Fenomenologia e psicologia da religião no Brasil: fundamentos, desafios e perspectivas

Adriano Furtado Holanda

Resumo


Falar de religião é, fundamentalmente, falar de experiência religiosa, dado que a religião só existe porque há sujeitos que a manifestam de uma forma intencional. Esta é a posição da Fenomenologia, cuja tradição, inaugurada pelos estudos de Edmund Husserl, replica em parte o projeto de fundamentação radical das ciências e da filosofia que encontramos em Descartes, e faz com que o edifício fenomenológico venha a se erguer sobre múltiplas perspectivas: como epistemologia (ponto de partida), método(caminho), filosofia (construção) e ciência (intenção). A intenção deste trabalho é apresentar as raízes que desembocam no desenvolvimento de uma Fenomenologia da Religião, bem como suas premissas e autores fundamentais. Em seguida, pretende-se traçar breve panorama dos debates ora em pauta, sob a égide do pensamento fenomenológico, no contexto dos estudos sobre religião, religiosidade e espiritualidade,no Brasil. Pesquisas recentes são apresentadas, como ilustração dos desafios e perspectivas do campo. Por fim, vale destacar que fazer uma “fenomenologia” da religião passa por um olhar amplo para o fenômeno religioso, incluindo a análise do significado dos movimentos em religiões – trânsito religioso, migrações, etc. – além da interpretação de signos e sinais particulares. Conclui-se pela necessidade de se ampliar o debate e o desenvolvimento de pesquisas no campo, bem como estabelecer uma melhor compreensão do sentido de se fazer uma “fenomenologia”.


Texto completo:

PDF

Referências


BELLO, A. A. Edmund Husserl. Pensar Deus, Crer em Deus. São Paulo: Paulus, 2016.

BRANDT, H. As Ciências da Religião numa Perspectiva Intercultural. A percepção oposta da fenomenologia da religião no Brasil e na Alemanha. Estudos Teológicos, v. 46, n. 1, p. 122-151, 2006.

CORRÊA, C. V; HOLANDA, A. F. Coping Religioso/Espiritual em Profissionais da Atenção à Saúde Mental do Litoral do Paraná. 2015. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2015.

DILTHEY, W. Psicologia e Compreensão. Ideias para uma psicologia descritiva e analítica. Lisboa: Edições 70, 2002 [1894].

DREHER, L. H. (Org.). A Essência Manifesta: A fenomenologia nos estudos interdisciplinares da religião. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2003.

ELIADE, M. História das Crenças e das Ideias Religiosas. Rio de Janeiro: Zahar Editores, [1978] 1983.

ELIADE, M. Le Sacré et le Profane. Paris: Gallimard, 1965 [1957].

ESPERANDIO, M. R. G.; MARQUES, L.F. The Psychology of Religion in Brazil. The International Journal for the Psychology of Religion. v. 25, n. 4, p. 255-271, 2015.

FERNANDES, M. A. Fenomenologia e Teologia em Martin Heidegger. Reflexão, Campinas, v. 40, n. 1, p. 95-108, 2015.

FILORAMO, G.; PRANDI, C. As Ciências da Religião. São Paulo: Paulus, 1999.

GOTO, T. A. Fenomenologia e Experiência Religiosa em Paul Tillich. Revista da Abordagem Gestáltica, v. 17, n. 2, p. 137-142, 2011.

GRESCHAT, J-H. O Que é Ciência da Religião? São Paulo: Paulinas, 2005.

HABERMAS, J. Entre Naturalismo e Religião: estudos filosóficos. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2007.

HEIDEGGER, M. Introducción a la Fenomenología de la Religión. México: Siruela, 2006.

HUSSERL, E. Conferências de Paris. Lisboa: Edições 70, 1992 [1929].

HUSSERL, E. Filosofia como Ciência de Rigor. Coimbra: Atlântida, 1965 [1910].

HUSSERL, E. Idées Directrices pour une Phénoménologie et une Philosophie Phénoménologie Pures. Paris: Gallimard, 1985 [1913].

MENDONÇA, M.L.V.P. A Concepção Eliadiana da Fenomenologia da Religião sob a Perspectiva do Método. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia, Belo Horizonte, 2012.

PAIVA, G. J. Psicologias da Religião na Europa, Revisitadas. In: HOLANDA, A. F. (Org.). Psicologia, Religiosidade e Fenomenologia. Campinas: Editora Átomo, 2004. p. 37-46.

PIAZZA, W. O. Introdução à Fenomenologia Religiosa. Petrópolis: Vozes, 1976.

SAUSSAYE, C. de la. História das Religiões. Lisboa: Inquérito, 1940 [1887].

USARSKI, F. Os Enganos sobre o Sagrado – Uma Síntese da Crítica ao Ramo “Clássico” da Fenomenologia da Religião e seus Conceitos-Chave. Rever – Revista de Estudos da Religião, n. 4, p. 73-95, 2004.

USCATESCU, J. Acerca de la fenomenología de la religión en las lecciones de Heidegger sobre la fenomenología de la vida religiosa. In: HEIDEGGER, M. Introducción a la Fenomenología de la Religión. México: Siruela. 2006. p. 09-30.

VAN DER LEEUW, G. A Religião em sua Essência e suas Manifestações. Fenomenologia da Religião – Epílogo. Revista da Abordagem Gestáltica, v. 15, n. 2, p. 179-183, 2009.

VAN DER LEEUW, G. La Religion dans son Essence et ses Manifestations. Phénoménologie de la Religion, Paris: Payot, 1948.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/2175-1838.09.001.DS06

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.