A virada informacional na Filosofia: alguma novidade no estudo da Mente?

Maria Eunice Quilici Gonzalez, Mariana Claudia Broens, João Antonio de Moraes

Resumo


Analisamos o conceito de informação a partir da hipótese de Adams em The informational turn in Philosophy, segundo a qual ocorreu na década de 1950 “uma virada de grande abrangência na Filosofia” com a publicação do artigo de Turing “Computing Machinery and Intelligence”. Adams sustenta que novos rumos estariam sendo delineados na pesquisa filosófica tendo como base o conceito de informação no tratamento de questões clássicas, tais como o problema da relação mente-corpo, percepção-ação, a natureza do conhecimento, dentre outros. Concordando parcialmente com Adams, julgamos, entretanto, que sua hipótese enfrenta dificuldades, sendo a mais fundamental delas concernente aos diversos significados atribuídos ao termo “informação”. Argumentamos que ainda que o conceito de informação subjacente à proposta mecanicista de Turing, segundo a qual “pensar é computar”, esteja sendo empregado na Filosofia, isso ocorre não por seu teor mecanicista, mas, principalmente, pelo pressuposto representacionista vigente nessa área. Nesse sentido, a virada informacional na Filosofia não seria inovadora, uma vez que desde os seus primórdios a reflexão filosófica sobre a natureza da mente se apoia no pressuposto representacionista. A novidade residiria não especificamente na proposta de Turing, mas nas reflexões sobre a natureza da informação, especialmente da informação ecológica, e de sua relação com a ação.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMS, F. The informational turn in philosophy. Minds and Machines, n. 13, p. 471-501, 2003.

ARISTÓTELES. Sobre la interpretación (Peri hermeneias). In: ARISTÓTELES. Tratados de lógica: el organon. México: Porrua S.A., 1982.

BATESON, G. Mind and nature: a necessary unity. New York: Cambridge Press, 1979.

______. Steps to an ecology of mind. London: The University of Chicago Press, 2002.

BAEYER, H. von. Information: the new language of science. Harvard: Harvard University Press, 2004.

BROENS, M. Mecanicismo e os limites da razão no pensamento de Pascal. In: GONZALEZ, M. E. Q.; BROENS, M. C. (Org.). Encontro com as ciências cognitivas. Marília: UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 1998. v. 2.

DENNETT, D. A perigosa idéia de Darwin: a evolução e o significado da vida. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

DESCARTES, R. Meditações. In: DESCARTES, R. Obra escolhida. Introdução de Giles Gaston-Granger, Prefácio e notas de Gerard Lebrun. Tradução de J. Guinsburg e Bento Prado Junior. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994a. Publicação original em 1637.

DESCARTES, R. As paixões da alma. In: DESCARTES, R. Obra escolhida. Introdução de Giles Gaston-Granger, prefácio e notas de Gerard Lebrun. Tradução de J. Guinsburg e Bento Prado Junior. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994b.

DRETSKE, F. Knowledge and the flow of information. Cambridge, MA: MIT Press/A Bradford Book, 1981.

______. Explaining behavior. Cambridge, MA: MIT Press, 1988.

______. Naturalizing the mind. Cambridge, MA: MIT Press/A Bradford Book, 1995.

DREYFUS, H. What computers can’t do: the limits of artificial intelligence. Revised edition. New York: Harper and Row, 1979. Publicado originalmente em 1972.

GARDNER, H. A nova ciência da mente. São Paulo: EDUSP, 1995.

GIBSON, J. J. The senses considered as perceptual system. Boston: Houghton Mifflin, 1966.

______. The ecological approach to visual perception. Boston: Houghton Mifflin, 1979/1986.

GONZALEZ, M. E. Q. Information and mechanical models of intelligence. Pragmatics and Cognition, v. 13, n. 3, 2005, p. 565-582.

GONZALEZ, M. E. Q.; NASCIMENTO, T. C. A.; HASELAEGER, W. F. G. Informação e conhecimento: notas para uma taxonomia da informação. In: FERREIRA, A. et al. (Org.). Encontro com as ciências cognitivas. Marília: UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 1998. v. 2.

GONZALEZ, M. E. Q.; MORAIS, S. Contribuições do pragmatismo para a compreensão do conceito de informação ecológica. Cognitio: Revista de Filosofia, v. 8, p. 112-36, 2007.

HASELAGER, W. F. G.; GONZALEZ, M. E. Q. Causalidade circular e causação mental: uma saída para a oposição internalismo versus externalismo? Manuscrito, v. 25, n. 1, p. 217-238, 2002.

JUARRERO, A. Dynamics in action: intentional behavior as a complex system. London: Bradford Book, 1999.

KRAVCHENKO, A. Where the autonomy? A response to harnard & deor. In: GONZALEZ, M. E. Q.; HASELAGER, W. F. G (Org.). Mechanicism and autonomy. Pragmatics & Cognition, v. 15, n. 3, p. 407-412, 2007.

LARGE, D. Ecological philosophy. 2003. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2010.

RUMELHART, D.; MAcCLELLAND, J. Parallel distributed processing: exploration in the microstructure of cognition. London: Bradford Book, 1989.

SEARLE, J. R. Minds, brains, and programs. Behavioral and Brain Sciences, v. 3, n. 3, p. 417-457, 1980. Disponível em: . Acesso em: 4 mar. 2010.

______. The rediscovery of the mind. Cambridge, MA: MIT Press, 1992. SCHAEFFER, R. Informação e naturalismo esclarecido: “o realismo informacional”. In: GONZALEZ, M. E. Q.; DEL-MASSO, M. C. S.; PIQUEIRA, J. R. C. (Org.). Encontro com as ciências cognitivas. Marília: UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2001. v. 3. p. 281-298.

SHANNON, C.; WEAVER, W. The mathematical theory of communication. Urbana: University of Illinois Press, 1949.

STONIER, T. Information and meaning: an evolutionary perspective. London: Oxford Press, 1997.

TEIXEIRA, J. de F. Filosofia da mente e inteligência artificial. Campinas, SP: Unicamp, 1996.

TURING, A. Computing machinery and intelligence. Mind, v. 59, p. 433-460, 1950. WIENER, N. Cybernetics, or control and communication in the animal and the machine. Cambridge, MA: MIT Press, 1961.

ZEMAN, J. O significado filosófico da noção de informação. In: ROYAUMONT, C. (Ed.). O conceito de informação na ciência contemporânea. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970. p. 154-179. (Série Ciência e Informação, n. 2).




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v22i30.2230

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.