NATURAL OU TRANSCENDENTAL: SOBRE O CONCEITO LEBENSFORM EM WITTGENSTEIN E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A ÉTICA

Darlei Dall’Agnol

Resumo


O presente trabalho examina o conceito forma-de-vida nas Investigações Filosóficas de Wittgenstein e discute algumas de suas implicações éticas. Primeiramente, reconstrói as interpretações naturalistas e transcendentais dessa noção. Além disso, o trabalho sustenta, a partir de uma exegese cuidadosa do texto de Wittgenstein e, principalmente, de um esclarecimento sobre a natureza da atividade filosófica, que o conceito forma-de-vida desempenha uma função gramatical que não é nem estritamente empírica (portanto, a leitura naturalista está errada) nem transcendental no sentido forte, pois embora seja uma pré-condição do sentido, a própria gramática é parte das práticas humanas estando, por conseguinte, sujeita a mudanças. Desse modo, a leitura transcendentalista também estaria errada. Finalmente, o artigo discute as implicações éticas dessa nova interpretação.

Texto completo:

PDF

Referências


CRARY, A.; READ, R. (Ed.). The new Wittgenstein. London: Routledge, 2001.

DALL’AGNOL, D. Proposições fulcrais: as observações de Wittgenstein sobre

seguir regras e a semântica transcendental. Kant E-prints, Campinas, v. 4, n. 1, p. 1-17, 2006a.

______. Jogos morais de linguagem. In: MORENO, A. R. (Org.). Wittgenstein: ética, estética, epistemologia. Campinas: Ed. da Unicamp, 2006b. v. 43. p. 59-79.

DIAMOND, C. The realist spirit: Wittgenstein, philosophy and the mind. Massachusetts: The MIT Press, 1995.

ELLIOT, C. A philosophical disease: bioethics, culture and Identity. New York; London: Routledge, 1999.

______. Slow Cures and bad philosophers: Essays on Wittgenstein, medicine and bioethics. Durham; London: Duke University Press, 2001.

GARVER, N. Naturalism and transcendentality: the case of ‘form of life’. In: TEGHRARIAN, S. Wittgenstein and contemporary philosophy. Bristol: Thoemmes Press, 1994. p. 41-69.

GLOCK, J. H. Dicionário Wittgenstein. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

______. Wittgenstein: a critical reader. Oxford: Blackwell, 2001.

HABERMAS, J. M. Consciência moral e agir comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1989.

HACKER, P. M. S. Wittgenstein’s place in twentieth-century analytic philosophy. Oxford: Blackwell, 1996.

HALLER, R. Wittgenstein e a filosofia austríaca: questões. São Paulo: EDUSP, 1990.

HOLTZMAN, S.; LEICH, C. Wittgenstein: to follow a rule. London: Routledge & Kegan Paul, 1981.

HUDSON, W. D. Modern moral philosophy. London: MacMillan, 1983.

LOPARIC, Z. Ética originária e praxis racionalizada. In: DALL’AGNOL, D. Verdade e respeito: a filosofia de Ernst Tugendhat. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2008. p. 262-344.

LOVIBOND, S. Realism and imagination in ethics. Oxford: Blackwell, 1983.

MACHADO, A. N. Lógica e forma de vida. São Leopoldo: Ed. da Unisinos, 2007.

MONK, R. Wittgenstein. the duty of genius. London: Penguin, 1990.

RHEES, R. (Org.). Recuerdos de Wittgenstein. México: Fondo de Cultura Económica, 1989.

SINGER, P. Animal Liberation. New York: Avon Books, 1990.

TUGENDHAT, E. Vorlezungen über Ethick. Frankurt am Main: Suhrkamp, 1994.

WILLIAMS, B. Moral Luck: philosophical papers 1973-1980. Cambridge: Cambridge University Press, 1991.

WINCH, P. The idea of a social science and its relation to philosophy. London: Routledge & Kegan Paul, 1958.

WITTGENSTEIN, L. Philosophical investigations. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall, 1958.

______. Remarks on the philosophy of psychology. Oxford: Blackwell, 1980.

______. Werkausgabe in 8 Bänden. Frankfurt: Suhrkamp, 1989.

______. Über Gewiâheit/Da Certeza. Edição bilíngüe. Lisboa: Edições 70, 1990.

______. Vermischte Bemerkungen/Ludwig Wittgenstein: culture and value. Tradução de Peter Winch, G. H. Von Wright & Heikki Nyman. Oxford: Blackwell, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v21i29.2575

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.