegger. Trad. Laura M. do Nascimento. Ekstasis: revista de hermenêutica e fenomenologia, v. 3, n. 2, p. 171-193, 2014.

THIELE, L. P. Martin Heidegger e a política pós-moderna: meditações sobre o tempo. Trad. Ana Matoso Mendes. Lisboa: Piaget, 1998.

VATTIMO, G. Diálogo com Nietzsche. Trad. Silvana Cobucci Leite. São Paulo: Martins Fontes, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1980-5934.32.057.AO06

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.