A sustentabilidade da matriz energética brasileira: o marco regulatório das energias renováveis e o princípio do desenvolvimento sustentável

Andreas Joachim Krell, Carolina Barros De Castro e Souza

Resumo


O artigo tem como objetivo analisar os aspectos jurídicos do panorama regulatório da matriz energética brasileira no contexto de intensa preocupação da comunidade internacional com o meio ambiente, questionando se a referida matriz pode ser considerada “sustentável”. Fixa-se um parâmetro de sustentabilidade para estudar as leis que compõem o marco regulatório nacional das energias renováveis. Essas são cotejadas com as políticas públicas de promoção da energia limpa, para verificar a sua compatibilidade. Revela-se que a fonte de energia hidráulica, por si só, não pode garantir o caráter de sustentabilidade à matriz energética brasileira. Apesar dos esforços empreendidos para diversificar a política energética nacional, ainda se está longe de atingir uma dinâmica coerente, sobretudo em razão do caráter de complementaridade que incide sobre as fontes de energias renováveis no Brasil. Torna-se evidente que a divergência entre a legislação e a realização de políticas públicas enseja a violação de direitos fundamentais. Por fim, são avaliadas as possibilidades de uma política energética mais limpa, o que requer uma nova interpretação do desenvolvimento sustentável, a incorporação de uma racionalidade socioambiental na legislação e a elaboração de políticas públicas.


Palavras-chave


matriz energética brasileira; desenvolvimento sustentável; direitos fundamentais; energias renováveis; políticas públicas.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, Ricardo. Desenvolvimento sustentável: qual a estratégia para o Brasil? Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, nº 87, p. 97-113, jul. 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2019.

ANDRADE, André L. Campos de; MATTEI, Lauro. A (in)sustentabilidade da matriz energética brasileira. Revista Brasileira de Energia, vol. 19, nº 2, p. 9-36, 2º sem. 2013.

ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica. Editais de geração (1/10/2019). Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2020.

ANP – Agência Nacional de Petróleo. Rodadas de licitação de petróleo e gás natural (Website). 2020. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2020.

ANP – Agência Nacional de Petróleo. Rodadas em planejamento – biênio 2018-2019. 2018. Disponível em: http://rodadas.anp.gov.br/pt/bienio-2018-2019. Acesso em: 25 abr. 2018.

ANTUNES, Paulo de Bessa. Política Nacional do Meio Ambiente – PNMA: Comentários à Lei 6.938/1981. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2005.

AYALA, Patryck de A. Devido processo ambiental e o direito fundamental ao meio ambiente. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011.

BARONI, Margaret. Ambiguidades e deficiências do conceito de desenvolvimento sustentável. Revista de Administração de Empresas, vol. 32, nº 2, São Paulo, p. 14-24, abr./jun. 1992.

BENJAMIN, Antônio Herman. Constitucionalização do ambiente e ecologização da Constituição Brasileira. In: CANOTILHO, J. J. Gomes; LEITE, J. R. Morato (orgs.). Direito Constitucional Ambiental brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2007.

BIANCHI, Patricia N. Lima. Instrumentos para a eficácia das políticas públicas energéticas: Brasil e União Europeia. Revista de Direito da Cidade, vol. 11, nº 1, Rio de Janeiro, p. 1-36, 2019.

BRASIL (2003). Tribunal de Contas da União. Ata 19/2003, sessão de 28/5/2003, aprovação 4/6/2003, publ. DOU 10/6/2003. Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 2018.

BRASIL (2015). Ministério das Relações Exteriores. Pretendida contribuição nacionalmente determinada para consecução do objetivo da convenção-quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima. Set. de 2015. Disponível em: http://www.itamaraty.gov.br/images/ed_desenvsust/BRASIL-iNDC-portugues.pdf. Acesso em: 13 nov. 2019.

BRASIL (2018). Supremo Tribunal Federal. ADI 4.901/DF. j. 28/02/2018 (N. 19). Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2020.

