O coronavírus e a vontade de poder: uma leitura nietzschiana sanguíneo-vascular | Coronavirus and the will to power: a blood vascular Nietzschean reading

Everton Nery Carneiro, Marcelo Máximo Purificação, Emerson Nery Carneiro

Resumo


É preciso compreender o que é um vírus e principalmente sua ação. Assim, trabalhamos o referencial nietzschiano, que intenta a construção de uma base teórica para fundamentar sua hermenêutica/perspectiva sobre a vida, sendo esta na vida, inexistido separação nítida/perceptível entre ciência, teologia, arte e filosofia.  Seguiremos aqui com a biologia (ciência), não divorciada da teologia, visando fundamentar a concepção de vontade-de-poder, numa dimensão filosófica. Na primeira parte, desenvolvemos a compreensão de que caos e cosmo (teologicamente e filosoficamente) são indispensáveis na constituição orgânica e inorgânica, entendendo que o mundo é um caos eterno e qualquer projeção de padrão, ordem ou objetivo é um mero antropomorfismo. Assim, entendemos que a luta, o polemos está estabelecido e, tudo isso pode ocorrer antes mesmo do corpo apresentar quaisquer sinais de enfermidades. Na segunda parte, retomamos o conceito de “eterno retorno”, degustando o aforismo 341. Eterno retorno, que é uma construção filosófica nietzschiana, construído a partir da compreensão teológica de Eclesiastes 2. Por último movimento do texto, apresentamos o para não concluir, que a guisa de um final de artigo, produz pontos elucidativos, aqui um ao qual destacamos:  A vontade-de-poder trabalha uma hermenêutica ao constituir o mundo como uma relação entre campos de força instáveis e em constante conflito e autoconfiguração.

 

Abstract

It is necessary to understand what a virus is and, in general terms, its action. Thus, we work with the Nietzschean framework, which attempts to build a theoretical basis to support his hermeneutics / perspective on life, which is in life, there is no clear / noticeable separation between science, theology and philosophy. We will continue here with biology (science), not divorced from theology, aiming to base the conception of will-to-power, in a philosophical dimension. In the first part, we developed the understanding that chaos and cosmos (theologically and philosophically) are indispensable in organic and inorganic constitution, understanding that the world is eternal chaos and any projection of pattern, order or objective is a mere anthropomorphism. Thus, we understand that the struggle, the polemic, is established and all of this can happen even before the body shows any signs of illness. In the second part, we return to the concept of "eternal return", tasting the aphorism 341. Finally, we present the not to conclude that, as a way of concluding the article, produces elucidating points, one of them here highlighted: The will-to-power hermeneutically constitutes the world as a relationship between unstable force fields and in constant conflict and self-configuration.

É preciso compreender o que é um vírus e principalmente sua ação. Assim, trabalhamos o referencial nietzschiano, que intenta a construção de uma base teórica para fundamentar sua hermenêutica/perspectiva sobre a vida, sendo esta na vida, inexistido separação nítida/perceptível entre ciência, teologia, arte e filosofia.  Seguiremos aqui com a biologia (ciência), não divorciada da teologia, visando fundamentar a concepção de vontade-de-poder, numa dimensão filosófica. Na primeira parte, desenvolvemos a compreensão de que caos e cosmo (teologicamente e filosoficamente) são indispensáveis na constituição orgânica e inorgânica, entendendo que o mundo é um caos eterno e qualquer projeção de padrão, ordem ou objetivo é um mero antropomorfismo. Assim, entendemos que a luta, o polemos está estabelecido e, tudo isso pode ocorrer antes mesmo do corpo apresentar quaisquer sinais de enfermidades. Na segunda parte, retomamos o conceito de “eterno retorno”, degustando o aforismo 341. Eterno retorno, que é uma construção filosófica nietzschiana, construído a partir da compreensão teológica de Eclesiastes 2. Por último movimento do texto, apresentamos o para não concluir, que a guisa de um final de artigo, produz pontos elucidativos, aqui um ao qual destacamos:  A vontade-de-poder trabalha uma hermenêutica ao constituir o mundo como uma relação entre campos de força instáveis e em constante conflito e autoconfiguração.

