A intuição categorial, o problema das categorias e a doação do ser

Marcos Aurélio Fernandes

Resumo


Este texto pretende expor o significado da descoberta fenomenológica da intuição categorial, feita por Husserl, para o tradicional problema das categorias e para o novo encaminhamento da questão do ser, que se deu com a investigação e meditação de Heidegger. Expõe o contexto em que a descoberta foi realizada: o do esclarecimento do conhecimento em referência ao modo de captação do ente em seu ser, a partir da sensibilidade e do entendimento. Indica como o método fenomenológico transcendental, através da tematização da intencionalidade, com sua análise noético-noemática, possibilitou uma retomada do problema das categorias numa nova luz. Seguindo pela via da analogia, aponta-se que o categorial se dá propriamente numa intuição, assim como o sensível, embora de modo diverso. A descoberta da intuição categorial indica que o categorial é mais do que forma. É uma verdadeira e própria datidade. Nela e com ela acontece uma genuína doação do ser. Tradicionalmente, o lógos apophantikós serviu de fio condutor para o tratamento do problema das categorias, as determinações universais do ser. Assim, os modos de ser são estabelecidos a partir dos modos do falar e dizer. Também em Kant é com base na estruturação dos juízos que Kant deduz as categorias. Mas com a descoberta da datidade da intuição categorial a doação do ser se liberta do juízo. Com isso, o contexto da descoberta, a da elucidação fenomenológica do conhecimento, e a via de sua realização, a da analogia, podem ser superados, em favor da abertura do arquifenômeno do ser.


Palavras-chave


intuição categorial, categoria, ser, fenomenologia

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTOTELES. Anima (testo greco a fronte). Milano: Rusconi, 1998.

HEIDEGGER, M. Seminare (GA 15). Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 1986.

HEIDEGGER, M. Kant und das Problem der Metaphysik. Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 1991.

HEIDEGGER, M. Die Grundprobleme der Phänomenologie (GA 24). Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 1997.

HEIDEGGER, M. Heráclito: a origem do pensamento ocidental. Lógica: a doutrina heraclítica do lógos. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1998.

HEIDEGGER, M. Conferências e escritos filosóficos. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

HUSSERL, E. Logische Untersuchungen: Elemente einer phänomenologischen Aufklärung der Erkenntnis. Tübingen: Max Niemeyer, 1993.

KANT, I. Kritik der reinen Vernunf (Kants Werke III). Berlin: Walter de Gruyter & Co., 1968.

LEÃO, E. C. Aprendendo a pensar I: o pensamento na modernidade e na religião. Teresópolis: Daimon, 2008.

ROMBACH, H. Die Gegenwart der Philosophie. Die Grundprobleme der abendländischen Philosophie und der gegenwärtige Stand des philosophischen Fragens. Freiburg / München: Karl Alber, 1988.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1980-5934.31.053.DS10

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.