BRASIL (2019). Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Estudo propõe medidas para cumprimento das metas do Acordo de Paris. 21.3.2017, modif. 22/05/2019. Disponível em: . Acesso em: 25 dez. 2019.

BRASIL. (2017a). Balanço energético nacional: ano base 2016. Empresa de Pesquisa Energética. Rio de Janeiro: EPE, 2017.

BRASIL. (2017b). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Biodiesel: oportunidades e desafios. Atual. 17/03/2017. Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 2018.

COSTA NETO, Nicolão Dino de Castro. e. Proteção jurídica do meio ambiente. Belo Horizonte: Del Rey, 2003.

CUNHA JUNIOR, Dirley da. Curso de Direito Constitucional. 7. ed. Salvador: Juspodivm, 2013.

CUSTÓDIO, Maraluce M.; VIEIRA, Eriton G. O desenvolvimento sustentável à luz do direito fundamental ao meio ambiente ecologicamente equilibrado. Meritum, vol. 10, nº 1, Belo Horizonte, p. 159-197, jan./jun. 2015.

EPE – Empresa de Pesquisa Energética. Matriz energética e elétrica. 2018. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2018.

FGV ENERGIA (2015). Energias renováveis complementares. Ano 2, nº 4, dez. 2015. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2019.

FGV ENERGIA (2017). Caderno Fórum de Energia. Fórum Nacional de Energia - VII Seminário sobre matriz e segurança energética brasileira. Rio de Janeiro, 2017.

FRANCO, Cezar Augusto de O. (2016). (Org.). Sistema elétrico brasileiro e marco regulatório das energias renováveis. GEPA. Toledo: PUC-PR, jul. 2016. Disponível em: http://www.oesteemdesenvolvimento.com.br/admin/uploads/texteditor/txt_ 14718765939380. pdf. Acesso em: 15 abr. 2019.

FRANCO, Fernanda C. de Oliveira (2014). Energia, desenvolvimento e recursos naturais: considerações sobre a (in)sustentabilidade do modelo hidrelétrico no Brasil. In: CUNHA, B. P. da; AUGUSTIN, S. (Orgs.). Sustentabilidade ambiental: estudos jurídicos e sociais. Caxias do Sul: EDUCS, 2014 (E-book), p. 187-197. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2019.

GOLDEMBERG, José. Energia e desenvolvimento. Estudos Avançados, vol. 12, nº 33, São Paulo, p. 7-15, mai./ago. 1998.

HASHIMURA, Luís de M. Marques. Aproveitamento do potencial de geração de energia elétrica por fontes renováveis alternativas no Brasil: instrumentos de política e indicadores de progresso. Rio de Janeiro: COPPE/UFRJ, 2012.

IEA – International Energy Agency. Key world energy statistics. 2017. Disponível em: https://www.iea.org/publications/freepublications/publication/KeyWorld2017.pdf. Acesso em: 24 abr. 2018.

KRELL, Andreas J. Discricionariedade administrativa e conceitos legais determinados: limites do controle judicial no âmbito dos interesses difusos. 2. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2013.

LANZILLO, Anderson Souza da Silva; XAVIER, Yanko Marcius de Alencar. As energias renováveis no ordenamento jurídico brasileiro – uma visão constitucional. Direito E-nergia, Ano 1, vol. 1, p. 1-14, ago./dez. 2009. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2020.

LÉLÉ, Sharachchandra M. Sustainable development: a critical review. World Development, vol. 19, nº 6, p. 607-621, 1991.

MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito Ambiental brasileiro. 21. ed. São Paulo: Malheiros, 2013.

MELO, Ana Cláudia B. de Andrade. Microgeração e minigeração de energia elétrica como fator de promoção do desenvolvimento econômico: estudo sob a ótica constitucional. Natal, 2017, 106 f. Dissertação (Mestrado em Direito Constitucional) – UFRN. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2020.

