O que nasce do nada

José Ternes

Resumo


Les mots et les choses é definida por Foucault como uma história arqueológica dos saberes modernos. É, pois, uma história do presente. Reconhece-se que o presente, denominado modernidade, configura um espaço epistemológico radicalmente novo. Os primeiros sinais dessa novidade podem ser detectados já na segunda metade do século XVIII. É o Cogito envelhecido. Com Kant, o aparecimento da vida, do trabalho e da linguagem, o conhecimento por imagens não mais se sustenta. Com esses novos objetos, e especialmente com a filosofia crítica, conhecer exige haver-se com um campo transcendental, aonde o cogito se abre para o não pensamento. Onde o sujeito se torna função de pensamento. Antes que representar, inventar. Gesto que abre a possibilidade de algo ausente em toda a história da cultura ocidental: a literatura. Não se trata de desprezar obras literárias de épocas anteriores, mas esse estatuto seríamos nós que, retrospectivamente, lhes conferimos. Escrever era comunicar uma verdade, quer dos heróis fundadores (epopeia) quer do futuro (profecia), quer da natureza (prosa do mundo). Na literatura a linguagem comparece em seu ser. Suas verdades (irrealidades) nascem do nada.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.7213/1980-5934.28.045.DS06

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.