O idealismo transcendental segundo Schopenhauer: de Berkeley para além de Kant

Dax Moraes

Resumo


Sabe-se que Schopenhauer louva Berkeley como um grande idealista ao lado de Kant, seu principal inspirador. Schopenhauer, por sua vez, não segue o caminho kantiano, antes elaborando uma dura crítica da Analítica Transcendental e reformulando profundamente a doutrina do conhecimento intuitivo. De Berkeley, Schopenhauer toma a tese de que “ser é ser percebido”, que, em suas palavras, corresponde à sentença “o mundo é minha representação”. Apesar disso, são poucas as vezes em que Berkeley é mencionado por Schopenhauer ainda que se trate de importantes ocasiões. Isso talvez possa servir como explicação para o estranho fato de ser tão raro encontrar o nome de Berkeley nos estudos sobre a metafísica ou a teoria do conhecimento de Schopenhauer, exceto como casuais alusões àquelas breves menções. Diante disso, o presente artigo consiste em uma introdução à seguinte tese: o idealismo transcendental de Schopenhauer desenvolve o pensamento berkeleyano, utilizando-se do ponto de vista kantiano, de maneira a levar este último à consequência que Kant teria querido evitar.


Palavras-chave


Idealismo transcendental; Imaterialismo; Representação; Percepção.

Texto completo:

PDF

Referências


BERKELEY, G. Obras filosóficas. Trad. Jaimir Conte. São Paulo: UNESP, 2010.

BRANDÃO, E. A concepção de matéria na obra de Schopenhauer. São Paulo: Humanitas, 2009.

BRANDÃO, E. Schopenhauer, leitor de Schulze: a questão do dogmatismo. In: FONSECA, E. R. et al. Dogmatismo & antidogmatismo: filosofia crítica, vontade e liberdade. Uma homenagem a Maria Lúcia Mello e Oliveira Cacciola. Curitiba:

UFPR, 2015. p. 213-224.

BRUM, J. T. O pessimismo e suas vontades: Schopenhauer e Nietzsche. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

CACCIOLA, M. L. M. e O. Schopenhauer e a questão do dogmatismo. São Paulo: EDUSP, 1994.

CARTWRIGHT, D. E. Historical dictionary of Schopenhauer’s philosophy. Lanham (Maryland): Scarecrow, 2005. (Historical Dictionaries of Religions, Philosophies, and Movements, 55).

CAYGILL, H. Dicionário Kant. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2000.

KANT, I. Crítica da razão pura. Trad. Fernando Costa Mattos. 3. ed. Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista: EDUSF, 2013. (Coleção Pensamento Humano).

JAPIASSÚ, H.; MARCONDES, D. Representação. In: JAPIASSÚ, H.; MARCONDES, D. Dicionário básico de filosofia. 3. ed. rev. ampl. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1996. p. 235 .

MOREIRA, F. de S. Schopenhauer entre Locke e Berkeley. Argumentos: Revista de Filosofia ‒ Programa de Pós-Graduação da UFC. Fortaleza, v. 2, n. 3, p. 59-69, jan.-jun. 2010. Disponível em: < http://www.periodicos.ufc.br/argumentos/

article/view/18948 >. Acesso em: 23 dez. 2017.

SCHOPENHAUER, A. Sämmtliche Werke. Ed. Julius Frauenstädt. Leipzig: Brockhaus, 1877. 6 v.

SCHOPENHAUER, A. Arthur Schopenhauers Sämtliche Werke in 12 Bänden. Miteiner Einleitung von Dr. Rudolf Steiner. Stuttgart: Cotta, 1894-1896.

SCHOPENHAUER, A. Sämtliche Werke. Edição e comentários críticos por Wolfgang Frhr. von Löhneysen. Stuttgart; Frankfurt am Main: Cotta-Insel, 1960-1965. 5 v.

SCHOPENHAUER, A. De la quadruple racine du principe de raison suffisante.

Trad. para o francês por F.-X. Chenet. Introduções e comentários de F.-X. Chenet e M. Piclin. Paris: J. Vrin, 1991. Edição completa, contendo a versão original de 1813 e a definitiva de 1847. (Bibliotèque des Textes Philosophiques).

SCHOPENHAUER, A. Sobre a visão e as cores. Trad. Erlon José Paschoal. São Paulo: Nova Alexandria, 2003a.

SCHOPENHAUER, A. Parerga e paralipomena: scritti filosofici minori. v. I. Ed., pref. e trad. Giorgio Colli. Firenze: Adelphi, 2003b.

SCHOPENHAUER, A. O mundo como vontade e como representação: primeiro tomo. Trad. Jair Barboza. São Paulo: UNESP, 2005.

SCHOPENHAUER, A. O mundo como vontade e representação. Trad. Eduardo Ribeiro da Fonseca. Curitiba: UFPR, 2014. 2 v. Tomo II: Complementos.

SCHOPENHAUER, A. O mundo como vontade e como representação: segundo tomo. Trad. Jair Barboza. São Paulo: UNESP, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1980-5934.30.049.DS02

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.