MME - Ministério de Minas e Energia. PRODEEM. S/d. Brasília. Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 2019.

MOURA JÚNIOR, Flávio P. de. O Direito Constitucional ambiental. In: SOUZA NETO, C. P.; SARMENTO, D. (orgs.). A constitucionalização do Direito: Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007, p. 783-802.

PASSEGGI, Alicia Violeta Botelho S. A inserção das energias renováveis na matriz energética brasileira como instrumento de efetivação do desenvolvimento sustentável no Brasil. In: XAVIER, Y. M. de A.; GUIMARÃES, P. B. V. (Orgs.). O Direito das energias renováveis. Natal: UFRN, 2009, p. 26-53.

RATTNER, Henrique. Sustentabilidade – uma visão humanista. Ambiente & Sociedade, Ano II, nº 5, p. 233-240, 2º sem. 1999.

REDCLIFT, Michael. Development and the environmental crisis: red or green alternatives. London: Methuen, 1984.

SACHS, Ignacy (2000). Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2000.

SACHS, Ignacy (2008). Desenvolvimento: includente, sustentável, sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

SACHS, Jeffrey (2019). A era do desenvolvimento sustentável. New York: Columbia University. 2019. Disponível em: . Acesso em 5 mar. 2019.

SARLET, Ingo Wolfgang; FENSTERSEIFER, Tiago (2014). Direito Ambiental: Introdução, fundamentos e Teoria Geral. São Paulo: Saraiva, 2014.

SARLET, Ingo Wolfgang; FENSTERSEIFER, Tiago (2017). Direito Constitucional ambiental – Constituição, direitos fundamentais e proteção do ambiente. 5. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2017.

SEEG – Sistema de Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa. Emissões do Brasil sobrem 9% em 2016. São Paulo etc., 25/10/2017. Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 2018.

SILVA, Kathy A. de Medeiros; XAVIER, Yanko Marcius de A. A utilização de energias renováveis para a consolidação do desenvolvimento sustentável. In: XAVIER, Y. M. et al (orgs.). Direito das Energias Renováveis e Desenvolvimento, nº 7, Natal, p. 11-26, 2013.

SIMIONI, Carlos Alberto. O uso de energia renovável sustentável na matriz energética brasileira: obstáculos para o planejamento e ampliação de políticas sustentáveis. Curitiba, 2006, 300 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) – UFPR. Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 2019.

SLAPER, Timothy F.; HALL, Tanya J. The triple bottom line: what is it and how does it work? Indiana Business Review (Kelley School of Business), Spring 2011, p. 4-8. Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 2018.

SUNDFELD, Carlos Ari V. Direito Administrativo para céticos. 2. ed., São Paulo: Malheiros, 2014.

VARELLA, Marcelo Dias. Direito Internacional Econômico ambiental. Belo Horizonte: Del Rey, 2004.

VIZEU, Fabio; MENEGHETTI, Francis K.; SEIFERT, René E. Por uma crítica ao desenvolvimento sustentável. Cadernos EBAPE.BR [online], vol. 10, nº 3, p. 569-583, 2012. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2018.

WEDY, Gabriel. Decisões do STF e o dever fundamental do desenvolvimento sustentável. Consultor Jurídico, 14.1.2017. Disponível em: . Acesso em: 5 mar. 2018.

WINTER, Gerd. Desenvolvimento sustentável, OGM e responsabilidade civil na União Europeia. Trad.: Carol Manzoli Palma. Campinas: Millennium, 2009.




DOI: https://doi.org/10.7213/rev.dir.econ.soc.v11i2.26872

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Andreas Joachim Krell, Carolina Barros De Castro e Souza

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

eISSN 2179-8214

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Rua Imaculada Conceição, 1155, Bloco Vermelho, Prado Velho, Curitiba/PR, Brasil, CEP 80.215-901

E-mail: [email protected]

https://periodicos.pucpr.br/index.php/direitoeconomico/