O Ensino Religioso para ensinar ou formar? Um tema forte e delicado

Eulálio Figueira

Resumo


Tratar da temática do que deve ser ensinado dentro de uma sala de aula, sabendo que não se trata de um ato gratuito e muito menos sem repercussões, constitui tarefa bastante árdua, pois isso envolve a definição dos rumos que a humanidade irá tomar. Cada conteúdo e cada metodologia levada para dentro de uma sala de aula não têm o mesmo impacto que uma conversa de bar. Uma disciplina curricular introduzida na regularidade das salas de aula deve ter como objetivo produzir um leque mais alargado de testemunhos. Deverá tomar como objeto de seu trabalho a experiência religiosa. Desse modo, entende-se que o estudo resultante dos esforços do Ensino Religioso pode ajudar, de modo relevante, não só a compreender, mas a identificar o pensamento religioso da geração contemporânea, ou dito de outro modo: ajudar a perceber como homens e mulheres, em seus lugares hodiernos, produzem razões para fazerem o que fazem e como fazem.


Palavras-chave


Ensino Religioso; Sala de aula; Experiência religiosa.

Texto completo:

PDF

Referências


CARTA CIRCULAR DA CONGREGAÇÃO PARA A EDUCAÇÃO CATÓLICA.

Carta Circular n. 520/2009. Disponível em: .

Acesso em: 20 out. 2009.

DERRIDA, J. (Org.). A religião. São Paulo: Estação Liberdade, 2000.

ELIADE, M. Origens. Lisboa: Edições 70, 1969.

KUNG, H. Projeto de ética mundial: uma moral ecumênica em vista da

sobrevivência humana. São Paulo: Paulinas, 1993.

LEVINAS, E. Totalidade e infinito. Tradução José Pinto Ribeiro. Lisboa: Edições

, 1980.

RORTY, R. Contingência, ironia e solidariedade. Lisboa: Presença, 1992.

RORTY, R.; VATTIMO, G. O futuro da religião, solidariedade, caridade e ironia. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.7213/pp.v2i2.10763

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Editora Universitária Champagnat

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.