NIETZSCHE E A QUESTÃO DA SUBLIMAÇÃO

Rogério Miranda de Almeida

Resumo


O objetivo deste texto é analisar a noção de sublimação em algumas obras
de Nietzsche e, mais do que isto, mostrar que esta questão se encontra já
nos seus primeiros escritos, aqueles que eu denomino pela expressão: “os
escritos trágicos”. Tanto em Nietzsche quanto em Freud, a sublimação se
manifesta como um processo que, aparentemente, nada tem a ver com a
sexualidade mas que, em última instância, encontra sua explicação na força
das pulsões sexuais. Em Nietzsche, porém, além de uma sublimação da
sexualidade, existe uma sublimação das pulsões de destruição, ou de morte.
É sobre este último ponto que recai a ênfase destas reflexões.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, R. M. de. Eros e Tânatos: a vida, a morte, o desejo. São Paulo:

Loyola, 2007. cap. IV;

FREUD, S. Drei Abhandlungen zur Sexualtheorie. In: FREUD, S. Gesammelte Werke (GW). Frankfurt am Main: Fischer Taschenbuch, 1999a. v. 5 e 18;

______. Das Unbehagen in der Kultur. In: FREUD, S. Gesammelte Werke

(GW). 1999b. v. 14 e 18;

LACAN, J. Le Séminaire, Livre XI, Les quatre concepts fondamentaux de

la psychanalyse. Paris: Seuil, 1973;

NIETZSCHE, F. Obras incompletas. Tradução de Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Abril Cultural, 1978. (Coleção Os Pensadores);

______. Sämtliche Werke: Kritische Studienausgabe (KSA). Berlin: New

York: DTV, 1980. (Edição organizada por Giorgio Colli e Mazzino Montinari);

NOVALIS, F. Blütenstaub. In: NOVALIS, F. Three works. Cambridge:

Cambridge University Press, 1955;

SCHUTTE, O. Beyond Nihilism: Nietzsche without masks. Chicago: The

University of Chicago Press, 1984. p. 207.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/rfa.v20i27.1789

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.