Na parábola do desvalido no caminho (Lc 10, 25-37): o autoconceito pela humanização em saúde

Ramiro Délio Borges de Meneses

Resumo


Com este texto procuramos uma leitura do pensamento de W. James sobre o self (autoconceito) no âmbito da parábola do bom samaritano (Lc 10, 25-37). Aqui, encontramos uma original forma de abordar o sentido da humanização, em saúde, pelos fundamentos antropológico-bíblicos do autoconceito e a forma como este se vivencia no âmbito da mesma humanização em saúde. Naturalmente, o “autoconceito” está presente, nessa parábola, sob a forma de um “acolhimento esplancnofânico” na vida de um desvalido no caminho. O samaritano faz um “mim agápico” ao Homo Viator, dado este que determina um “mim soteriológico” pela misericórdia de Deus-Pai. Variados são os “mim” na parábola, a começar pelo mim material, representado nos salteadores, passando ao “mim litúrgico”, que tem o sentido na dimensão do “mim de identidade”, referido nas personagens do sacerdote e do levita. Um dos elementos fundamentais, presentes na parábola do desvalido no caminho, radica no “mim social”, que se referem em dois árbitros, que salientam o sentido do “mim de identidade”, referenciados nos personagens fictícios: sacerdote e levita. Assim, a parábola apresenta uma nova concepção do sentido do autoconceito na vida de um desvalido no caminho pela acção agápica de um samaritano bom. O “mim” espiritual e o “mim” social conferem um sentido pastoral à parábola do bom samaritano, em virtude da “deliberação esplancnofânica” do samaritano perante o desvalido no caminho.


Palavras-chave


Parábola do bom samaritano; Autoconceito; Mim. W. James; Humanização em saúde e bioética.

Texto completo:

PDF

Referências


ALCÂNTARA, J. A. Como educar a auto-estima. Lisboa: Edições Técnicas, 1997.

BOLANDER, V. B. Enfermagem fundamental: abordagem psico-fisiológica. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.

HATTIE, J. Self-concept. Hillsdade: Lawrence Erlbaum Associates, 1992.

KENDLER, H. H. Introdução à psicologia. Lisboa: Gulbenkian, 1985. v. II.

JAMES, W. Principles of psychology. Toronto: York University, 1890.

JAMES, W. Self concept. Hillsdade: Lawrence Erlbaum Associates, 1992.

SERRA, A. V. O inventário clínico do autoconceito. Psiquiatria Clínica, v. 7, n. 2, p. 54-68, 1986.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/pp.v3i2.13256

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.