Texto completo:

PDF

Referências


ABCMED, 2016. Acidose lática - características, causas, diagnóstico e tratamento. Disponível em: https://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1275478/acidose-latica-caracteristicas-causas-diagnostico-e-tratamento.htm. Acesso em: 20 jul. 2020.

ARISTIZÁBAL-SALAZAR, Raúl E., CALVO-TORRES, Felipe. Revista Colombiana de Anestesiología, Equilíbrio ácido-base: a melhor abordagem clínica. Volume 43, Issue 3, Julho - setembro de 2015.

Bíblia de Estudo NTLH. Barueri, São Paulo. Sociedade Bíblica do Brasil. 2005.

CAGNOLATI, Daniel et al. HEMOSTASIA E DISTÚRBIOS DA COAGULAÇÃO. Disponível em https://sites.usp.br/dcdrp/wp-content/uploads/sites/273/2017/05/hemostasia_revisado.pdf. Acessado em 22 de novembro de 2020.

DEZUBE, Rebecca. Controle da Respiração. Manual MSD – Versão Saúde para a Família. 2019. Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt/casa/dist%C3%BArbios-pulmonares-e-das-vias-respirat%C3%B3rias/biologia-dos-pulm%C3%B5es-e-das-vias-a%C3%A9reas/controle-da-respira%C3%A7%C3%A3o. Acessado em 26 de Novembro de 2020.

Dicionário infopédia da Língua Portuguesa [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. Disponível em: https://www.infopedia.pt/dicionarios/linguaportuguesa/ep%C3%ADgono. Acessado em 15/11/2020

GOEDERT, Elciana. Objetos Digitais de Aprendizagem: auxílio na compreensão das noções básicas de Citologia e Histologia no Ensino Fundamental. Secretaria de Educação do Estado do Paraná. 2013. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2013/2013_utfpr_cien_pdp_elciana_goedert.pdf. Acessado em 25 de novembro de 2020.

GOUNELLE, André. Deus inventado e inventor. in GIRARD, René; GOUNELLE, André; HOUZIAUX, Alain (Orgs.). René Girard: Deus uma invenção? Tradução de Margarita Maria Garcia Lamelo. Realizações Editora. São Paulo, 2011.

JUNQUEIRA, L.C., CARNEIRO José. Biologia Celular e Molecular. Editora Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 2016.

KURY, Mário da Gama. Dicionário de Mitologia grega e romana. 7ª Edição. Rio de Janeiro: Jorge Zagar Ed., 2003.

LUIZ, Felipe. Uma reflexão introdutória sobre o polemos no fr. 53 dK de Heráclito. 2020. Disponível em: https://hypnos.org.br/index.php/hypnos/article/view/608/611. Acesso 20 nov. 2020.

MARTON, Scarlett. Da biologia à física: vontade de potência e eterno retorno do mesmo. Nietzsche e as ciências da natureza. In: BARRENECHEA, Miguel Angel de [et al.] Nietzsche e as ciências. Rio de Janeiro: 7letras, 2011

MARTON, Scarlett. Extravagâncias: Ensaios sobre a filosofia de Nietzsche. São Paulo: Discurso e Unijuí, 2000.

MENEGUETTI, Dionatas Ulises de Oliveira; FACUNDO, Valdir Alves. Vírus ser vivo ou não? Eis a questão! 2020, Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/epidemiologia. Acessado em 20 de novembro de 2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Programa Nacional de Suplementação de Ferro: manual de condutas gerais. Anemia. 2015. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/dicas-em-saude/431-anemia. Acessado em 23 de novembro de 2020.

NEWS.MED.BR, 2016. Qual o impacto dos níveis de hemoglobina e da anemia sobre a mortalidade no AVC agudo? Disponível em: https://www.news.med.br/p/medical-journal/1274503/qual-o-impacto-dos-niveis-de-hemoglobina-e-da-anemia-sobre-a-mortalidade-no-avc-agudo.htm. Acesso em: 20 jul. 2020.

