Mente e “mente”

André Leclerc

Resumo


Antes de perguntar “o que é a mente?” devemos indagar “o que entendemos
por ‘mente’”? A compreensão vem primeiro na ordem da explicação
e da análise. Tentarei, portanto, responder à segunda pergunta
usando um método de análise do significado, inspirado nos contextualistas
em filosofia da linguagem, um método que respeita o uso efetivo
e comum que constitui sempre nosso ponto de partida, e que permite
isolar um núcleo de sentido. Esse núcleo de sentido é modulado em
contexto; podemos assim marcar as pequenas diferenças que sempre
aparecem num contexto específico de uso. É minha convicção que parte
dos problemas encontrados na filosofia da mente vem do fato de que
“mente” não é um termo de espécie natural e não parece designar algo
homogêneo e bem unificado. Nosso conceito de mente é atrelado aos
usos da palavra. O objetivo da primeira parte é encontrar o núcleo de
sentido associado ao termo “mente” e que uma análise contextualista
do significado tem como objetivo de revelar. Em resposta à primeira
pergunta, tentarei apresentar uma visão geral da mente como algo não
substancial, de natureza representacional, que depende do funcionamento
eletroquímico do cérebro, mas que não pode possuir uma localização
no cérebro.

Texto completo:

PDF

Referências


ARMSTRONG, D. M. The mind-body problem: an opinionated introduction. Boulder: Westview Press, 1999.

CHURCHLAND, P. Matter and consciousness. Cambridge, MA: MIT Press, 1988.

CRANE, T. Elements of mind. Oxford: Oxford, 2001.

DAVIDSON, D. Donald Davidson. In: GUTTENPLAN, S. (Org.). A companion to the philosophy of mind. Oxford: Blackwell, 1994. p. 231-236.

DESCARTES, R. Méditations metaphysiques. Paris: Presses Universitaires de France, 1970.

DRETSKE, F. Naturalizing the mind. Cambridge, MA: MIT Press, 1995.

FLANAGAN, O. Consciousness reconsidered. Cambridge, MA: MIT Press, 1992.

LECLERC, A. Do externismo ao contextualismo. In: SILVA FILHO, W. da. (Org.).Mente, mundo, linguagem. São Paulo: Alameda, 2010.

MORAVCSIK, J. Meaning, creativity and the partial inscrutability of the human mind. Stanford: CSLI Publications, 1998.

PUTNAM, H. The meaning of ‘meaning’. In: GUNDERSON, K. (Org.). Language, mind and knowledge. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1975. p. 131-193. Reason, truth and history. Cambridge: C.U.P., 1981.

PESSIN, A.; GOLDBERG, S. (Org.). The twin-earth chronicles. Armonk: M. E. Sharpe, 1996. p. 3-52.

SEARLE, J. Intentionality. Cambridge, MA: Cambridge University Press, 1983. The rediscovery of mind. Cambridge, MA: MIT Press, 1992.

STALNAKER, R. On what’s in the head, philosophical perspective, 3: philosophy of mind and action theory. Atascadero: Ridgevew Publishing Company, 1989. Context and content: essays on intentionality in speech and thought. Oxford: Oxford University Press, 1999.

TYE, M. Ten problems of consciousness. Cambridge, MA: MIT Press, 1996.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v22i30.2203

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.