WISCHKE, Mirko. Pensar. IN: NIEMEYER, Christian (Org.). Léxico de Nietzsche. São Paulo. Edições Loyola, 2014.

NIETZSCHE, Friederich. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. Tradução, notas e prefácio Paulo César de Sousa. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

NIETZSCHE, Friederich. Crepúsculo dos Ídolos ou como se filosofa com martelo. Tradução, notas e posfácio Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. A origem da tragédia. Tradução Joaquim de Faria. 5 ed. São Paulo: Centauro, 2004.

NIETZSCHE, Friederich. Aurora. Tradução Carlos Antonio Braga. 2ª edição. Editora Escala: São Paulo, 2008.

NIETZSCHE, Friederich. A Gaia Ciência. Tradução Antônio Carlos Braga. São Paulo: Lafonte, 2017.

ONFRAY, Michel. A sabedoria trágica: sobre o bom uso de Nietzsche. Tradução Carla Rodrigues. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

OPAS. Folha informativa COVID-19 - Escritório da OPAS e da OMS no Brasil. 2020. Disponível em: https://www.paho.org/pt/covid19. Acessado em 27 de Novembro de 2020.

OPAS. Coágulo de sangue: Sintomas, Tratamentos e Causas. 2019. Disponível em

PASCHOAL, Antonio Edmilson. O mundo como medida: o papel conferido por Scarlett Marton à cosmologia na interpretação da filosofia de Friedrich Nietzsche. Cad. Nietzsche vol.39 no.2 São Paulo May/Aug. 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/2316-82422018v3902aep. Acessado em 21 de julho de 2020

RAPOSO, Joseane Bonel. Metabolismo e mecanismos de ação de compostos hepáticos. Seminário de Bioquímica do Programa de Pós-graduação em Ciências da UFRGS. 2002. Disponível em: https://www.ufrgs.br/lacvet/restrito/pdf/xenobioticos.pdf. Acessado em 23 de novembro de 2020.

RAMOS, Roberta Pulcheri. Como a anemia pode influenciar negativamente as trocas gasosas? 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/jbpneu/v43n1/pt_1806-3713-jbpneu-43-01-00001.pdf. Acessado em 23 de Novembro de 2020

SAFRANSKI, Rudiger. Nietzsche, biografia de uma tragédia. Tradução de Lya Lett Luft. São Paulo. Geração editorial, 2011.p.91-92.

SANTOS, Norma Suely de Oliveira. Introdução à Virologia Humana. Editora Guanabara. Rio de Janeiro, 2002.

STEINER, João E. A Origem do Universo. 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142006000300022. Acessado em 20 de novembro de 2020.

STEGMAIER, Werner. As linhas fundamentais do pensamento de Nietzsche: coletânea de artigos. Organização de Jorge Luiz Viesenteiner e André Luis Muniz Garcia. Petrópolis, Rio de Janeiro. Vozes, 2013.

SUGITA, Denis Masashi. Fisiologia Respiratória. Disponível em: https://medpri.me/upload/texto/texto-aula-1080.html. Acessado em 28 de Novembro de 2020

VATTIMO, Gianni. Introdución a Nietzsche. Barcelona: Penísula, 2001.

WESTHELLE, Vítor. O Deus escandaloso: o uso e o abuso da cruz. Tradução de Geraldo Korndorfer. São Leopoldo: Sinodal/EST; 2008.

LI, Yanbai et al. Influenza virus glycoprotein-reactive human monoclonal antibodies. Disponível em: www.elsevier.com/locate/micinf. Acessado em 20 de julho de 2020.

YOUNG, Julian. Friederich Nietzsche: uma biografia filosófica. Tradução Marisa Mota. 1ª edição. Rio de Janeiro: Forense, 2014.




DOI: https://doi.org/10.7213/2318-8065.05.02.p39-53

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


O Caderno Teológico segue uma atribuição CC-BY Creative Commons 4.0